Trans­for­mar idei­as em ne­gó­ci­os tem re­sul­ta­do

Jo­vens em­pre­en­de­do­res an­go­la­nos têm apro­vei­ta­do as opor­tu­ni­da­des do mer­ca­do mas ca­re­cem de mai­or in­cen­ti­vo fi­nan­cei­ro pa­ra de­sen­vol­ver em ple­no as su­as ac­ti­vi­da­des re­sul­tan­tes da criatividade

Jornal de Economia & Financas - - Destaque - Ma­nu­el Barros

Bill Ga­tes e Ste­ve Jobs são con­si­de­ra­dos em­pre­en­de­do­res por te­rem ino­va­do no ra­mo da tec­no­lo­gia co­mo no de­sen­vol­vi­men­to de sis­te­mas ope­ra­ci­o­nais. Em con­tra­par­ti­da, di­ver­sas star­tups ino­vam-se den­tro de um sec­tor exis­ten­te. A Uber, por exem­plo, é uma gran­de star­tup que te­ve ino­va­ções den­tro de um sec­tor exis­ten­te e deu no­vas pos­si­bi­li­da­des no mer­ca­do de tá­xi.

Es­ta re­a­li­da­de, co­mo exem­plo a do Fa­ce­bo­ok Q&A on En­tre­pre­neurship, mostra que os em­pre­en­de­do­res po­dem ser mui­to di­fe­ren­tes um dos ou­tros, pe­la clas­si­fi­ca­ção em di­ver­sos ti­pos de em­pre­en­de­do­res e mostra que qual­quer pes­soa po­de ser um em­pre­en­de­dor in­de­pen­den­te das su­as ca­rac­te­rís­ti­cas.

Pes­qui­sas re­cen­tes re­a­li­za­das nos Es­ta­dos Unidos in­di­cam que o su­ces­so nos ne­gó­ci­os de­pen­de prin­ci­pal­men­te de com­por­ta­men­tos, ca­rac­te­rís­ti­cas e ati­tu­des, e não tan­to do co­nhe­ci­men­to téc­ni­co de ges­tão quanto se ima­gi­na­va até pou­co tem­po atrás.

Ter idei­as e não trans­for­má-las em ne­gó­ci­os aca­ba por in­vi­a­bi­li­zar as ini­ci­a­ti­vas, fi­can­do im­per­ra­do no pa­pel. O em­pre­en­de­do­ris­mo es­tá re­la­ci­o­na­do com a ques­tão de ino­va­ção, na qual há de­ter­mi­na­do ob­jec­ti­vo de se cri­ar al­go den­tro de um sec­tor ou pro­du­zir al­go no­vo.

Ape­sar da con­jun­tu­ra eco­nó­mi­ca e fi­nan­cei­ra de An­go­la, os jo­vens não es­tão aquém da re­a­li­da­de mun­di­al: em­pre­en­dem e iden­ti­fi­cam opor­tu­ni­da­des, agar­ra-as e bus­cam os re­cur­sos pa­ra os trans­for­mar em um ne­gó-

APE­SAR DA CON­JUN­TU­RA AC­TU­AL, OS JO­VENS AN­GO­LA­NOS CON­TI­NU­AM A EMPREENDER E A IDEN­TI­FI­CAR OPOR­TU­NI­DA­DES

cio lu­cra­ti­vo.

Com as su­as ac­ções de em­pre­en­de­do­ris­mo têm já pro­mo­vi­do e aju­da­do no de­sen­vol­vi­men­to eco­nó­mi­co e so­ci­al do país, atra­vés da cri­a­ção de em­pre­gos.

Ape­sar de mui­tos ca­re­ce­rem de mai­or in­cen­ti­vo, já têm o es­pí­ri­to em­pre­en­de­dor en­car­na­do no seu seio, cu­jo pro­ces­so de ini­ci­a­ti­va tem des­po­le­ta­do no sur­gi­men­to de no­vos ne­gó­ci­os e mu­dan­ças nas em­pre­sas cri­a­das.

Ape­sar dos ris­cos, o Jor­nal de Economia & Fi­nan­ças cons­ta­tou que mui­tos jo­vens an­go­la­nos cri­a­ram em­pre­sas e pro­du­tos no­vos, ino­va­ram e mo­der­ni­za­ram os seus ser­vi­ços. O em­pre­en­de­dor an­go­la­no tem co­mo ca­rac­te­rís­ti­ca bá­si­ca o es­pí­ri­to cri­a­ti­vo e pes­qui­sa­dor na me­di­da em que bus­ca no­vos ca­mi­nhos e no­vas soluções, sem­pre ten­do em vis­ta as ne­ces­si­da­des das pes­so­as. A es­sên­cia do em­pre­sá­rio de su­ces­so é a bus­ca de no­vos ne­gó­ci­os e opor­tu­ni­da­des, além da pre­o­cu­pa­ção com a me­lho­ria do pro­du­to. Par­tin­do da­li, fo­ram lan­ça­das ba­ses e te­rem si­do da­das al­gu­mas lu­zes sobre even­tu­ais ca­mi­nhos a tri­lhar pe­los jo­vens cri­a­ti­vos an­go­la­nos à luz da es­tra­té­gia de mé­dio e lon­go pra­zo no do­mí­nio das políticas pa­ra a ju­ven­tu­de. A ideia é tor­nar mais jus­ta e equi­li­bra­da em que os jo­vens te­nham aces­so à for­ma­ção e qua­li­fi­ca­ção pro­fis­si­o­nal e aca­dé­mi­ca que os ha­bi­te à ple­na in­te­gra­ção no mer­ca­do de tra­ba­lho. Os jo­vens que­rem que ha­ja mai­or in­cen­ti­vo no aces­so aos mei­os de fi­nan­ci­a­men­to pa­ra sus­ten­tar os projectos de em­pre­en­de­do­ris­mo cri­a­dos, a fim de po­ten­ci­ar o cres­ci­men­to eco­nó­mi­co e ge­ra­do­res de em­pre­go. O em­pre­en­de­do­ris­mo tem apoio do Go­ver­no, que des­ti­nou no OGE 2018 uma ver­ba de 3.307 mil mi­lhões de kwanzas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.