Con­su­mo de peixe su­pe­ra ex­pec­ta­ti­vas

Projectos di­ri­gi­dos no seg­men­to ar­te­sa­nal es­tão a con­tri­buir pa­ra o au­men­to dos ní­veis de cap­tu­ra e a ga­ran­tir ex­ce­den­tes

Jornal de Economia & Financas - - Pescas - An­tó­nio Eu­gé­nio

An­go­la­já­con­se­guiu cumprir com as exi­gên­ci­as da Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das pa­ra Ali­men­ta­ção e Agri­cul­tu­ra (FAO) que es­ta­be­le­ce um con­su­mo de peixe es­ti­ma­do em 19 qui­lo­gra­mas por pes­soa anu­al­men­te.

Em de­cla­ra­ções ao JE, o di­rec­tor do Ins­ti­tu­to de De­sen­vol­vi­men­to da Pes­ca Ar­te­sa­nal, Nko­si Luyeye, o cum­pri­men­to da me­ta das Na­ções Uni­das es­tá a gal­va­ni­zar o sec­tor que pau­la­ti­na­men­te es­tá a im­ple­men­tar um pro­jec­to em gran­de es­ca­la da pes­ca ar­te­sa­nal, em cin­co pro­vín­ci­as, o que tem ga­ran­ti­do um ex­ce­den­te.

O pro­jec­to, que es­tá a ser apli­ca­do, ac­tu­al­men­te, na fai­xa Nor­te de An­go­la, a cur­to pra­zo po­de abran­ger ou­tras re­giões, me­di­da que po­de­rá ala­van­car ain­da mais es­te im­por­tan­te seg­men­to.

Pa­ra An­go­la cumprir com es­te pro­gra­ma, que já vai no oi­ta­vo ano, a ini­ci­a­ti­va pre­vê o con­su­mo maioritariamente de pes­ca­do fresco ou con­ge­la­do, pro­ve­ni­en­te dos seg­men­tos in­dus­tri­al e se­mi-in­dus­tri­al, pas­san­do tam­bém pe­lo pro­ces­sa­men­to em con­ser­vas, fi­le­ta­gem, pré-pre­pa­ra­dos e ou­tras for­mas de trans­for­ma­ção.

A fon­te do Mis­ni­té­rio das Pes­cas e do Mar des­ta­ca que é no­tó­ria a par­ti­ci­pa­ção de par­cei­ros pri­va­dos, no cum­pri­men­to res­tri­to das nor­mas es­ta­be­le­ci­das, on­de o des­ta­que re­cai no res­pei­to das es­pé­ci­es existentes em pe­que­na es­ca­la, prin­ci­pal­men­te no mar, rios, la­gos e la­go­as.

Por es­ta ra­zão, o ministério de tu­te­la man­tém a cri­a­ção de projectos em­pre­sa­ri­ais pri­va­dos nas ca­dei­as pro­du­ti­vas da pes­ca ar­te­sa­nal que en­vol­ve a re­a­bi­li­ta­ção e cons­tru­ção de no­vos es­ta­lei­ros pa­ra a cons­tru­ção de em­bar­ca­ções, as­so­ci­a­da a pes­ca se­mi-in­dus­tri­al, pro­du­ção do sal, peixe se­co e da aqui­cul­tu­ra, in­se­ri­dos no Pla­no Na­ci­o­nal de De­sen­vol­vi­men­to e na es­tra­té­gia da diversificação da economia.

Pro­gra­mas di­ri­gi­dos

Es­tão tam­bém em cur­so, pro­gra­mas de fi­nan­ci­a­men­tos pri­va­dos in­ter­nos e ex­ter­nos, pa­ra apoi­ar os pro­gra­mas di­ri­gi­dos e a ní­vel institucional, além da con­ti­nui­da­de de li­cen­ci­a­men­to das ac­ti­vi­da­des pro­du­ti­vas, co­mo a pes­ca, a pro­du­ção de sal e aqui­cul­tu­ra, in­ves­ti­ga­ção, fis­ca­li­za­ção e for­ma­ção de qua­dros.

Os pro­gra­mas vi­sam, igual­men­te, ini­ci­a­ti­vas que aju­dem no pro­ces­sa­men­to do pes­ca­do em con­ser­vas, fi­le­ta­gem, pré-pre­pa­ra­dos e de ou­tras for­mas de trans­for­ma­ção que ain­da são in­ci­pi­en­tes no país, o que cons­ti­tui uma opor­tu­ni­da­de pa­ra o sec­tor pri­va­do ma­xi­mi­zar o apro­vei­ta­men­to das inú­me­ras es­pé­ci­es pis­cí­co­las existentes no

EM AN­GO­LA, ES­TI­MA-SE QUE AS ES­PÉ­CI­ES DE PE­QUE­NO PELÁGICO CONTRIBUEM COM CER­CA DE 85 POR CEN­TO DO TO­TAL DAS CAPTURAS

EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Os ní­veis de cap­tu­ra no sec­tor ar­te­sa­nal têm es­ta­do a con­tri­buir pa­ra a ge­ra­ção de ren­da pa­ra vá­ri­as fa­mí­li­as

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.