Xi Jin­ping quer nova fa­se co­mer­ci­al com os EUA

Pre­si­den­te chi­nês pro­me­teu bai­xar as ta­xas de im­por­ta­ção de au­to­mó­veis e mai­or aces­so das em­pre­sas es­tran­gei­ras

Jornal de Economia & Financas - - Mundo -

AChi­na anun­cia “uma nova fa­se de aber­tu­ra”, em ple­no cli­ma de ten­são co­mer­ci­al com os Es­ta­dos Unidos da Amé­ri­ca. Pe­ran­te os al­tos res­pon­sá­veis in­ter­na­ci­o­nais reu­ni­dos no Fórum de Bo­ao pa­ra a Ásia, na pro­vín­cia chi­ne­sa de Hai­nan, o pre­si­den­te chi­nês, Xi Jin­ping, pro­me­teu bai­xar as ta­xas à im­por­ta­ção de au­to­mó­veis e um mai­or aces­so das em­pre­sas es­tran­gei­ras ao sec­tor fi­nan­cei­ro da se­gun­da economia mun­di­al.

Sem re­fe­rir di­rec­ta­men­te o con­ten­ci­o­so com a ad­mi­nis­tra­ção Trump, Xi Jin­ping dis­se que “a men­ta­li­da­de da Guer­ra Fria”, es­tá ca­da vez mais ul­tra­pas­sa­da.

“O iso­la­ci­o­nis­mo ape­nas ser­ve pa­ra er­guer bar­rei­ras. Só com um de­sen­vol­vi­men­to pa­cí­fi­co e co­o­pe­ra­ção to­dos po­dem ga­nhar”, su­bli­nhou o lí­der chi­nês no seu dis­cur­so.

De­pois de Do­nald Trump ter apli­ca­do ta­xas de im­por­ta­ção ao alu­mí­nio e ao aço à China, foi a vez do país asiá­ti­co re­ta­li­ar. A China impôs uma ta­ri­fa de 25 por cen­to a 128 pro­du­tos de im­por­ta­ção nor­te- ame­ri­ca­na.

Vi­nho, aba­ca­te, amên­do­as, car­ne de por­co. A par­tir de agora, es­tes e mui­tos ou­tros pro­du­tos te­rão uma ta­xa adi­ci­o­nal às im­por­ta­ções fei­tas pe­los EUA, uma es­pé­cie de res­pos­ta do Go­ver­no chi­nês às políticas de Trump.

A China ti­nha di­to que não que­ria uma guer­ra co­mer­ci­al, pe­lo me­nos en­quan­to a economia do país não fos­se afec­ta­da. A es­tas no­vas ta­ri­fas, fon­tes avan­ça­ram que as au­to­ri­da­des nor­te-ame­ri­ca­nas irão anun­ci­ar no­vas medidas às im­por­ta­ções chi­ne­sas.

Pre­sen­te no Fórum, a di­rec­to­ra do Fun­do Mo­ne­tá­rio In­ter­na­ci­o­nal aplau­diu medidas que “eli­mi­nem as bar­rei­ras” co­mer­ci­ais. Ch­ris­ti­ne La­gar­de dis­se que “dois ter­ços dos robôs do pla­ne­ta es­tão nes­ta re­gião, so­bre­tu­do no Ja­pão, Co­reia do Sul e China e é atra­vés do co­mér­cio que a ino­va­ção vai con­ti­nu­ar a ser par­ti­lha­da”.

SÓ COM DE­SEN­VOL­VI­MEN­TO PA­CÍ­FI­CO E CO­O­PE­RA­ÇÃO É QUE TO­DOS PO­DEM GA­NHAR

EUA mais for­te

Do­nald Trump de­fen­deu, na pas­sa­da se­gun­da-fei­ra, que a economia dos Es­ta­dos Unidos se­rá mui­to mais for­te de­pois de re­ne­go­ci­ar os acor­dos co­mer­ci­ais com a China.

Fi­el à sua po­si­ção, o pre­si­den­te nor­te-ame­ri­ca­no vol­tou a acu­sar a China de “ti­rar par­ti­do dos Es­ta­dos Unidos há mui­tos anos”, ten­do acres­cen­ta­do que o seu país “de­via ter si­do ca­paz de fa­zer o que eles fi­ze­ram”.

Se Jin­ping mos­trou um tom con­ci­li­a­dor, por ou­tro la­do Pe­quim apre­sen­tou uma quei­xa na Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al do Co­mér­cio, pa­ra con­tes­tar a de­ci­são de Trump de im­por ta­xas à im­por­ta­ção de aço e alu­mí­nio.

Si­nal de evi­den­te con­tra­pon­to ao he­ge­mo­nis­mo dos Es­ta­dos Unidos no mer­ca­do mun­di­al. A China es­tá a pro­mo­ver a Con­fe­rên­cia Anu­al de 2018 do Fórum Bo­ao pa­ra a Ásia, sob o le­ma des­te ano que é “Uma Ásia Aber­ta e Ino­va­do­ra pa­ra um Mun­do de Mai­or Pros­pe­ri­da­de”, o even­to de­cor­reu de 8 a 11, em Bo­ao.

DR

Lí­der chi­nês mos­trou-se con­ci­li­a­dor du­ran­te a in­ter­ven­ção na aber­tu­ra do even­to

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.