Ge­rir ques­tões de hi­gi­e­ne e se­gu­ran­ça no tra­ba­lho

Li­mi­ta­ção de re­cur­sos pa­ra re­mo­ção do pe­ri­go e ul­tra­pas­sa­gem dos li­mi­tes das ta­re­fas ou atri­bui­ções dos pro­fis­si­o­nais têm pre­ju­di­ca­do o bom am­bi­en­te la­bo­ral e contribuem pa­ra o in­su­ces­so em­pre­sa­ri­al

Jornal de Economia & Financas - - Gestão -

EHi­gi­e­ne xis­tem per­gun­tas fre­quen­tes de co­mo ge­rir as ques­tões da

e Se­gu­ran­ça no Tra­ba­lho nu­ma em­pre­sa. Co­mo adop­tar ati­tu­des pro-ac­ti­vas de se­gu­ran­ça, as­sim co­mo me­lho­rar a qua­li­da­de do tra­ba­lho e diminuir aci­den­tes?. Co­mo ga­ran­tir con­di­ções de tra­ba­lho ca­pa­zes de man­ter um ní­vel de saú­de dos co­la­bo­ra­do­res e tra­ba­lha­do­res de uma em­pre­sa?. Aqui trou­xe­mos umas di­cas pa­ra ilu­ci­dar os lei­to­res do Jor­nal de Economia & Fi­nan­ças: 1 Os ges­to­res que tra­ba­lham de for­ma di­rec­ta com ris­cos po­ten­ci­al­men­te ca­pa­zes de ge­rar da­nos à saú­de dos tra­ba­lha­do­res não dis­põem do co­nhe­ci­men­to ne­ces­sá­rio pa­ra com eles li­dar de mo­do adequado.

2 A ad­mi­nis­tra­ção que con­vi­ve com ris­cos, mes­mo sa­ben­do da sua exis­tên­cia, não as­su­mem o com­pro­mis­so de cor­ri­gi-los.

3 A Se­gu­ran­ça do Tra­ba­lho, na prá­ti­ca, só ad­qui­re im­por­tân­cia nos mo­men­tos de crise (quan­do ocor­re aci­den­te gra­ve que po­de com­pro­me­ter prin­ci­pal­men­te a ima­gem da em­pre­sa.

4 O tra­ba­lha­dor, às ve­zes, pre­fe­re, de for­ma si­len­ci­o­sa, cor­rer o ris­co ofe­re­ci­do pe­la ac­ti­vi­da­de a cor­rer o ris­co de ser mal-en­ten­di­do, ta­xa­do de me­dro­so e frou­xo pe­los co­le­gas ou mes­mo pe­la che­fia em ca­so de re­cla­ma­ção ou de re­cu­sa ao tra­ba­lho.

5 O tra­ba­lha­dor não é co­bra­do pe­la for­ma co­mo de­sen­vol­ve seu tra­ba­lho, mas pe­los re­sul­ta­dos. Dis­so re­sul­ta o fa­to de os su­per­vi­so­res não ve­rem ou fin­gi­rem que não vêem o co­me­ti­men­to de “er­ros” na exe­cu­ção das ta­re­fas.

7 A si­tu­a­ção de ris­co é man­ti­da por­que to­das as pre­o­cu­pa­ções e re­cur­sos são vol­ta­dos pri­o­ri­ta­ri­a­men­te pa­ra o aten­di­men­to às fi­na­li­da­des do ne­gó­cio.

8 Uma di­fi­cul­da­de im­por­tan­te do tra­ba­lha­dor no en­fren­ta­men­to dos ris­cos do tra­ba­lho re­si­de nas freqüen­tes al­te­ra­ções de fun­ções pa­ra aten­di­men­to às de­man­das de tra­ba­lho, por cau­sa do re­du­zi­do nú­me­ro de tra­ba­lha­do­res.

DR

A si­tu­a­ção de ris­co im­pe­de a re­a­li­za­ção do tra­ba­lho

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.