His­tó­ria da cul­tu­ra Dân­di

O Dân­di é o ca­va­lhei­ro per­fei­to que es­co­lhe vi­ver de for­ma in­ten­sa pau­tan­do pe­lo ex­ces­si­vo bem ves­tir e man­ter for­tes re­la­ções com o mun­do da mo­da de for­mas a man­ter a boa apa­rên­cia e clas­se lú­di­ca

Jornal de Economia & Financas - - Lazer - Is­ma­el Bo­te­lho

Amo­da­so­ma­e­se­gue ao lon­go dos tem­pos, rom­pen­do bar­rei­ras, preconceitos e mo­vi­men­tan­do to­da uma in­dús­tria têx­tel in­ter­na­ci­o­nal. A cul­tu­ra dân­di é a ex­pres­são mais ele­va­da da mo­da e sig­ni­fi­ca aque­le ho­mem de bom gos­to e fan­tás­ti­co sen­so es­té­ti­co, mas que não ne­ces­sa­ri­a­men­te per­ten­cia à no­bre­za.

O dân­di é o ca­va­lhei­ro per­fei­to, um ho­mem que es­co­lhe vi­ver a vi­da de ma­nei­ra in­ten­sa, sem­pre pau­tan­do pe­lo ex­ces­si­vo bem ves­tir. Co­mo uma más­ca­ra, ou um sím­bo­lo, é uma su­bes­pé­cie de in­te­lec­tu­al que dá um enor­me va­lor e aten­ção ao es­te­ti­cis­mo e à be­le­za dos por­me­no­res.

É um pen­sa­dor, con­tu­do di­le­tan­te, ocu­pan­do o seu tem­po com la­zer, ac­ti­vi­da­des lú­di­cas e oci­o­sas. Tem uma ob­ses­são pe­la clas­se e é um dis­si­den­te do vul­gar.

Es­te ter­mo, ac­tu­al­men­te, al­te­rou a se­mân­ti­ca e de­tur­pou-se em sig­ni­fi­ca­do vul­gar, da­do àque­les que dão cui­da­dos ex­tre­mos às apa­rên­ci­as.

Por ou­tro la­do, tra­ta-se de um ho­mem ou mu­lher, que tem pre­o­cu­pa­ção exa­ge­ra­da com a apa­rên­cia pes­so­al, sig­ni­fi­ca­dos mo­der­nos no meio ar­tís­ti­co in­clu­em a re­vol­ta dos dân­dis, en­ge­nhei­ros do Hawaii, Sân­da­lo de Dân­di da ban­da Me­trô e “Tan­to”, do gru­po Skank. Fi­gu­ra his­tó­ri­ca Em­bo­ra te­nha for­tes re­la­ções com a mo­da, o ter­mo dan­dis­mo não se re­fe­re ape­nas a um es­ti­lo ou a uma ten­dên­cia. É uma fi­gu­ra his­tó­ri­ca que re­pre­sen­ta um pe­río­do de gran­des mu­dan­ças no mo­do de vi­da do ho­mem. Pa­ra en­ten­der o seu nas­ci­men­to é pre­ci­so re­tor­nar ao fim do sé­cu­lo XVIII. Foi nes­te pe­río­do que a bur­gue­sia ga­nhou for­ça e os seus ide­ais pas­sa­ram a dominar o ima­gi­ná­rio da épo­ca.

Nu­ma ten­ta­ti­va de im­por res­pei­to, os burgueses pas­sa­ram a

NU­MA TEN­TA­TI­VA DE IM­POR RES­PEI­TO, OS BURGUESES PAS­SA­RAM A COPIAR AS VESTES DOS ARISTOCRATAS

copiar as ves­ti­men­tas da aris­to­cra­cia: cal­ças cur­tas, es­ti­lo bar­ro­co, ma­qui­lha­gem e pe­ru­cas. Foi nes­te mo­men­to que al­guns aristocratas, no in­tui­to de se di­fe­ren­ci­a­rem da bur­gue­sia, pas­sa­ram a se ves­tir de ma­nei­ra mais ele­gan­te e se­du­to­ra.

Con­si­de­ra­do o pre­cur­sor des­te es­ti­lo, George Bryan “Be­au” Brum­mel foi res­pon­sá­vel pe­la mu­dan­ça de es­ti­lo do en­tão Rei George IV, ti­ran­do-lhe a pe­ru­ca e trans­for­man­do, de for­ma de­fi­ni­ti­va, a mo­da mas­cu­li­na, co­mo é re­tra­ta­da no fil­me Be­au Brum­mel: This Charm­ming Man. A favor de pe­ças mais jus­tas e só­bri­as, os mo­dis­mos co­mo as pe­ru­cas, pós e jói­as ex­tra­va­gan­tes saí­ram de ce­na. Dan­dis­mo O es­ti­lo de vi­da do dân­di to­mou con­ta dos ho­mens da épo­ca. O dân­di, por­tan­to, po­de ser ca­rac­te­ri­za­do pe­la sua ex­cen­tri­ci­da­de, a sua gran­de pre­o­cu­pa­ção com a apa­rên­cia e com a ar­te, o seu eli­tis­mo e até cer­ta pre­fe­rên­cia pe­lo ócio. Al­gum tem­po de­pois do seu sur­gi­men­to na In­gla­ter­ra, o dan­dis­mo che­ga à Fran­ça e lá ganha adep­tos co­mo Char­les Bou­de­lai­re, que dá for­ça ao es­ti­lo.

DR

Mo­vi­men­to dân­di nas­ceu na In­gla­ter­ra e ho­je es­tá es­pa­lha­do por to­do mun­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.