500 mi­lhões de dó­la­res já têm des­ti­no

Es­pe­ci­a­lis­tas as­se­gu­ram que en­ti­da­de su­per­vi­so­ra das ins­ti­tui­ções fi­nan­ce­ri­as que ope­ram no mer­ca­do na­ci­o­nal de­ve re­do­brar as medidas de con­tro­lo pa­ra que ca­sos do gé­ne­ro não vol­tem a acon­te­cer

Jornal de Economia & Financas - - Primeira Página -

Ano­tí­cia da re­cu­pe­ra­ção dos 500 mi­lhões de dó­la­res trans­fe­ri­dos in­de­vi­da­men­te do Ban­co Na­ci­o­nal de An­go­la à su­cur­sal de um ban­co suí­ço em Lon­dres, o HSBC, nos finais de 2017 cons­ti­tui um dos ca­sos mais me­diá­ti­cos do sis­te­ma fi­nan­cei­ro an­go­la­no, pois a for­ma sor­ra­tei­ra de co­mo os va­lo­res saí­ram dos co­fres do Go­ver­no le­van­ta mui­tas in­ter­ro­ga­ções.

E em fun­ção dis­so, e ten­do em con­ta o ac­tu­al ce­ná­rio ma­cro­e­co­nó­mi­co na­ci­o­nal con­tur­ba­do que a economia es­tá a atra­ves­sar, vá­ri­os es­pe­ci­a­lis­tas li­ga­dos às fi­nan­ças de­bru­ça­ram-se sobre o as­sun­to ad­mi­tin­do fa­lha no me­ca­nis­mo de con­tro­lo das re­ser­vas in­ter­na­ci­o­nais.

Por exem­plo, o eco­no­mis­ta Ju­ve­li­no Do­min­gos, em de­cla­ra­ções ao JE as­se­gu­ra que as au­to­ri­da­des in­gle­sas cum­pri­ram com o seu de­ver, en­quan­to An­go­la ti­nha o di­rei­to de re­a­ver os fun­dos em apre­ço. “Não dei­xa de ser um ac­to lou­vá­vel a ac­tu­a­ção efi­caz das au­to­ri­da­des in­gle­sas, bem co­mo a eficiência em to­do o pro­ces­so des­de a in­ter­cep­ção, con­ge­la­men­to e re­tor­no dos fun­dos após cum­pri­dos os pro­ce­di­men­tos in­ter­nos de acor­do com a legislação da­que­le país”, ar­gu­men­tou a fon­te.

O tam­bém ban­cá­rio diz que, do pon­to de vis­ta das fi­nan­ças pú­bli­cas, não dei­xa de ser um ga­nho tra­tan­do-se da re­cu­pe­ra­ção de fun­dos pú­bli­cos que, pe­la sua ma­te­ri­a­li­da­de, po­de­ri­am ser­vir pa­ra co­brir as ne­ces­si­da­des pre­men­tes no âm­bi­to da ges­tão da po­lí­ti­ca fis­cal ou cam­bi­al.

In­ter­ro­ga­do sobre a for­ma “en­ge­nho­sa” de co­mo os va­lo­res saí­ram dos co­fres do BNA, Ju­ve­li­no Do­min­gos, afir­mou que a su­per­vi­são do Ban­co Na­ci­o­nal de An­go­la re­cai sobre as ins­ti­tui­ções fi­nan­cei­ras e não sobre as fi­nan­ças pú­bli­cas. Des­sa for­ma, não se tra­ta de uma fra­gi­li­da­de da su­per­vi­são do BNA, mas sim de uma fa­lha de pro­ce­di­men­tos na ges­tão das re­ser­vas in­ter­na­ci­o­nais”, dis­se.

Quanto à apli­ca­ção dos va­lo­res re­cu­pe­ra­dos, o ges­tor sus­ten­ta que, ten­do a trans­fe­rên­cia si­do efec­tu­a­da pe­lo BNA, en­ten­de-se que fo­ram afec­ta­das as re­ser­vas in­ter­na­ci­o­nais, por­tan­to “é pa­ra lá on­de os fun­dos re­cu­pe­ra­dos de­vem ser re­a­lo­ca­dos e ge­ri­dos no âm­bi­to das regras de ges­tão das re­ser­vas in­ter­na­ci­o­nais”, con­cluiu.

Já o pro­fes­sor uni­ver­si­tá­rio Jo­si­a­no Cam­pos, a de­vo­lu­ção dos 500 mi­lhões de dó­la­res ao Go­ver­no de An­go­la de­mons­tra que o país co­me­ça a ga­nhar o re­co­nhe­ci­men­to in­ter­na­ci­o­nal no pon­to de vis­ta de trans­pa­rên­cia go­ver­na­ti­va, “pois do que te­nho co­nhe­ci­men­to é a pri­mei­ra vez que uma ins­ti­tui­ção ban­cá­ria eu­ro­peia pri­va­da de­vol­ve fun­dos de ori­gem frau­du­len­ta a um país co­mo o nos­so”.

Pa­ra o do­cen­te que lec­ci­o­na a ca­dei­ra de fi­nan­ças pú­bli­cas, a for­ma co­mo os va­lo­res saí­ram dos co­fres do BNA de­mons­tra uma cer­ta fra­gi­li­da­de do ór­gão de su­per­vi­são que é o BNA, “pois se não fos­sem as au­to­ri­da­des lon­dri­nas te­rem de­tec­ta­do a frau­de, o Go­ver­no não de­ve­ria re­a­ver os 500 mi­lhões de dó­la­res”, dis­se.

Quanto aos va­lo­res re­cu­pe­ra­dos, Jo­si­a­no Cam­pos sa­li­en­ta que por se tra­tar de um di­nhei­ro que já es­ta­va fo­ra do cir­cui­to mo­ne­tá­rio na­ci­o­nal sem o co­nhe­ci­men­to das au­to­ri­da­des fi­nan­cei­ras, de­ve­ria ser em­pre­gue pa­ra a cons­tru­ção de mais es­co­las e hos­pi­tais nas zo­nas com ne­ces­si­da­de des­sas in­fra-es­tru­tu­ras.

Ministério das Fi­nan­ças

O co­mu­ni­ca­do do Ministério das Fi­nan­ças ex­pli­ca que os va­lo­res em cau­sa sai­ram dos co­fres do Es­ta­do, quan­do no de­cor­rer do ano de 2017, an­tes da re­a­li­za­ção das elei­ções ge­rais que ti­ve­ram lu­gar em Agos­to, a em­pre­sa Mais Fi­nan­ci­al Ser­vi­ces ad­mi­nis­tra­da pe­lo cidadão an­go­la­no Jor­ge Gau­dens Pon­tes e au­xi­li­a­do por Jo­sé Fi­lo­me­no dos San­tos, propôs ao Exe­cu­ti­vo a cons­ti­tui­ção de um Fun­do de In­ves­ti­men­to Estratégico que mo­bi­li­za­ria 35 mil mi­lhões de dó­la­res pa­ra o fi­nan­ci­a­men­to de projectos con­si­de­ra­dos es­tra­té­gi­cos pa­ra o país e de um ou­tro Fun­do de Mo­e­da Ex­ter­na que co­lo­ca­ria a quan­tia se­ma­nal de 300 mi­lhões de dó­la­res pa­ra aten­der as ne­ces­si­da­des do mer­ca­do cam­bi­al in­ter­no por um pe­río­do de 12 me­ses.

A no­ta re­al­ça que to­da a ope­ra­ção se­ria in­ter­me­di­a­da pe­la Mais Fi­nan­ci­al Ser­vi­ces que con­ta­va, ale­ga­da­men­te, com o su­por­te de um sin­di­ca­to de ban­cos in­ter­na­ci­o­nais de pri­mei­ra li­nha.

VIGAS DA PURIFICAÇÃO | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

BNA vai reforçar as re­ser­vas

EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Eco­no­mis­ta Ju­ve­li­no Do­min­gos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.