“Não se ad­mi­te um imi­gran­te vir a An­go­la pa­ra ven­der ca­bri­té e di­vi­sas”

Jornal de Economia & Financas - - Primeira Página - LUTINA SAN­TOS

Po­de di­zer-se que o cres­ci­men­to dos imi­gran­tes em An­go­la, com es­pe­ci­al des­ta­que pa­ra Lu­an­da, aca­bou por reforçar o qua­dro de in­ves­ti­men­tos quer no mer­ca­do pri­má­rio, com o in­cre­men­to de em­pre­sas mé­di­as que pas­sa­ram a in­ter­vir em di­ver­sos seg­men­tos do mer­ca­do, quer no mer­ca­do in­for­mal que co­nhe­ceu um au­men­to con­si­de­rá­vel de ofer­ta.

Pas­sou a ve­ri­fi­car-se que os pe­que­nos ne­gó­ci­os co­me­ça­ram a ser, na sua ge­ne­ra­li­da­de, em­pre­en­di­das pe­los imi­gran­tes afri­ca­nos nos vá­ri­os bair­ros de Lu­an­da, so­bre­tu­do no mer­ca­do se­cun­dá­rio ou in­for­mal. Os mé­di­os e gran­des ne­gó­ci­os pas­sa­ram a ser de­sen­vol­vi­dos por imi­gran­tes de ori­gem asiá­ti­ca, eu­ro­peia, ame­ri­ca­na – e são, pois, es­te gru­po que tem as em­pre­sas com mai­or ca­pa­ci­da­de de in­ter­ven­ção di­rec­ta nos vá­ri­os seg­men­tos do mer­ca­do an­go­la­no e geram mai­or nú­me­ro de em­pre­go pa­ra os ci­da­dãos lo­cais. Is­to não quer sig­ni­fi­car que não ha­ja imi­gran­tes afri­ca­nos com mé­dio ou gran­des ne­gó­ci­os no mer­ca­do, pois o nú­me­ro se com­pa­ra­do com os dos imi­gran­tes de ou­tros con­ti­nen­tes, é ex­pres­si­va­men­te me­nor.

Ao as­se­gu­rar­mos o fac­to de que os imi­gran­tes de ori­gem afri­ca­na es­tão, na sua mai­o­ria, in­se­ri­dos no mer­ca­do se­cun­dá­rio nos ba­se­a­mos na for­ma co­mo mui­tos des­tes en­tram e co­me­çam a de­sen­vol­ver os seus ne­gó­ci­os em An­go­la. Eles são os que mais vi­o­lam o or­de­na­men­to mi­gra­tó­rio an­go­la­no e li­de­ram as ci­fras das ex­pul­sões quer ad­mi­nis­tra­ti­vas, quer ju­di­ci­ais.

As can­ti­nas e ou­tros pe­que­nos ne­gó­ci­os, co­mo é o ca­so de ven­da de “franguité”, “ca­bri­té” ou em al­guns ca­sos, a ven­da de di­vi­sas em al­guns bair­ros, são, no gros­so mo­do, efec­tu­a­dos por es­te gru­po de imi­gran­tes com condição migratória pre­cá­ria. Não é pos­sí­vel nos ter­mos da legislação migratória an­go­la­na atri­buir-se um vis­to de tra­ba­lho pa­ra al­guém que sai do seu país pa­ra de­di­car-se à ven­da de ca­bri­té ou mes­mo franguité ou de di­vi­sas, tal co­mo se ve­ri­fi­ca em al­guns bair­ros co­mo no Már­ti­res de Ki­fan­gon­do e ou­tros.

A mai­or par­te des­tas ac­ti­vi­da­des co­mer­ci­ais exer­ci­das por mui­tos imi­gran­tes afri­ca­nos é es­sen­ci­al­men­te vis­tos co­mo for­mas de ga­ran­tir a per­ma­nên­cia e al­gu­ma es­ta­bi­li­da­de do agre­ga­do fa­mi­li­ar nos res­pec­ti­vos paí­ses de ori­gem.

As can­ti­nas, sal­vo ex­cep­ções, re­pre­sen­tam uma es­pé­cie de tran­si­ção en­tre a saí­da do imi­gran­te do mer­ca­do se­cun­dá­rio pa­ra o pri­má­rio ape­sar de, mui­tas ve­zes, in­te­grar tra­ba­lha­do­res mi­gran­tes que não dis­põem de qual­quer do­cu­men­ta­ção que os ha­bi­li­te a tra­ba­lhar no mer­ca­do an­go­la­no.

Os chi­ne­ses, a exem­plo de al­guns vi­et­na­mi­tas e fi­li­pi­nos, já se des­ta­cam tam­bém em pe­que­nos in­ves­ti­men­tos. Po­de­mos en­con­trar, em al­guns pon­tos es­tra­té­gi­cos de Lu­an­da, ofi­ci­nas –au­to, es­ta­ções de serviço, fo­to­co­pi­a­do­ras Kó­ni­cas, etc.

Ape­sar de exis­ti­rem in­ves­ti­men­tos de afri­ca­nos no mer­ca­do pri­má­rio, acre­di­ta-se que o que es­tá in­ves­ti­do no mer­ca­do in­for­mal é con­si­de­ra­vel­men­te sig­ni­fi­ca­ti­vo. Os que ac­tu­am no mer­ca­do in­for­mal não pa­gam im­pos­tos ao Es­ta­do, o que sig­ni­fi­ca, efec­ti­va­men­te, que cri­am imen­sos pre­juí­zos em vir­tu­de de mui­tos des­tes se­rem be­ne­fi­ciá­ri­os di­rec­tos dos ser­vi­ços pres­ta­dos pe­lo Es­ta­do, ao pas­so que os imi­gran­tes que es­tão no mer­ca­do pri­má­rio têm a obri­ga­to­ri­e­da­de de pa­gar os seus res­pec­ti­vos im­pos­tos e subsídios à sua for­ça la­bo­ral em cum­pri­men­to da lei, ou se­ja, che­gam a ter mais en­car­gos fi­nan­cei­ros do que os que es­tão no mer­ca­do in­for­mal. Um dos gran­des pre­juí­zos cau­sa­dos pe­los investidores in­se­ri­dos no mer­ca­do in­for­mal é a ex­ces­si­va es­pe­cu­la­ção de pre­ços e a fal­ta de ga­ran­tia em ter­mos de se­gu­ran­ça sa­ni­tá­ria de mui­tos pro­du­tos que co­mer­ci­a­li­zam. Em re­la­ção à es­pe­cu­la­ção de pre­ços, po­de-se en­con­trar uma va­ri­a­ção ex­pres­si­va em vá­ri­os mer­ca­dos in­for­mais e is­to de­cor­re pe­lo fac­to de o con­tro­lo des­sa po­pu­la­ção não ser as­sim tão fá­cil de se re­a­li­zar. Os que investem ou têm es­ta­do a in­ves­tir no mer­ca­do in­for­mal des­pre­o­cu­pam com os di­rei­tos dos con­su­mi­do­res e a re­la­ção que es­ta­be­le­cem ou pro­cu­ram es­ta­be­le­cer com os con­su­mi­do­res, não é ju­ri­di­ca­men­te se­gu­ra. A pos­si­bi­li­da­de de ocor­re­rem ac­ções de má-fé são mai­o­res e os con­su­mi­do­res não têm co­mo fa­zer re­cur­so às au­to­ri­da­des com­pe­ten­tes e mui­to me­nos sa­be­rão os da­dos iden­ti­tá­ri­os de quem os te­rá cau­sa­do pre­juí­zo em mui­tos ca­sos.

NÃO É POS­SÍ­VEL, NOS TER­MOS DA LEGISLAÇÃO MIGRATÓRIA AN­GO­LA­NA, ATRI­BUIR-SE, POR EXEM­PLO, UM VIS­TO DE TRA­BA­LHO PA­RA AL­GUÉM QUE SAI DO SEU PAÍS PA­RA DE­DI­CAR-SE À VEN­DA DE CA­BRI­TÉ OU MES­MO FRANGUITÉ

CEDIDA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.