Te­sou­ro tem de di­vul­gar as em­pre­sas frau­du­len­tas pa­ra evitar des­con­fi­an­ças no pro­ces­so

Ju­ris­ta e eco­no­mis­tas de­fen­dem que o Ministério das Fi­nan­ças e a Pro­cu­ra­do­ria Ge­ral da Re­pú­bli­ca pres­tem mai­or es­cla­re­ci­men­to sobre as en­ti­da­des que es­tão en­vol­vi­das no pro­ces­so da Dí­vi­da Pú­bli­ca

Jornal de Economia & Financas - - Primeira Página - VIC­TOR HUGO DE MO­RAIS

Amo­ro­si­da­de no pa­ga­men­to dos atra­sa­dos por par­te do Ministério das Fi­nan­ças e con­se­quen­te­men­te os re­cen­tes pro­nun­ci­a­men­tos da se­cre­tá­ria de Es­ta­do pa­ra o Te­sou­ro, Vera Da­ves, se­gun­do os quais, 25 por cen­to do va­lor da dí­vi­da cor­res­pon­de a ser­vi­ços não pres­ta­dos ou frau­du­len­tos, es­tá a cau­sar um mal-es­tar em al­guns cír­cu­los da so­ci­e­da­de.

Em re­ac­ção, o ju­ris­ta Ben­ja Sa­tu­la dis­se ao JE que a se­cre­tá­ria de Es­ta­do ao fa­zer tais afir­ma­ções de­ve­ria di­zer “a ver­da­de o que te­rá acon­te­ci­do e que aná­li­ses es­tão a ser fei­tas e des­de quan­do es­tão a apre­ci­ar es­te dos­si­er pa­ra se ter uma in­for­ma­ção com­ple­ta”.

De acor­do com o ju­ris­ta, o cidadão tem o di­rei­to o aces­so à in­for­ma­ção e era su­pos­to que qual­quer cidadão que qui­ses­se, pu­des­se des­lo­car-se até ao Ministério das Fi­nan­ças e sa­ber sobre a dí­vi­da do Es­ta­do, por­que ela é que onera a to­dos.

“Agora, não sen­do pos­sí­vel is­to, era im­por­tan­te que a go­ver­nan­te ex­pli­cas­se em que es­tu­dos se ba­se­ou, e des­de quan­do con­si­de­ra es­ta dí­vi­da frau­du­len­ta e se per­ten­ce ao em­pre­sa­ri­a­do na­ci­o­nal ou es­tran­gei­ro”, sus­ten­tou.

Pa­ra Ben­ja Sa­tu­la, era ne­ces­sá­rio tam­bém que o Min­fin di­vul­gas­se es­sas em­pre­sas que têm cré­di­to a favor do Es­ta­do pa­ra se po­der per­ce­ber me­lhor, pois “fa­lar só por fa­lar co­mo ela fa­lou, no pon­to de vis­ta do ju­ris­ta, não faz ne­nhum sen­ti­do”.

“Se bem me lem­bro, hou­ve uma ban­ca­da par­la­men­tar que pe­diu uma au­di­to­ria às con­tas da dí­vi­da pú­bli­ca e não foi acei­te”, sus­ten­tou.

Inqué­ri­to às em­pre­sas

No en­tan­to, o ju­ris­ta de­fen­de que se abra um pro­ces­so e se­jam en­vi­a­das as in­for­ma­ções ao Ministério Pú­bli­co pa­ra se in­qui­ri­rem as em­pre­sas en­vol­vi­das, “por­que já es­ta­mos na pre­sen­ça de um cri­me e an­da­mos atrás de quem são os sus­pei­tos”, dis­se.

Já o eco­no­mis­ta Pre­ci­o­so Do­min­gos, quan­do se tra­ta de fal­si­fi­ca­ção de do­cu­men­tos, ur­gen­te­men­te não se po­de dei­xar as­sim, as fi­nan­ças de­ve en­ca­mi­nhar às au­to­ri­da­des com­pe­ten­tes pa­ra que se dê se­gui­men­to ao ca­so.

“O que o ministério fez, já é meio ca­mi­nho an­da­do e pen­so que es­ta­ría­mos a ser in­jus­tos se não re­co­nhe­cés­se­mos is­so, e acho que a úni­ca coi­sa de bom que a en­ti­da­de fez é de a se­cre­tá­ria de Es­ta­do ter con­vo­ca­do à im­pren­sa com a in­ten­ção de ex­pli­car os atra­sa­dos”, dis­se, pa­ra quem os em­pre­sá­ri­os mui­to se quei­xam. Se o Ministério das Fi­nan­ças en­ca­mi­nhe o ca­so à Pro­cu­ra­do­ria Ge­ral da Re­pú­bli­ca (PGR), o eco­no­mis­ta re­ceia que es­te pro­ces­so pos­sa vir mor­rer pe­lo ca­mi­nho.

“Ain­da acho que o Ministério das Fi­nan­ças nes­ta al­tu­ra que se fa­la mui­to da ques­tão da dí­vi­da pú­bli­ca de­ve mos­trar se­ri­e­da­de, não quer di­zer que não se­ja sé­rio, mas co­mo quem diz que nes­ta al­tu­ra pas­sos co­mo es­tes po­dem aju­dar a mos­trar a cre­di­bi­li­da­de de quem se sus­pei­ta”, sus­ten­tou.

Pre­ci­o­so Do­min­gos é de opi­nião que se de­ve ain­da au­di­tar as con­tas do Go­ver­no no que diz res­pei­to à dí­vi­da dos atra­sa­dos. “Eu en­ca­ro is­so co­mo um de­ba­te. A ini­ci­a­ti­va da se­cre­tá­ria de Es­ta­do é boa, cum­priu com o seu pa­pel, mas de­ve ex­pli­car-se me­lhor”, ar­gu­men­tou.

Por sua vez o eco­no­mis­ta Vic­tor Hugo, dis­se es­tar fe­liz com os pro­nun­ci­a­men­tos da se­cre­tá­ria de Es­ta­do, pois, de acor­do com o aca­dé­mi­co, já ha­via di­to em en­tre­vis­ta nu­ma das ca­dei­as de rá­dio que 25 por cen­to das em­pre­sas que re­cla­mam pe­lo pa­ga­men­to da dí­vi­da pú­bli­ca não pres­ta­ram serviço ao Es­ta­do.

“Fi­co fe­liz por ou­vir es­tes pro­nun­ci­a­men­tos, por­que fui um dos pri­mei­ros a fa­lar des­ta frau­de, agora cabe a PGR notificar as em­pre­sas”, dis­se.

Se­gun­do o eco­no­mis­ta, no Te­sou­ro ha­via fal­si­fi­ca­ções e é do co­nhe­ci­men­to de mui­tos ha­ver es­te ti­po de es­que­mas e pa­ra que ha­ja mai­or trans­pa­rên­cia é ne­ces­sá­rio que se di­vul­guem as tais em­pre­sas.

Ben­ja Sa­tu­la Ju­ris­ta O CIDADÃO TEM DI­REI­TO À IN­FOR­MA­ÇÃO. E ERA SU­POS­TO QUE QUAL­QUER UM QUE QUI­SES­SE, PU­DES­SE SE DES­LO­CAR ATÉ AO MINISTÉRIO DAS FI­NAN­ÇAS PA­RA SA­BER SOBRE A DÍ­VI­DA PÚ­BLI­CA DO ES­TA­DO, POR­QUE ELA É QUE ONERA A TO­DOS

Pre­ci­o­so Do­min­gos Eco­no­mis­ta A FAL­SI­FI­CA­ÇÃO É UM AS­SUN­TO MUI­TO SÉ­RIO. E NES­TE CA­SO CON­CRE­TO O MINISTÉRIO DAS FI­NAN­ÇAS NÃO DE­VE CRU­ZAR OS BRA­ÇOS. DE­VE EN­CA­MI­NHAR O CA­SO ÀS AU­TO­RI­DA­DES COM­PE­TEN­TES PA­RA DAR O SEU DE­VI­DO TRA­TA­MEN­TO

Vic­tor Hugo Eco­no­mis­ta FUI UM DOS PRI­MEI­ROS A FA­LAR DES­SA FRAU­DE. AGORA CABE À PGR NOTIFICAR TAIS EM­PRE­SAS, PA­RA QUE HA­JA MAI­OR TRANS­PA­RÊN­CIA, POIS É DE CO­NHE­CI­MEN­TO DE TO­DOS QUE NO TE­SOU­RO HÁ ES­SE TI­PO DE ES­QUE­MAS

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.