Re­cei­tas eco­nó­mi­cas

Jornal de Economia & Financas - - Primeira Página - CRÓ­NI­CA NA ECO­NO­MIA

"Du­ran­te anos, a eco­no­mia na­ci­o­nal de­pen­deu das re­cei­tas co­mer­ci­ais e f is­cais da ex­por­ta­cao de pe­tr6­leo e em me­nor es­ca­la do di­a­man­te. A des­va­lo­ri­za­cao ou re­du­cao dos pre-cos des­tas "com­mo­di­ti­es" aba­lou a es­tru­tu­ra eco­no­mi­ca, a tal­pon­to que o Es­ta­do en­fren­ta­pro­ble­mas de li­qui-dez - leia-se, fal­ta de di­nhei­ro".

Nos tem­pos de in­fân­cia no Hu­am­bo, as cri­an­ças da mi­nha ge­ra­ção cos­tu­ma­vam can­tar uma “mo­di­nha”, co­mo di­zem os bra­si­lei­ros. Uma mú­si­ca de au­tor des­co­nhe­ci­do tão sim­ples co­mo um lá­pis e um co­po com água.

No re­creio da es­co­la as cri­an­ças in­da­ga­vam: “O que fa­ria o Fa­ria se fos­se o Fa­ria”? Na ino­cên­cia das cri­an­ças, o pas­te­lei­ro da Gran­ja de Nova Lis­boa era a pes­soa me­nos in­di­ca­da pa­ra re­sol­ver os pro­ble­mas so­ci­ais. Anos de­pois, o sau­do­so Pre­si­den­te Agostinho Ne­to afir­ma­va que o “mais im­por­tan­te é re­sol­ver os pro­ble­mas do po­vo”. Ou, co­mo di­zia o “pró­prio” po­vo: “Es­se é o ‘pru­bu­le­ma’ que es­ta­mos ‘cum’ ele.”

Pois é, Fa­ria, o teu pão-de-ló e ou­tras de­lí­ci­as era tão afa­ma­do que a pas­te­la­ria só fe­cha­va à noi­te, nu­ma cidade com pou­ca po­pu­la­ção es­pa­lha­da por uma vas­ta ex­ten­são, on­de vi­vi­am mui­tos des­co­nhe­ci­dos, na mai­o­ria an­go­la­nos, en­tre na­ci­o­na­lis­tas co­mo o mé­di­co Da­vid Ber­nar­di­no, a pro­fes­so­ra Zai­da Dás­ca­los, o po­e­ta Er­nes­to La­ra Fi­lho, pri­mo de Lú­cio La­ra, e, en­tre ou­tros, os mem­bros da fa­mí­lia Mar­ce­li­no. Ah! E Jo­sé Lu­ci­a­no, con­de­na­do no Pro­ces­so dos 50, que con­tri­buiu pa­ra o de­sen­ca­de­a­men­to dos ata­ques a ca­dei­as de Lu­an­da na ma­dru­ga­da de 4 de Fe­ve­rei­ro. Esta ac­ção é con­si­de­ra­da o iní­cio da lu­ta ar­ma­da de li­ber­ta­ção na­ci­o­nal de An­go­la pe­la In­de­pen­dên­cia.

En­tão, o que fa­ria o Fa­ria se es­ti­ves­se por cá e pe­dis­sem-lhe uma opi­nião pa­ra re­cons­truir o país e dar um pon­ta­pé pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to? Va­mos ima­gi­nar. Ele di­ria: “Pu­to, eu não re­ve­lo se­gre­dos de pas­te­la­ria e cu­li­ná­ria. Se que­res sa­ber co­mo se faz o pão-de-ló, per­gun­ta à tua mãe?”

Cá es­tá a res­pos­ta ade­qua­da pa­ra quem, no seu le­gí­ti­mo di­rei­to, co­mo ci­da­dão, quer sa­ber com quan­tos “paus se faz uma ca­noa” com a di­men­são de An­go­la. Che­ga­do aqui, ape­te­ce-me di­zer co­mo o Bratt Simp­son, per­so­na­gem de uma sé­rie de “bo­ne­cos ani­ma- dos” que pas­sa di­a­ri­a­men­te num ca­nal de te­le­vi­são por sa­té­li­te, “ay, ca­ram­ba!”

De fac­to, qual­quer miú­do in­te­li­gen­te per­ce­be que o de­sen­vol­vi­men­to de An­go­la não po­de as­sen­tar nu­ma ma­té­ria-pri­ma fós­sil fi­ni­ta co­mo o pe­tró­leo bruto. Com os re­cur­sos na­tu­rais exis­ten­tes no país, qual­quer fli­bus­tei­ro não he­si­ta­ria em pe­dir um vis­to or­di­ná­rio pa­ra vir ga­rim­par na nos­sa terra. Aliás, são cen­te­nas, ou mais, os es­tran­gei­ros de­por­ta­dos por entrada e exer­cí­cio de ac­ti­vi­da­de ile­gais, ávi­dos das ri­que­zas que es­tão à vis­ta de to­dos.

Terra fér­til, água - ca­da vez mais es­cas­sa no Mun­do - flo­res­tas, mi­né­ri­os, mar e re­cur­sos hu­ma­nos com ha­bi­li­ta­ções pro­fis­si­o­nais, for­ma­ção cul­tu­ral e as­sis­tên­cia mé­di­ca são o sus­ten­tá­cu­lo do de­sen­vol­vi­men­to eco­nó­mi­co de um país.

O que fa­ria o Fa­ria se não fos­se egoís­ta? Ex­pan­dia o ne­gó­cio do pão-de-ló, com a aber­tu­ra de lo­jas na cidade e, mais tar­de, em ou­tras pro­vín­ci­as. As­sim, ge­ra­va em­pre­go, de que a mai­o­ria dos an­go­la­nos es­tá ne­ces­si­ta­da e pu­nha a fun­ci­o­nar um ne­gó­cio nou­tras ci­da­des. Não era só o res­mun­gão que ga­nha­va com is­so. Mais cli­en­tes, em­pre­ga­dos, for­ne­ce­do­res e pro­du­to­res se­ri­am be­ne­fi­ci­a­dos.

De­pois do pão-de-ló, Fa­ria po­dia ter ou­tros ob­jec­ti­vos, co­mo por exem­plo, uma ge­la­da­ria. As cri­an­ças ado­ram pro­du­tos açu­ca­ra­dos, tal co­mo mui­tos pais. O ne­gó­cio, cer­ta­men­te pros­pe­ra­va ra­pi­da­men­te, mes­mo nu­ma cidade de cli­ma tem­pe­ra­do, co­mo o Hu­am­bo, on­de o Ca­cim­bo é ri­go­ro­so. “Se o sor­ve­te ren­de, por­que não ven­der ou­tros pro­du­tos lác­te­os”? - Pen­sou o Fa­ria.

Daí ter de­ci­di­do pe­dir um em­prés­ti­mo ban­cá­rio pa­ra de­sen­vol­ver uma pro­du­ção agro-pe­cuá­ria e am­pli­ar a sua re­de co­mer­ci­al, que lhe foi con­ce­di­do, ten­do em con­ta os bons re­sul­ta­dos fi­nan­cei­ros, sem fal­ca­tru­as.

Há ve­zes em que uma ideia sú­bi­ta pa­re­ce dis­pa­ra­ta­da. Não é o ca­so nes­ta his­tó­ria in­ven­ta­da. A pro­du­ção e ven­da de lei­te, quei­jo e man­tei­ga pros­pe­rou, a tal pon­to que o ne­gó­cio ul­tra­pas­sou fron­tei­ras.

Num Mun­do per­fei­to, em­pre­en­de­do­res co­mo o Fa­ria po­di­am ser o exem­plo do “self ma­de man” an­go­la­no - o ho­mem que su­biu na vi­da à sua custa e com es­for­ço pes­so­al, con­tra “ven­tos e ma­rés”.

Em An­go­la, in­fe­liz­men­te, mui­tos em­pre­en­de­do­res com idei­as e von­ta­de de mon­tar um ne­gó­cio “mor­rem na praia”, de­pois de “en­ca­lha­rem” nos me­an­dros da bu­ro­cra­cia e tei­as da cor­rup­ção.

En­tão, o que fa­ria o Fa­ria pe­ran­te esta si­tu­a­ção? Di­ria, com en­fa­do e so­ta­que es­tran­gei­ro: “Vo­cês não olham à vos­sa vol­ta? Não co­nhe­cem o vos­so país? Es­tão à es­pe­ra de quê pa­ra cri­ar ri­que­za pa­ra o vos­so po­vo. Ago­ra é que vêm com es­sa con­ver­sa to­la da di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia? Eu te­nho uma hor­ta no meu quin­tal! Plan­to cou­ve, to­ma­te, ce­bo­la e al­fa­ce. Em mi­nha ca­sa nun­ca fal­ta uma sopa pa­ra a fa­mí­lia. Vão mas é tra­ba­lhar!”

Pois é, Fa­ria. To­cou a si­re­ne de alar­me no Quar­tel de Bom­bei­ros e ago­ra to­dos cor­rem pa­ra “apa­gar o fo­go” e cla­mam que é a al­tu­ra de di­ver­si­fi­car a eco­no­mia.

Du­ran­te anos, a eco­no­mia na­ci­o­nal de­pen­deu das re­cei­tas co­mer­ci­ais e fis­cais da ex­por­ta­ção de pe­tró­leo e em me­nor es­ca­la do di­a­man­te. A desvalorização e/ ou re­du­ção dos pre­ços des­tas “com­mo­di­ti­es” aba­lou a es­tru­tu­ra eco­nó­mi­ca, a tal pon­to que o Es­ta­do en­fren­ta pro­ble­mas de li­qui­dez - leia-se, fal­ta de di­nhei­ro - pa­ra pa­gar sa­lá­ri­os e fa­zer fa­ce aos ele­va­dos en­car­gos da ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca.

Se o Fa­ria an­das­se por cá e ti­ves­se “vo­to na ma­té­ria”, ca­so lhe per­gun­tas­sem, acon­se­lha­va os po­lí­ti­cos a pou­pa­rem na des­pe­sa pú­bli­ca, sem afec­tar áre­as “sen­sí­veis” co­mo a Edu­ca­ção, Saú­de, De­fe­sa e Se­gu­ran­ça. E acres­cen­ta­ria: “Pou­par no açú­car, fa­ri­nha, fer­men­to e man­tei­ga não é bom pa­ra o pão-de-ló. Mas po­dem di­mi­nuir a des­pe­sa em bens su­pér­flu­os.” Pa­la­vras sá­bi­as do Fa­ria. E se não fos­se ele, quem te­ria a co­ra­gem de o di­zer?

DU­RAN­TE ANOS, A ECO­NO­MIA NA­CI­O­NAL DE­PEN­DEU DAS RE­CEI­TAS CO­MER­CI­AIS E FIS­CAIS DA EX­POR­TA­ÇÃO DE PE­TRÓ­LEO E EM ME­NOR ES­CA­LA DO DI­A­MAN­TE. A DESVALORIZAÇÃO OU RE­DU­ÇÃO DOS PRE­ÇOS DES­TAS “COM­MO­DI­TI­ES” ABA­LOU A ES­TRU­TU­RA ECO­NÓ­MI­CA

Pau­lo Pi­nha

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.