Po­der au­tár­qui­co

Jornal de Economia & Financas - - Opinião - An­dra­de A. Am­bró­sio Ges­tor e ana­lis­ta eco­nó­mi­co

O GO­VER­NO CEN­TRAL NÃO IRÁ SE DEMITIR DAS SU­AS FUN­ÇÕES, POIS APE­NAS TRANSFERIRÁ AU­TO­NO­MIA NE­CES­SÁ­RIA PA­RA O PO­DER LO­CAL

Évoz cor­ren­te q ue em 2020 se­rá o ano do co­me­ço das elei­ções au­tár­qui­cas. Por con­se­guin­te, ha­ve­rá a figura do au­tar­ca e da equi­pa ca­ma­rá­ria, sendo que a es­tes, se vai es­pe­rar de­sem­pe­nhos na­da com­pa­rá­veis a dos ad­mi­nis­tra­do­res mu­ni­ci­pais de ho­je. Sig­ni­fi­ca di­zer que nas au­tar­qui­as, ao con­trá­rio do mo­de­lo de ad­mi­nis­tra­ção vi­gen­te, ha­ve­rá au­to­no­mia, no­me­a­da­men­te a pa­tri­mo­ni­al, a ad­mi­nis­tra­ti­va e a fi­nan­cei­ra, pre­cei­tos que, por si­nal, vão tor­nar os ges­to­res pú­bli­cos lo­cais mais com­pro­me­ti­dos com a cau­sa lo­cal dos mu­ní­ci­pes. Daí que a re­so­lu­ção dos pro­ble­mas bá­si­cos e que mais apo­quen­tam ca­da mu­ni­cí­pio te­rão ra­zão de ocor­rer com mai­or ce­le­ri­da­de e sa­tis­fa­ção. As­sim sendo, so­bre­tu­do os me­nos es­cla­re­ci­dos des­tes que­si­tos, pre­ci­sam de en­ten­der que as au­tar­qui­as, em­bo­ra pos­sam ob­vi­a­men­te pro­por­ci­o­nar mui­tas va­lên­ci­as, não são um fim, não vão“me­lho­rar tu­do que es­tá bem e cor­ri­gir tu­do que es­tá er­ra­do”. Tra­ta-se de uma es­tra­té­gia que se jun­ta a ou­tras de que tan­to se quer e com que con­ta­mos pa­ra nos aju­dar a mi­ti­gar um sem nú­me­ro de pro­ble­mas que nos as­so­lam. Uma vez que a si­tu­a­ção eco­nó­mi­ca e so­ci­al das fa­mí­li­as a gros­so mo­do es­tão de­gra­dan­tes, um pou­co, gra­ça às ine­fi­ci­ên­ci­as que nu­trem o nos­so mo­de­lo de go­ver­na­ção, que é exa­ge­ra­da­men­te cen­tra­li­za­do, pe­sa­do e pou­co in­clu­si­vo, on­de a pro­vín­cia de Lu­an­da é o cen­tro e de­ci­sor da vi­da de até aque­les mu­ni­cí­pi­os mais recôn­di­tos des­te imen­so país!

Tam­bém é pon­to as­sen­te que mes­mo di­an­te das au­tar­qui­as o Go­ver­no cen­tral não irá se demitir das su­as fun­ções. Ele ape­nas transferirá au­to­no­mia ne­ces­sá­ria, pa­ra o po­der lo­cal, pa­ra que es­te pos­sa ter as con­di­ções de tra­ba­lho de que mais pre­ci­sa pa­ra su­prir os fe­nó­me­nos que co­mum­men­te apo­quen­tam os mu­ní­ci­pes. En­tre­tan­to, a es­sên­cia e con­for­mi­da­des das au­tar­qui­as, em­bo­ra ape­nas ho­je, tor­na­ram-se bas­tan­te ba­da­la­das, pois é as­sun­to já re­fe­ren­ci­a­do pe­los le­gis­la­do­res da nos­sa cons­ti­tui­ção de 2010. Só pa­ra ci­tar, se­gun­do o ar­ti­go 213º a or­ga­ni­za­ção de­mo­crá­ti­ca do Es­ta­do ao ní­vel lo­cal, es­tru­tu­ra-se com ba­se no prin­cí­pio da des­cen­tra­li­za­ção po­lí­ti­co-ad­mi­nis­tra­ti­va que com­pre­en­de a exis­tên­cia de for­mas or­ga­ni­za­ti­vas do po­der lo­cal. Se­gun­do ainda o ar­ti­go 217º, as Au­tar­qui­as Lo­cais são pes­so­as co­lec­ti­vas ter­ri­to­ri­ais cor­res­pon­den­tes ao con­jun­to de re­si­den­tes em cer­tas cir­cuns­cri­ções do ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal e que as­se­gu­ram a pros­se­cu­ção de in­te­res­ses es­pe­cí­fi­cos re­sul­tan­tes da vi­zi­nhan­ça, me­di­an­te ór­gãos pró­pri­os re­pre­sen­ta­ti­vos das res­pec­ti­vas po­pu­la­ções.

To­da­via, a re­a­li­za­ção das au­tar­qui­as pres­su­põe fun­da­men­tal­men­te a cri­a­ção de leis. Quan­to às pro­pos­tas de leis de ini­ci­a­ti­va do Exe­cu­ti­vo (co­mo es­te es­pa­ço jor­na­lís­ti­co, não che­ga…), vou só avan­çar o se­guin­te: acam­pa­nha elei­to­ral au­tár­qui­ca,não se­rá fi­nan­ci­a­da pelo Es­ta­do; os au­tar­cas te­rão um man­da­to de cin­co anos, não ha­ven­do li­mi­te pa­ra a re­e­lei­ção; a au­tar­quia obe­de­ce ao gra­du­a­lis­mo ge­o­grá­fi­co, sendo cer­to que os mu­ni­cí­pi­os por on­de ha­ve­rá au­tar­quia, são os que têm ní­veis de de­sen­vol­vi­men­to e in­fra-es­tru­tu­ras mais ex­pres­si­vos, e com pelo me­nos 500 mil ha­bi­tan­tes, além de uma ca­pa­ci­da­de de ar­re­ca­dar re­cei­tas, de no mí­ni­mo 15 por cen­to da des­pe­sa pú­bli­ca or­ça­men­ta­da nos úl­ti­mos três anos.

A opo­si­ção não quer gra­du­a­lis­mo ge­o­grá­fi­co, quer o fun­ci­o­nal, e su­ge­re, por outro la­do, que o Es­ta­do fi­nan­cie as cam­pa­nhas das elei­ções au­tár­qui­cas. Eu, pelo me­nos não de­fen­do is­so, em­bo­ra re­co­nhe­ça que a de­mo­cra­cia tam­bém custa di­nhei­ro, e às ve­zes mui­to. Mas, por ago­ra, co­mo os nos­sos de­sa­fi­os eco­nó­mi­co-so­ci­ais são de “ro­er as unhas”, se­rá ex­tre­ma­men­te di­fí­cil o Es­ta­do co­brir fi­nan­cei­ra­men­te as cam­pa­nhas, que po­de­rão en­vol­ver mui­tos mu­ni­cí­pi­os e can­di­da­tos. Não me pa­re­ce que es­te “não fi­nan­ci­a­men­to” be­lis­que a de­mo­cra­cia que, em boa ver­da­de, se quer só­li­da. Aon­de es­tão as quo­tas que os mi­li­tan­tes e fu­tu­ros can­di­da­tos têm alo­ca­do aos seus res­pec­ti­vos par­ti­dos?! Os apar­ti­dá­ri­os po­dem ob­vi­a­men­te, por meio de fun­dos pró­pri­os ou de ter­cei­ros – pelo que es­te que­si­to se­rá ju­ri­di­ca­men­te con­for­ma­do -, fi­nan­ci­ar a sua cam­pa­nha.

EDIÇÕES NO­VEM­BRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.