“NÃO HÁ UMA PANACEIA PA­RA A TAAG”

Jornal de Economia & Financas - - Entrevista -

O pro­ble­ma da Taag é trans­ver­sal ao mo­de­lo de ad­mi­nis­tra­ção eco­nó­mi­ca re­ta­lhis­ta que te­mos, qual o mo­de­lo do­mi­nan­te? Quais os ob­jec­ti­vos? Que re­sul­ta­dos qu­e­re­mos? Co­mo al­can­çá-los? Quem fis­ca­li­za? Quais as san­ções por in­cum­pri­men­to? A for­ma co­mo se faz a po­lí­ti­ca em An­go­la não fa­vo­re­ce a ges­tão em­pre­sa­ri­al se­ja pú­bli­co ou pri­va­da, so­mos mui­to ins­tá­veis, fo­mos dor­mir e dia se­guin­te fo­mos to­dos sur­pre­en­di­dos com es­te ne­gó­cio, on­de an­da as obri­ga­ções le­gais de cri­a­ção do pro­gra­ma es­tra­té­gi­co pa­ra o sec­tor em­pre­sa­ri­al pú­bli­co, o pro­gra­ma do sec­tor da avi­a­ção ci­vil, a re­es­tru­tu­ra­ção da Taag. Sou a fa­vor da es­ta­bi­li­da­de de man­da­tos na ad­mi­nis­tra­ção eco­nó­mi­ca, a ina­mo­vi­bi­li­da­de aqui é Ben­quis­ta, pre­ci­sa­mos de res­pon­sa­bi­li­zar as pes­so­as, mas, te­mos más prá­ti­cas, for­mal­men­te o ór­gão de ges­tão de to­po é o con­se­lho de ad­mi­nis­tra­ção, mas, na prá­ti­ca os po­lí­ti­cos uni­pes­so­a­li­za­ram a ges­tão nos pre­si­den­tes dos con­se­lhos de ad­mi­nis­tra­ção, reú­nem so­men­te com eles, so­men­te eles re­ce­bem cor­res­pon­dên­cia da tu­te­la e da su­pe­rin­ten­dên­cia, so­ne­gam in­for­ma­ções aos vo­gais e de­pois qu­e­re­mos co-res­pon­sa­bi­li­zar, as cri­ses do BPC de­ri­vam dis­so, por­tan­to es­te é o pro­ble­ma da Taag. Por­tan­to, al­te­rar o mo­de­lo de aten­di­men­to ao cli­en­te, me­lho­rar a qua­li­da­de do serviço, des­de o call­cen­ter, o serviço de bor­do, as­sis­tên­cia em es­ca­la, até o pós voo, a efi­cá­cia do sec­tor em­pre­sa­ri­al pú­bli­co, es­tá a mer­cê de de­ci­sões po­lí­ti­cas, se­ja por omis­são, não in­ter­vin­do na ges­tão cor­ren­te das com­pa­nhi­as ou em co­mis­são, fi­nan­ci­an­do no­vos pro­jec­tos, fis­ca­li­zan­do a sua exe­cu­ção e san­ci­o­nan­do os seus in­cum­pri­men­tos. Co­mo ce­der? Por ali­ar-se aos par­cei­ros privados, es­te pro­ces­so não agre­ga­ria va­lor a Taag, os par­cei­ros da não pre­en­chem os que­si­tos téc­ni­cos e fi­nan­cei­ros pa­ra a ti­po­lo­gia de ne­gó­cio que se pro­pa­gou, uma coi­sa é tra­ba­lhar com “han­dling”, ou­tra é transporte aéreo co­mer­ci­al com qua­li­da­de pa­ra os tem­pos que se avi­zi­nham.O so­nho é a po­lí­ti­ca de céu aber­to, is­to iria ate­nu­ar as as­si­me­tri­as re­gi­o­nais e apro­xi­mar as po­pu­la­ções, mas is­to é im­pos­sí­vel en­quan­to não ti­ver­mos pro­du­ção, em­pre­go, ren­da e con­su­mo, por­tan­to se da­qui há cin­co anos ti­ver­mos três con­ces­si­o­ná­ri­as com ser­vi­ços ra­zoá­veis no transporte aéreo re­gu­lar é um bom pres­sá­gio. Não há uma panaceia pa­ra a TA AG, a es­tru­tu­ra so­ci­al da nos­sa so­ci­e­da­de es­tá aba­la­da pe­la ges­tão da­no­sa da coi­sa pú­bli­ca e pe­la cor­rup­ção, te­mos de iden­ti­fi­car os pro­ble­mas do sec­tor, co­me­çan­do pe­la ver­ten­te de mo­de­lo ins­ti­tu­ci­o­nal de que se pre­ten­de, re­vi­si­tar os pro­du­tos e ser­vi­ços ne­ces­sá­ri­os a cur­to, mé­dio e lon­go pra­zo, for­ma­ção de pes­so­al e bus­car fi­nan­ci­a­men­to. O serviço pré e pós bor­do da Taag é pés­si­mo,en­de­mi­ca­men­te­per­sis­tea in­sa­tis­fa­ção dos tra­ba­lha­do­res em re­la­ção a equi­da­de na po­lí­ti­ca re­mu­ne­ra­tó­ria,não­sei­o­ní­vel­deim­ple­men­ta­ção do pro­gra­ma de re­for­mas na com­pa­nhia, mas es­tou cu­ri­o­so em sa­ber quan­tos jo­vens saí­dos do cen­tro de for­ma­ção na dé­ca­da de 80 do sé­cu­lo­pas­sa­do­ain­da­es­tão­na­fir­ma. As re­for­mas não são le­va­das a sé­rio, cus­tam­di­nhei­ro­e­sãoin­ter­rom­pi­das sem­pre que há mu­dan­ças na ad­mi­nis­tra­ção ou no ór­gão de tu­te­la. A bus­ca­deum­par­cei­ro­co­mex­pe­ri­ên­ci­a­nãoéum­mau­ne­gó­cio,te­mo­sé­de pro­cu­ra­ral­guém­com­seg­men­to­low­cost e que se con­so­li­de bem a par­ce­ria pa­ra que não te­nha­mos di­le­mas nas trans­fe­rên­ci­as pa­ra o ex­te­ri­or dos di­vi­den­dos do par­cei­ro ex­ter­no.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.