MOODY’S DÁ NO­TA PO­SI­TI­VA AO CRÉDITO AN­GO­LA­NO

Jornal de Economia & Financas - - Lado A Lado -

A agên­cia de no­ta­ção fi­nan­cei­ra Moody’s re­ti­rou An­go­la da lis­ta de paí­ses cu­ja qua­li­da­de do crédito é mais vul­ne­rá­vel aos fa­to­res cli­ma­té­ri­cos, es­sen­ci­al­men­te de­vi­do à saí­da das pes­so­as da po­bre­za ex­tre­ma e das zo­nas ru­rais. “O crédito so­be­ra­no de An­go­la per­ma­ne­ce vul­ne­rá­vel de­vi­do ao im­pac­to pro­je­ta­do das mu­dan­ças cli­ma­té­ri­cas nos ren­di­men­tos das co­lhei­tas de ar­roz, tri­go e mi­lho, nas chei­as e tam­bém de­vi­do à evi­dên­cia his­tó­ri­ca de um nú­me­ro re­la­ti­va­men­te ele­va­do de de­sas­tres na­tu­rais”, es­cre­vem os ana­lis­tas da Moody’s. O re­la­tó­rio da Moody’s é uma atu­a­li­za­ção da aná­li­se so­bre a sus­ce­ti­bi­li­da­de de um país a even­tos de ris­co cli­ma­té­ri­cos, ba­se­a­do na abor­da­gem apre­sen­ta­da em 2016, que cons­ta­ta que há 39 paí­ses nes­tas con­di­ções, 17 dos quais em Áfri­ca e os res­tan­tes 12 na Ásia. “An­go­la tam­bém tem ní­veis bai­xos de rendimento e uma ca­pa­ci­da­de li­mi­ta­da de res­pos­ta a cho­ques, mas a sua de­pen­dên­cia do se­tor agrí­co­la é baixa e a sua sus­ce­ti­bi­li­da­de ge­ral a ris­cos de mu­dan­ças cli­ma­té­ri­cas di­mi­nuiu por­que a ava­li­a­ção no ín­di­ce me­lho­rou, ali­cer­ça­da por um de­clí­nio da po­pu­la­ção ru­ral e em si­tu­a­ção de po­bre­za”, es­cre­vem. A ‘Pers­pe­ti­va de Evo­lu­ção’ do ‘ra­ting’ su­biu pa­ra ‘Es­tá­vel’, uma semana de­pois de ter as­si­na­do com o FMI um Ins­tru­men­to de Co­or­de­na­ção de Po­lí­ti­cas, e de a agên­cia S&P ter me­lho­ra­do o ‘ra­ting’, e na mes­ma semana em que o Min­fin apre­sen­tou aos in­ves­ti­do­res a in­ten­ção de lan­çar uma emis­são de dí­vi­da de dois mil mi­lhões de dó­la­res em Maio.

AFP

Ce­ná­rio in­ter­no e as me­di­das de po­lí­ti­cas adop­ta­das fa­vo­re­cem in­di­ca­do­res

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.