Em­pre­sá­ri­os con­tra a ban­ca co­mer­ci­al

Con­fe­de­ra­ção Em­pre­sa­ri­al de An­go­la con­si­de­ra ser ur­gen­te en­con­trar me­ca­nis­mos fi­nan­cei­ros pa­ra res­ga­tar as em­pre­sas na­ci­o­nais que es­tão na fa­lên­cia

Jornal de Economia & Financas - - Empresas - Xavier An­tó­nio

Opaís con­ti­nua a es­ban­jar di­nhei­ro com a im­por­ta­ção de pro­du­tos que com­põem a ces­ta bá­si­ca que de­vi­am ser pro­du­zi­dos lo­cal­men­te, atra­vés de programas di­ri­gi­dos ao em­pre­sa­ri­a­do na­ci­o­nal. A afir­ma­ção é do pre­si­den­te da Con­fe­de­ra­ção Em­pre­sa­ri­al de An­go­la (CEA), Fran­cis­co Vi­a­na.

Fran­cis­co Vi­a­na diz não ha­ver mo­ti­vos de o país con­ti­nu­ar a im­por­tar bens co­mo mi­lho, sal que po­dem ser pro­du­zi­dos in­ter­na­men­te. “Não há di­vi­sas pa­ra o em­pre­sá­rio dig­no que qui­ser im­por­tar equi­pa­men­tos pa­ra a pro­du­ção na­ci­o­nal, mas exis­tem al­guns mal­fei­to­res na ban­ca co­mer­ci­al que têm os mi­lhões de dó­la­res à sua dis­po­si­ção”, apon­tou.

O em­pre­sá­rio pro­me­teu con­ce­der esta semana em Lu­an­da, uma con­fe­rên­cia de im­pren­sa pa­ra a apre­sen­ta­ção do “pri­mei­ro Con­gres­so da Pro­du­ção Na­ci­o­nal”, a re­a­li­zar-se nos di­as 28 e 29 do mês em cur­so. Além de la­men­tar o in­su­ces­so do pro­gra­ma An­go­la In­ves­te, Fran­cis­co Vi­a­na re­fe­riu que o Es­ta­do não cum­priu com os ju­ros bo­ni­fi­ca­dos nem com a co­ber­tu­ra do fun­do de ga­ran­tia real com a ban­ca co­mer­ci­al.

Fez sa­ber igual­men­te que o em­pre­sa­ri­a­do to­mou co­nhe­ci­men­to do sur­gi­men­to em bre­ve do pro­gra­ma “An­go­la In­ves­te Mais”, pro­jec­to que se­rá me­lhor re­for­ça­do fi­nan­cei­ra­men­te, mas acom­pa­nha­do e vi­gi­a­do de mo­do, a per­mi­tir que o fi­nan­ci­a­men­to se­ja da­do a quem merece, faz e pro­duz.

As­se­gu­rou que mui­tas em­pre­sas que ac­tu­am no país en­con­tram-se na fa­lên­cia em fun­ção do ac­tu­al qua­dro eco­nó­mi­co e fi­nan­cei­ro que o país en­fren­ta.

O em­pre­sá­rio acres­cen­tou que o pés­si­mo am­bi­en­te de ne­gó­ci­os que o país vi­ve é re­sul­ta­do de rou­bos fi­nan­cei­ros pro­ta­go­ni­za­dos por al­guns la­rá­pi­os, que to­ma­ram de as­sal­to a coi­sa pú­bli­ca.

“Há ges­to­res da ban­ca co­mer­ci­al que em­pres­ta­ram di­nhei­ro a quem não de­vi­am, e ou­tros es­tão me­ti­dos em es­que­mas de ven­da de di­vi­sas”, de­nun­ci­ou.

Privatizações de em­pre­sas

Em re­la­ção ao pro­ces­so de pri­va­ti­za­ção de al­gu­mas em­pre­sas pú­bli­cas, re­al­çou que de­ve ha­ver trans­pa­rên­cia, “não vale ape­nas fa­zer­mos das privatizações mais uma jo­ga­da de roubalheira”.

So­bre o even­to re­al­çou que a ideia é “nos en­qua­drar­mos den­tro da­qui­lo que o Go­ver­no tem em car­tei­ra pa­ra o sec­tor pri­va­do, a jul­gar que até ao mo­men­to não te­mos co­nhe­ci­men­to que programas de apoio à eco­no­mia es­te­jam em vi­gor, daí o con­gres­so cons­ti­tuir uma pres­são”, dis­se o em­pre­sá­rio.

A CEA en­ten­de ha­ver boa von­ta­de por parte do Exe­cu­ti­vo em co­la­bo­rar com a clas­se em­pre­sa­ri­al pri­va­da por ser o mo­tor da eco­no­mia que ge­ra ri­que­zas e cria em­pre­gos.

NÃO ADI­AN­TA AVANÇARMOS COM AS PRIVATIZAÇÕES CO­MO MAIS UMA JO­GA­DA DE ROUBALHEIRA

SAN­TOS PEDRO | EDIÇÕES NO­VEM­BRO

A con­fe­de­ra­ção de­fen­de que os programas di­ri­gi­dos de­vem ser me­lhor con­tro­la­dos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.