EM­PRE­SAS PÚ­BLI­CAS CONVENCEM O SUPERVISOR A AGIR A SEU FA­VOR

Jornal de Economia & Financas - - Empresas -

Con­clui-se que, ape­sar do Es­ta­do de­fi­nir de for­ma cla­ra os ob­jec­ti­vos ge­rais e sec­to­ri­ais, “As Em­pre­sas Pú­bli­cas têm con­ven­ci­do o supervisor/re­gu­la­dor e a tu­te­la mi­nis­te­ri­al a pen­sa­rem e ac­tu­a­rem a seu fa­vor”, ao que os eco­no­mis­tas cha­mam de cap­tu­ra do re­gu­la­dor.

É nos­sa opi­nião, con­for­me a in­fo­gra­fia, que o re­di­men­si­o­na­men­to do Sec­tor Em­pre­sa­ri­al Pú­bli­co pas­sa em com­bi­nar três me­di­das, sendo que a pri­mei­ra, con­sis­te em ga­ran­tir har­mo­ni­za­ção de po­lí­ti­cas, es­tra­té­gi­as, ob­jec­ti­vos e me­tas na­ci­o­nais com os ob­jec­ti­vos e me­tas em­pre­sa­ri­ais.

A se­gun­da me­di­da, con­sis­te em de­ter­mi­nar­qual se­rá a me­lhor so­lu­ção pa­ra ma­xi­mi­zar a re­cei­ta do Es­ta­do num mé­dio e lon­go pra­zo, no­me­a­da­men­te, pro­te­ger ou re­for­çar a po­si­ção, in­ves­tir pa­ra cres­cer, ge­rir re­tor­no, cres­cer se­lec­ti­va­men­te, ex­pan­dir com cui­da­do, de­sen­vol­ver no­vos pro­du­tos ou seg­men­tos, con­quis­tar no­vos cli­en­tes,de­sin­ves­tir (pri­va­ti­za­ção to­tal ou par­ci­al), den­tre ou­tras. Es­tas so­lu­ções se­rão re­sul­ta­do da aná­li­se cui­da­da da es­tra­té­gia dos ne­gó­ci­os das em­pre­sas ten­do em con­ta o con­tex­to do mer­ca­do e os re­cur­sos da em­pre­sa, uti­li­zan­do fer­ra­men­tas bá­si­cas de aná­li­se es­tra­té­gi­ca de ne­gó­cio (Ma­triz BCG- Bos­ton Con­sul­tingG­roup,GE/ McKin­sey, Ma­triz Growth/Growth, Ma­triz de An­soff, Mo­de­lo da po­si­ção com­pe­ti­ti­va e Aná­li­se Ris­co/ Ren­ta­bi­li­da­de).

A ter­cei­ra e úl­ti­ma me­di­da, con­sis­te na adop­ção de um sis­te­ma de con­tro­lo e ava­li­a­ção do de­sem­pe­nho dos ór­gãos de ges­tão e fis­ca­li­za­ção das em­pre­sas ba­se­a­dos em con­trac­tos-pro­gra­ma, que per­mi­ti­rão a uti­li­za­ção de ins­tru­men­tos de con­tro­lo de ges­tão(Ta­ble­au de Bord,Dash­bo­ard e o Ba­lan­cedS­co­re­card(BSC), iden­ti­fi­can­do as cau­sas dos des­vi­os,pers­pec­ti­van­do com mai­or evi­dên­cia des­vi­os fu­tu­ros e de­fi­nir me­di­das pre­ven­ti­vas; Au­men­tar a res­pon­sa­bi­li­za­ção, per­mi­tin­do uma ges­tão mais efi­caz e res­pon­sá­vel; Re­for­çar a trans­pa­rên­cia e ainda a me­lho­ria da pres­ta­ção de con­tas jun­to do Es­ta­do e do pú­bli­co em ge­ral.

Dei­xa­mos al­gu­mas ques­tões, de for­ma a in­ci­tar o de­ba­te por parte da en­tou­ra­ge eco­nó­mi­ca na­ci­o­nal.“Que bol­sa uti­li­zar, sal­vo opi­nião con­trá­ria, as su­as ins­ta­la­ções fo­ram trans­for­ma­das em su­per­mer­ca­dos.”, - “Co­mo ga­ran­tir que os re­cur­sos fi­nan­cei­ros ilí­ci­tos re­pa­tri­a­dos não se­jam uti­li­za­dos pa­ra ad­qui­rir as Em­pre­sas Pú­bli­cas que, even­tu­al­men­te, fo­ram al­vo de tal ili­ci­tu­de.”, - “Co­mo ga­ran­tir que não se adop­te uma nova po­lí­ti­ca de acu­mu­la­ção pri­mi­ti­va de ca­pi­tal em de­tri­men­to do bem co­mum”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.