Ca­ra­pau en­ca­re­ce no mer­ca­do do Cui­to

Po­pu­la­ção lo­cal es­tá bas­tan­te pre­o­cu­pa­da com a es­cas­sez em fun­ção do ele­va­do preço na aqui­si­ção do pes­ca­do na re­gião

Jornal de Economia & Financas - - Infra-Estrutura - Del­fi­na Vic­to­ri­no no Cui­to

Oe­le­va­do preço do pei­xe ca­ra­pau nos fri­go­rí­fi­cos nas zo­nas pe­ri­fé­ri­cas do Bié es­tá a pre­o­cu­par os con­su­mi­do­res que fa­zem des­ta es­pé­cie a re­fei­ção de pre­fe­rên­cia. JE fez uma ron­da nas vá­ri­as ar­té­ri­as da cidade do Cui­to e ve­ri­fi­cou a es­cas­sez do ca­ra­pau que tem si­do a es­pé­cie mais pro­cu­ra­da nas úl­ti­mas se­ma­nas pe­los pe­los ha­bi­tan­tes lo­cais.

Por exem­plo, a ma­la de pei­xe ca­ra­pau de 20kg em al­guns fri­go­rí­fi­cos, va­ri­am de for­ma con­si­de­rá­vel aten­den­do o ta­ma­nho que a mes­ma apre­sen­ta.

Já a ma­la de pei­xe de 15 kg do ta­ma­nho mé­dio es­tá no va­lor de 17 mil kwanzas, en­quan­to nou­tras câ­ma­ras fri­go­rí­fi­cas a cai­xa com o mes­mo pe­so es­tá no va­lor de 18 mil kwanzas.

As re­ven­de­do­ras de pei­xe as cha­ma­das zun­guei­ras, fi­cam à es­pe­ra de cli­en­tes em fren­te às câ­ma­ras fri­go­rí­fi­cas pa­ra as­so­ci­a­rem va­lo­res e com­pra­rem a quan­ti­da­de de pei­xe que ne­ces­si­tam.

Ma­ria Ma­da­le­na de 38 anos de ida­de, mãe de (4) fi­lhos, é com­pra­do­ra e re­ven­de­do­ra de pei­xe na cidade do Cui­to, ex­pli­cou ao JE que ven­de pei­xe di­ver­so há 4 anos e acor­da ge­ral­men­te as 5 ho­ras da ma­nhã pa­ra en­con­trar a boa mer­ca­do­ria.

A co­mer­ci­an­te ex­pli­ca que o pei­xe ca­ra­pau, o Ca­chu­chu e a Cor­vi­na, são as es­pé­ci­es mais di­fí­ceis há um mês, no Cui­to.

Em re­la­ção ao mé­to­do de só­ci­as, pa­ra a com­pra do pei­xe, a co­mer­ci­an­te dis­se que fa­zem is­so qu­an­do os pre­ços so­bem. “Es­pe­ra­mos os cli­en­tes que vêm com­prar meia cai­xa pa­ra ca­sa e jun­ta­mos 50 por cen­to ca­da pa­ra di­vi­dir­mos”, re­al­çou.

Ju­dith Cas­sin­da de 42 anos de ida­de, ge­ren­te de uma das ar­cas fri­go­rí­fi­cas no Cui­to, con­fir­mou que há es­cas­sez de pei­xe no mer­ca­do há um mês.

Pa­ra a ges­to­ra, a mai­or parte dos fres­cos co­mer­ci­a­li­za­dos são pro­ve­ni­en­tes das pro­vín­ci­as de Ben­gue­la e Na­mi­be, que tam­bém en­fren­tam uma rop­tu­ra no pro­ces­so de dis­tri­bui­ção.

Ber­nar­da Pau­li­no de 33 anos de ida­de, mãe de dois fi­lhos e re­si­den­te na cen­tra­li­da­de “Ho­ri­zon­te”, ex­pli­cou que o preço dos fres­cos es­tão ca­da vez mais al­tos.

A cai­xa de frango de 15 kg, por exem­plo, va­ria de 5.500 a 6.000 kwanzas, en­quan­to a de sal­si­chas de ga­li­nha custa ac­tu­al­men­te 5.500 kwanzas.

A sardinha e a ga­li­nha ri­ja são as va­ri­e­da­des dos fres­cos que di­fi­cil­men­te fal­tam nos fri­go­rí­fi­cos exis­ten­tes na cidade do Cui­to e ar­re­do­res.

A sardinha é o ti­po de pei­xe com o preço mais aces­sí­vel ao bol­so dos con­su­mi­do­res cus­tan­do 4.500 kwanzas/ma­la.

Em re­la­ção ao con­su­mo de car­ne, a po­pu­la­ção pro­cu­ra co­mer­ci­a­li­zar a va­ri­e­da­de de car­ne na­tu­ral que é ve­ri­fi­ca­da pe­los ser­vi­ços de ve­te­ri­ná­ri­os an­tes de ser aba­ti­da no ma­ta­dou­ro, na zo­na pe­ri­fé­ri­ca do mu­ni­cí­pio do Cui­to.

Ro­sa So­ma de 35 anos de ida­de, en­fer­mei­ra de pro­fis­são, ga­ran­te que a car­ne ven­di­da no ma­ta­dou­ro é se­gu­ra e pre­fe­rí­vel.

HÁ JÁ AL­GUNS ANOS QUE O PEI­XE NO MER­CA­DO LO­CAL TEM REGISTADO UMA ES­CAS­SEZ NOS DI­VER­SOS MER­CA­DOS

EDIÇÕES NO­VEM­BRO

Gran­de parte do pes­ca­do que é co­mer­ci­a­li­za­do no Bié é pro­ve­ni­en­te das pro­vín­ci­as do li­to­ral (Ben­gue­la e Na­mi­be)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.