Tec­no­lo­gi­as vão im­pul­si­o­nar o país

Mi­nis­tra do Am­bi­en­te as­se­gu­ra que o pla­no es­tra­té­gi­co tra­rá mais di­na­mis­mo na eco­no­mia

Jornal de Economia & Financas - - Infra-Estrutura - An­dré Si­bi

AMi­nis­tra do A mbi­en­te, Pau­la Co­e­lho dis­se que o Pla­no es­tra­té­gi­co das no­vas tec­no­lo­gi­as am­bi­en­tais apro­va­do re­cen­te­men­te pelo Exe­cu­ti­vo vai im­pul­si­o­nar a im­ple­men­ta­ção das tec­no­lo­gi­as am­bi­en­tais em An­go­la.

Pau­la Co­e­lho que fa­la­va à im­pren­sa du­ran­te a ce­ri­mó­nia de aber­tu­ra da Feira In­ter­na­ci­o­nal de Am­bi­en­te, que de­cor­re em Lu­an­da, des­de ter­ça-feira e ter­mi­na ho­je, sob o le­ma, “Aca­be com a po­lui­ção plás­ti­ca”, dis­se, que nos úl­ti­mos anos to­da so­ci­e­da­de an­go­la­na, tem vin­do a re­co­nhe­cer o va­lor da sus­ten­ta­bi­li­da­de, que não po­de ser ig­no­ra­do, sob pe­na do país vir a su­por­tar cus­tos eco­nó­mi­cos, so­ci­ais e hu­ma­nas in­de­se­já­veis.

De acor­do com a Mi­nis­tra, a sus­ten­ta­bi­li­da­de co­mo va­lor é trans­ver­sal a vá­ri­os do­mí­ni­os da go­ver­na­ção, e das nos­sas as­pi­ra­ções co­lec­ti­vas.

Com a re­a­li­za­ção des­ta feira se­rá pos­sí­vel pre­sen­ci­ar pro­jec­tos re­sul­tan­tes do es­for­ço do Exe­cu­ti­vo an­go­la­no, li­ga­dos às tec­no­lo­gi­as am­bi­en­tais, re­a­pro­vei­ta­men­to do li­xo, reciclagem as­sim co­mo a ge­ra­ção de ener­gi­as lim­pas e re­no­vá­veis.

A mi­nis­tra apro­vei­tou a oca­sião pa­ra cha­mar aten­ção em re­la­ção à quan­ti­da­de de plás­ti­co con­su­mi­do e des­car­ta­do a ní­vel mun­di­al, pois, anu­al­men­te pelo me­nos 13 mi­lhões de to­ne­la­das vão pa­ra os oce­a­no anu­al­men­te pre­ju­di­can­do mais de 600 es­pé­ci­es ma­ri­nhas, das quais 15 por cen­to es­tão ame­a­ça­das pe­la extinção.

O plás­ti­co e to­dos os seus materiais de­ri­va­dos são uti­li­za­dos por me­nos de um mi­nu­to, por

É NE­CES­SÁ­RIO A RECICLAGEM DOS MATERIAIS JÁ UTI­LI­ZA­DOS PA­RA A MA­NU­TEN­ÇÃO DO MEIO AM­BI­EN­TE

de 50 por cen­to da po­pu­la­ção mun­di­al, no en­tan­to a sua des­trui­ção le­va de­ze­nas e cen­te­nas de anos. É o ca­so dos co­pos des­car­tá­veis que le­vam 250 anos pa­ra de­te­ri­o­rar. Co­mo al­ter­na­ti­va te­mos os co­pos de vi­dro. Os sa­cos de plás­ti­cos que le­vam 50 a 100 anos pa­ra se­rem des­fei­tos, co­mo al­ter­na­ti­va te­mos os sa­cos re­a­li­zá­veis de pa­no.

As gar­ra­fas ron­dam en­tre 100 e 400 anos pa­ra des­trui­ção já as fral­das des­car­tá­veis le­vam até 430 anos pa­ra de­te­ri­o­rar.

Por sua vez a se­cre­tá­ria do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca pa­ra os As­sun­tos So­ci­ais, Fá­ti­ma Vi­e­gas, ape­lou à ma­nu­ten­ção da hi­gi­e­ne na ca­pi­tal do país de mo­do a tor­ná-la Lu­an­da en­tre as ci­da­des mais be­las do con­ti­nen­te.

O go­ver­na­dor de Lu­an­da, Adri­a­no Men­des de Car­va­lho, con­fir­mou, que Lu­an­da é re­fe­ren­ci­a­da co­mo a cidade me­nos ver­de e ar­bo­ri­za­da da Áfri­ca aus­tral. Pelo que o le­ma, da VI edi­ção da feira do am­bi­en­te vai de en­con­tro à es­tra­té­gia do Exe­cu­ti­vo.

VIGAS DA PURIFICAÇÃO | EDIÇÕES NO­VEM­BRO

A qua­li­da­de de vi­da de­pen­de mui­to de um meio am­bi­en­te sau­dá­vel

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.