Bar­ra­gem da Ma­ta­la con­so­me Usd 120 mi­lhões

O in­ves­ti­men­to do Go­ver­no vi­sa a re­no­va­ção de três tur­bi­nas e a con­se­quen­te re­a­bi­li­ta­ção da su­bes­ta­ção eléc­tri­ca com a qual pre­ten­dem me­lho­rar o aces­so

Jornal de Economia & Financas - - Energia -

Um to­tal de 120 mi­lhões de dó­la­res nor­te-ame­ri­ca­nos se­rão in­ves­ti­dos es­te ano pelo Go­ver­no an­go­la­no pa­ra a re­no­va­ção de três tur­bi­nas e a con­se­quen­te re­a­bi­li­ta­ção da su­bes­ta­ção e elec­tri­fi­ca­ção da Bar­ra­gem Eléc­tri­ca da Ma­ta­la, que dis­ta 180 qui­ló­me­tros a Les­te do Lu­ban­go, pro­vín­cia da Huí­la.

O fac­to foi anun­ci­a­do esta se­gun­da-feira à im­pren­sa, no Lu­ban­go, pelo mi­nis­tro da Ener­gi­as e Águas, João Bap­tis­ta Borges, à saí­da do en­con­tro com o go­ver­na­dor João Mar­ce­li­no Tyi­pin­ge, nu­ma vi­si­ta de pou­cas ho­ras à pro­vín­cia da Huí­la, pa­ra ava­li­ar o fun­ci­o­na­men­to do sec­tor que di­ri­ge.

O ti­tu­lar da pas­ta con­si­de­rou que a re­a­bi­li­ta­ção da mes­ma obe­de­ce du­as com­po­nen­tes, sendo a pri­mei­ra que cons­ti­tuiu o cor­po de to­da a in­fra-es­tru­tu­ra fí­si­ca, da­do o es­ta­do em que se en­con­tra­va, de­te­ri­o­ra­da do pon­to de vis­ta de fis­su­ras, pelo que te­ve que ser in­ter­ven­ci­o­na­da, con­cluí­das que es­tão as obras le­va­das a ca­bo por uma em­pre­sa ca­na­di­a­na.

A se­gun­da, re­for­çou, pas­sa por re­a­bi­li­tar a ca­sa de for­ças que são as áre­as on­de es­tão ins­ta­la­das as tur­bi­nas que pro­du­zem ener­gia eléc­tri­ca, bem co­mo a su­bes­ta­ção que vai li­gar o Lu­ban­go à cidade de Mo­çâ­me­des.

“Esta parte se­rá fei­ta no âm­bi­to da linha de fi­nan­ci­a­men­to com a linha de crédito com a Es­pa­nha, atra­vés de uma em­pre­sa es­pa­nho­la e o fi­nan­ci­a­men­to já es­tá apro­va­do. Es­te mes­mo pro­jec­to de­ve­rá ar­ran­car ainda es­te ano, e po­de­rá ge­rar ener­gia na or­dem dos 30 me­gawatts e re­po­vo­ar a pro­du­ção an­te­ri­or”, dis­se.

De mo­do ge­ral, pre­vê-se efec­tu­ar um mi­lhão de no­vas li­ga­ções de ener­gia eléc­tri­ca em to­da a pro­vín­cia até 2022, cor­res­pon­den­do a 200 mil no­vas li­ga­ções anu­ais, is­to é, pa­ra aten­der aqui­lo que é o ob­jec­ti­vo que foi fi­xa­do pelo pro­gra­ma do Go­ver­no, ati­nen­te à pro­mo­ção e ao aces­so de 50 por cen­to da po­pu­la­ção do país a be­ne­fi­ci­ar des­te produto.

Re­fe­riu que com ba­se nis­so po­der-se-á, igual­men­te, con­tri­buir pa­ra a di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia do país, por­que, em seu en­ten­der, a ener­gia eléc­tri­ca fo­men­ta a cri­a­ção de in­dús­tri­as e a ge­ra­ção de mais em­pre­gos no seio da ju­ven­tu­de.

Em re­la­ção ao au­men­to da pro­du­ção e dis­tri­bui­ção de ener­gia eléc­tri­ca e água na cen­tra­li­da­de da Qui­lem­ba, re­a­fir­mou que a si­tu­a­ção es­tá a ser re­sol­vi­da, aguar­dan­do ape­nas o fi­nan­ci­a­men­to pa­ra o efei­to, es­tan­do o pro­jec­to con­di­ci­o­na­do por fal­ta de ver­bas.

Du­ran­te a sua vi­si­ta de oi­to ho­ras à Huí­la, o go­ver­nan­te que se fez acom­pa­nhar da mi­nis­tra do Or­de­na­men­to do Ter­ri­tó­rio e Ha­bi­ta­ção, Ana Car­va­lho, vi­si­tou o tro­ço da es­tra­da (San­ta-Ro­tun­da do João de Almeida), a via de aces­so e a cen­tra­li­da­de da Qui­lem­ba, as obras da Elec­nor (cen­tro da cidade), da Mi­nho­ta e a Bar­ra­gem da Tun­da­va­la.

EDIÇÕES NO­VEM­BRO

O pro­jec­to que arranca es­se ano po­de­rá ge­rar ener­gia na or­dem dos 30 me­gawatts e re­po­vo­ar a pro­du­ção an­te­ri­or

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.