Mi­nis­té­rio do Co­mér­cio bus­ca ade­qua­ção or­gâ­ni­ca

Entrada na zo­na africana de livre co­mér­cio mar­ca mu­dan­ças no pa­ra­dig­ma das re­la­ções co­mer­ci­ais en­tre An­go­la e os de­mais paí­ses do con­ti­nen­te ber­ço

Jornal de Economia & Financas - - Gestão - Car­los Cardoso Jof­fre Van-Dú­nem Jú­ni­or Mi­nis­tro do Co­mér­cio

Per­se­guin­do a ade­qua­ção or­gâ­ni­ca e ten­do em con­ta as li­nhas ori­en­ta­do­ras es­ta­be­le­ci­das no do­mí­nio do co­mér­cio e da dis­tri­bui­ção pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to sus­ten­tá­vel do sec­tor e as­se­gu­rar que a ofer­ta de bens e ser­vi­ços mercantis se­jam com­pe­ti­ti­vos em ter­mos de qua­li­da­de, pre­ços e aces­so, o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca pro­ce­deu atra­vés do De­cre­to nº 38/18, de 09 de Fe­ve­rei­ro, à apro­va­ção do es­ta­tu­to or­gâ­ni­co do Mi­nis­té­rio do Co­mér­cio. Fi­ca, as­sim, re­vo­ga­da to­da le­gis­la­ção que con­tra­rie o dis­pos­to no pre­sen­te di­plo­ma, no­me­a­da­men­te o De­cre­to Pre­si­den­ci­al nº 26/17 de 21 de Fe­ve­rei­ro.

Abre­vi­a­da­men­te de­sig­na­do por “MINCO”, o Mi­nis­té­rio do Co­mer­cio é o ór­gão au­xi­li­ar do ti­tu­lar do Po­der exe­cu­ti­vo, res­pon­sá­vel por for­mu­lar, di­ri­gir, exe­cu­tar, ava­li­ar, con­tro­lar e fis­ca­li­zar a po­lí­ti­ca do exe­cu­ti­vo, no do­mí­nio do co­mér­cio, pres­ta­ção de ser­vi­ços mercantis, co­mér­cio ru­ral e da re­ser­va es­tra­té­gi­ca.

Cons­tam en­tre as prin­ci­pais atri­bui­ções do mi­nis­té­rio:

a)- For­mu­lar pro­pos­tas, su­per­vi­si­o­nar e ava­li­ar as po­lí­ti­cas apli­cá­veis ao sec­tor do Co­mér­cio, bem co­mo pro­ce­der à atri­bui­ção de re­cur­sos e a fis­ca­li­za­ção das ac­ti­vi­da­des co­mer­ci­ais e de pres­ta­ção de ser­vi­ços mercantis.

b)- Cri­ar es­tí­mu­los, com vis­ta ao es­ta­be­le­ci­men­to de uma re­de gros­sis­ta as­sen­te em em­pre­sá­ri­os ca­pa­zes de con­tri­buir de for­ma de­ci­si­va pa­ra a nor­ma­li­za­ção da ofer­ta de pro­du­tos e as­se­gu­rar a es­ta­bi­li­za­ção dos pre­ços.

c)- Re­ger, li­cen­ci­ar e ca­das­trar to­da a ac­ti­vi­da­de co­mer­ci­al e de pres­ta­ção de ser­vi­ços mercantis.

d)- Pro­por as re­gras e os pro­ce­di­men­tos pa­ra o li­cen­ci­a­men­to da ac­ti­vi­da­de co­mer­ci­al, em es­trei­ta co­la­bo­ra­ção com o De­par­ta­men­to Mi­nis­te­ri­al res­pon­sá­vel pe­la jus­ti­ça e di­rei­tos hu­ma­nos.

e)- De­fi­nir e ori­en­tar a ac­ti­vi­da­de dos ór­gãos su­pe­rin­ten­di­dos, re­pre­sen­ta­ções co­mer­ci­ais e acom­pa­nhar me­to­do­lo­gi­ca­men­te os ser­vi­ços exe­cu­ti­vos lo­cais res­pon­sá­veis pe­la exe­cu­ção da po­lí­ti­ca co­mer­ci­al.

Or­ga­ni­za­ção em ge­ral

A es­tru­tu­ra do MINCO é com­pos­ta por (7) ór­gãos, des­cri­tos a se­guir:

Ór­gãos Cen­trais de Di­rec­ção Su­pe­ri­or, Ór­gão de Apoio Con­sul­ti­vo, Ser­vi­ços de Apoio Téc­ni­co, Ser­vi­ços de Apoio Ins­tru­men­tal, Ser­vi­ços Exe­cu­ti­vos Di­rec­tos, Ser­vi­ços no Ex­te­ri­or e Ór­gãos Su­pe­rin­ten­di­dos.

Os ór­gãos es­tão sub­di­vi­di­dos em 21 ser­vi­ços.

Ór­gãos Cen­trais de Di­rec­ção Su­pe­ri­or

Com­pe­te ao Mi­nis­tro en­quan­to en­ti­da­de má­xi­ma, di­ri­gir, ori­en­tar, co­or­de­nar e con­tro­lar as ac­ti­vi­da­des de to­dos os ór­gãos e ser­vi­ços, sendo que na sua au­sên­cia com­pe­te ao Se­cre­tá­rio de Es­ta­do o de­ver de subs­ti­tui­ção. O Mi­nis­tro tem en­tre ou­tras com­pe­tên­ci­as, o po­der de no­me­ar, pro­mo­ver, exo­ne­rar, demitir e pra­ti­car de­mais ac­tos ine­ren­tes à mo­bi­li­da­de dos tra­ba­lha­do­res sob ju­ris­di­ção do Mi­nis­té­rio do Co­mér­cio.

Ór­gãos de Apoio Con­sul­ti­vo

O Con­se­lho Na­ci­o­nal do Co­mér­cio, é o ór­gão de con­sul­ta mul­tis­sec­to­ri­al e mul­ti­dis­ci­pli­nar de con­cer­ta­ção e acom­pa­nha­men­to das po­lí­ti­cas do sec­tor do co­mér­cio, sendo co­or­de­na­do pelo ti­tu­lar da pas­ta e re­ge-se por re­gu­la­men­to pró­prio apro­va­do pelo Mi­nis­tro. Ser­vi­ços de Apoio Téc­ni­co In­se­ri­do nes­ta sec­ção, a (Ins­pec­ção Ge­ral do Co­mér­cio ), tem a mis­são de acom­pa­nhar, fis­ca­li­zar, mo­ni­to­rar e ava­li­ar a apli- ca­ção dos pla­nos e programas apro­va­dos pa­ra o co­mér­cio, bem co­mo o cumprimento dos prin­cí­pi­os e nor­mas de or­ga­ni­za­ção, fun­ci­o­na­men­to e ac­ti­vi­da­des dos ór­gãos e ser­vi­ços do Mi­nis­té­rio.

A Ins­pec­ção pro­põe me­di­das pre­ven­ti­vas, repressivas e cor­rec­ti­vas no exer­cí­cio da ac­ti­vi­da­de co­mer­ci­al e de pres­ta­ção de ser­vi­ços mercantis, ao mes­mo tem­po que co­or­de­na a ac­ti­vi­da­de de ins­pec­ção, ar­ti­cu­la­da com o Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de De­fe­sa do Con­su­mi­dor e Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Con­tro­lo de Qua­li­da­de do Co­mér­cio e de­mais en­ti­da­des.

Ga­bi­ne­te de In­ter­câm­bio

Pre­pa­ra to­da a in­for­ma­ção e do­cu­men­ta­ção, vi­san­do as­se­gu­rar o cumprimento das obri­ga­ções de­cor­ren­tes do es­ta­tu­to da Re­pú­bli­ca de An­go­la en­quan­to mem­bro da Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al do Co­mér­cio ( OMC); Es­tu­da e pro­põe a es­tra­té­gia de co­o­pe­ra­ção bi­la­te­ral no do­mí­nio do co­mér­cio, bem co­mo acom­pa­nha as ac­ti­vi­da­des de­cor­ren­tes des­sa co­o­pe­ra­ção; As­se­gu­ra a par­ti­ci­pa­ção do Mi­nis­té­rio nas ne­go­ci­a­ções e na im­ple­men­ta­ção de acor­dos ce­le­bra­dos no âm­bi­to das or­ga­ni­za­ções re­gi­o­nais e in­ter­na­ci­o­nais do co­mér­cio; acom­pa­nha as ques­tões ine­ren­tes ao Co­mi­té Na­ci­o­nal de Fa­ci­li­ta­ção do Co­mér­cio e da Co­mis­são Na­ci­o­nal das Ne­go­ci­a­ções Co­mer­ci­ais.

Ór­gãos Su­pe­rin­ten­di­dos

O Mi­nis­té­rio do Co­mér­cio su­pe­rin­ten­de os se­guin­tes ór­gãos:

Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de De­fe­sa do Con­su­mi­dor ( INADEC) Es­co­la Na­ci­o­nal do Co­mér­cio La­bo­ra­tó­rio Na­ci­o­nal de Con­tro­lo de Qua­li­da­de

A INS­PEC­ÇÃO PRO­PÕE ME­DI­DAS PRE­VEN­TI­VAS, REPRESSIVAS E COR­REC­TI­VAS NO EXER­CÍ­CIO DA AC­TI­VI­DA­DE CO­MER­CI­AL E DE PRES­TA­ÇÃO DE SER­VI­ÇOS MERCANTIS

EDIÇÕES NO­VEM­BRO

Os por­tos na­ci­o­nais con­ti­nu­am a ser as prin­ci­pais por­tas de entrada de mer­ca­do­ri­as

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.