Va­lên­ci­as bus­ca­das na con­tra­ta­ção

O mer­ca­do de tra­ba­lho exi­ge pro­fis­si­o­nais com múl­ti­plas ha­bi­li­da­des, ca­pa­ci­da­de cri­a­ti­va e fá­cil adap­ta­ção a mu­dan­ças

Jornal de Economia & Financas - - Gestão -

Con­tra­tar fun­ci­o­ná­ri­os não é uma ta­re­fa que pos­sa ser con­si­de­ra­da fá­cil, pois as pos­si­bi­li­da­des de in­su­ces­so são inú­me­ras. Por se tra­tar de um pro­ces­so que de­man­da tem­po e mui­to tra­ba­lho, é im­por­tan­te ob­ser­var cer­tos as­pec­tos, pa­ra que to­do es­te in­ves­ti­men­to se­ja re­com­pen­sa­do. Um por­me­nor im­por­tan­te é pro­cu­rar sa­ber quais as ten­dên­ci­as do mer­ca­do de tra­ba­lho, ou se­ja: que per­fil de pro­fis­si­o­nal as mi­cro, pe­que­nas, mé­di­as ou gran­des em­pre­sas têm pro­cu­ra­do.

Bom currículo bas­ta?

Pas­sou-se o tem­po em que um bom currículo representava tu­do nu­ma se­lec­ção de can­di­da­tos. Ho­je é pre­ci­so mui­to mais do que is­so. Os cur­sos ex­tras, ho­je são vis­tos pe­los pro­fis­si­o­nais de RH co­mo atri­bu­tos pra­ti­ca­men­te obri­ga­tó­ri­os. In­clu­em-se aí o co­nhe­ci­men­to de lín­gua es­tran­gei­ra, a ha­bi­li­da­de com al­guns programas de in­for­má­ti­ca e es­pe­ci­a­li­za­ções na sua área de ac­tu­a­ção.

Mas qual é en­tão o di­fe­ren­ci­al?

Po­de di­zer-se que a pos­tu­ra do can­di­da­to é de im­por­tân­cia ca­pi­tal num pro­ces­so se­lec­ti­vo. Além da fa­ci­li­da­de de co­mu­ni­ca­ção, tra­di­ci­o­nal­men­te es­pe­ra­da de qual­quer can­di­da­to, ou­tras ca­rac­te­rís­ti­cas são im­por­tan­tes e po­dem tra­zer bons re­sul­ta­dos pa­ra a em­pre­sa ca­so a con­tra­ta­ção ocor­ra.

Adap­ta­ção a mu­dan­ças.

No mun­do cor­po­ra­ti­vo a mudança é al­go fre­quen­te. Pa­ra es­tar em con­di­ções de com­pe­tir, a em­pre­sa ne­ces­si­ta, cons­tan­te­men­te de fa­zer al­te­ra­ções e me­lho­ri­as, se­ja nos seus ser­vi­ços, pro­du­tos, tec- no­lo­gi­as uti­li­za­das ou mes­mo na sua es­tru­tu­ra in­ter­na.

Por esta ra­zão é im­por­tan­te que o fun­ci­o­ná­rio se adap­te fa­cil­men­te às mu­dan­ças, as­si­mi­lan­do rá­pi­do o que for ne­ces­sá­rio, sem re­flec­tir bai­xas no seu de­sem­pe­nho. Nes­te ca­so, é ne­ces­sá­rio equi­lí­brio emo­ci­o­nal su­fi­ci­en­te pa­ra as­su­mir as ta­re­fas de for­ma sa­tis­fa­tó­ria, mes­mo di­an­te de cer­ta pres­são.

Ainda nes­te as­pec­to, es­pe­ra-se que se an­te­ci­pe aos pro­ble­mas, e tra­ga so­lu­ções. A ini­ci­a­ti­va é fun­da­men­tal pa­ra que is­to ocor­ra, bem co­mo a fa­ci­li­da­de de li­dar com di­fe­ren­tes si­tu­a­ções.

A criatividade tam­bém é ou­tra ca­rac­te­rís­ti­ca em al­ta, jus­ta­men­te em fun­ção da ne­ces­si­da­de de ino­var sem­pre. Cla­re­za de ra­ci­o­cí­nio e ha­bi­li­da­de pa­ra to­mar de­ci­sões são de­se­já­veis.

Com­por­ta­men­to em equi­pa.

A li­de­ran­ça é um tra­ço de­ci­si­vo no per­fil. Não se tra­ta da­que­le fun­ci­o­ná­rio que “man­da al­guém fa­zer”, mas sim que se en­vol­ve em ca­da ta­re­fa, par­ti­ci­pan­do do tra­ba­lho, for­ne­cen­do ori­en­ta­ções, co­or­de­nan­do as ac­ti­vi­da­des e mo­ti­van­do o gru­po.

PAS­SOU-SE O TEM­PO EM QUE UM BOM CURRÍCULO REPRESENTAVA TU­DO NU­MA SE­LEC­ÇÃO DE CAN­DI­DA­TOS

Mo­ti­va­ção?

Tal­vez esta se­ja a pa­la­vra de or­dem. Ne­nhu­ma em­pre­sa gos­ta de ter no seu qua­dro de fun­ci­o­ná­ri­os al­guém des­mo­ti­va­do ou sem qual­quer en­tu­si­as­mo pa­ra apren­der coi­sas no­vas e desempenhar no­vas atri­bui­ções.

É es­pe­ra­do que o no­vo con­tra­ta­do mos­tre ener­gia e mui­to âni­mo, já que esta é a ex­pec­ta­ti­va prin­ci­pal quan­to ao efei­to que no­vos mem­bros pro­por­ci­o­na­rão à equi­pa.

Or­ga­ni­za­ção

Di­an­te de tan­ta pres­são, o fun­ci­o­ná­rio de­ve ter um al­to ní­vel de or­ga­ni­za­ção, pa­ra que pos­sa pri­o­ri­zar as su­as ta­re­fas, de­di­can­do a ca­da uma de­las a aten­ção e o tem­po ne­ces­sá­ri­os.

Um fac­to fre­quen­te e mui­to pre­ju­di­ci­al, nu­ma em­pre­sa, a con­tra­ta­ção de fun­ci­o­ná­ri­os que con­cen­trem vá­ri­as ac­ti­vi­da­des nas su­as mãos, di­fi­cul­tan­do o en­vol­vi­men­to de ter­cei­ros nes­te pro­ces­so. O per­fil de al­guém que “se­gu­ra” as in­for­ma­ções, com o ob­jec­ti­vo de se sen­tir ne­ces­sá­rio em re­la­ção à equi­pa e à em­pre­sa, tal­vez por me­do de per­der o seu car­go, é ex­tre­ma­men­te pre­ju­di­ci­al.

Tu­do is­so, atre­la­do à le­al­da­de à em­pre­sa (o fa­mo­so “ves­tir a ca­mi­sa”) e aos co­le­gas de tra­ba­lho, e à cons­ci­ên­cia da im­por­tân­cia dos seus ac­tos, tra­ça o per­fil do pro­fis­si­o­nal ac­tu­al­men­te pro­cu­ra­do pe­las em­pre­sas.

É ver­da­de que se tor­na, mui­tas ve­zes, di­fí­cil en­con­trar al­guém com tan­tos atri­bu­tos. Po­rém, ca­be à ca­da em­pre­sa pon­de­rar so­bre quais os as­pec­tos mais re­le­van­tes pa­ra a sua con­tra­ta­ção, e co­lo­cá-la em prá­ti­ca da me­lhor for­ma pos­sí­vel, no ob­jec­ti­vo de en­con­trar o seu can­di­da­to ide­al.

DR

Na ho­ra de con­tra­tar é im­por­tan­te ga­ran­tir que o pro­fis­si­o­nal aten­de­rá as ex­pec­ta­ti­vas cri­a­das pe­la or­ga­ni­za­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.