Pri­va­ti­zar em­pre­sas é ad­mi­tir que Isep e mi­nis­té­ri­os têm si­do in­ca­pa­zes

Jornal de Economia & Financas - - Primeira Página - AN­TÓ­NIO ESTOTE

“Fo­ram da­dos os pas­sos ne­ces­sá­ri­os na de­fi­ni­ção das es­tra­té­gi­as”

No mo­men­to em que o Es­ta­do de An­go­la se pre­pa­ra pa­ra pri­va­ti­zar as em­pre­sas do sec­tor pú­bli­co (con­for­me Des­pa­cho Pre­si­den­ci­al n.º 19/18 de20 de Fe­ve­rei­ro), uma coi­sa é cer­ta: de­ve­rá ser ques­ti­o­na­da vi­go­ro­sa­men­te, a jus­ti­fi­ca­ti­va de que o pro­ces­so de pri­va­ti­za­ção vi­sa a ma­xi­mi­za­ção das re­cei­tas pa­ra o Es­ta­do e o re­di­men­si­o­na­men­to do sec­tor em­pre­sa­ri­al pú­bli­co.

Es­ta­mos lem­bra­dos, que igual­men­te em 2016 e 2017 foi o mes­mo ar­gu­men­to foi uti­li­za­do­pa­ra a pri­va­ti­za­ção to­tal da Upoh­ka (Ex-Co­to­nang, SARL) a fa­vor da Ma­lan­tra­de e a pri­va­ti­za­ção de 51 por cen­to da par­ti­ci­pa­ção so­ci­al do Es­ta­do an­go­la­no na Ko­ra An­go­la, privatizações to­tais das fa­zen­das Lu­tau, Ca­can­da, Agri­cul­ti­va, Agro­pe­cuá­ria de Sa­cas­san­ge, Com­ple­xo Aví­co­la do Lu­ca­la Ca­cu­so, a pri­va­ti­za­ção de 100 por cen­to da An­go­mé­di­ca - UEE a fa­vor do Gru­po SUNINVEST. En­tre­tan­to, es­tes em­pre­en­di­men­tos não se re­ve­la­mac­tu­al­men­te­mais efi­ci­en­tes, pro­du­ti­vos,com­pe­ti­ti­vos, nem há evi­dên­ci­as, de que os mes­mos pa­ga­ram a to­ta­li­da­de dos va­lo­res de­vi­dos ao Es­ta­do. Pri­va­ti­za­ção das em­pre­sas Ele­ger a pri­va­ti­za­ção co­mo prin­ci­pal so­lu­ção pa­ra o re­di­men­si­o­na­men­to do sec­tor em­pre­sa­ri­al pú­bli­co, pri­mei­ro, é ad­mi­tir in­di­rec­ta­men­te que o Es­ta­do atra­vés do Ins­ti­tu­to pa­ra o Sec­tor Em­pre­sa­ri­al Pú­bli­co (ISEP) e os or­ga­nis­mos mi­nis­te­ri­ais não têm si­do ca­pa­zes de ori­en­tar e su­per­vi­si­o­nar as Em­pre­sas Pú­bli­cas. Se­gun­do, es­tá-se a des­res­pon­sa­bi­li­zar a ges­tão das em­pre­sas a se­rem pri­va­ti­za­das. Ter­cei­ro e último, as em­pre­sas fo­ra do âm­bi­to das privatizações po­de­rão man­ter o Mo­dus ope­ran­di ac­tu­al.

An­tes de con­ti­nu­ar, é im­por­tan­te fri­sar que não se es­tá con­tra a pri­va­ti­za­ção das Em­pre­sas Pú­bli­cas, pelo con­trá­rio, acre­di­ta­mos que o pro­ces­so de pri­va­ti­za­ção de­ve­rá ser uma so­lu­ção re­sul­tan­te da aná­li­se es­tra­té­gi­ca de ca­da em­pre­sa, com­bi­na­das com um con­jun­to de me­di­das com­ple­men­ta­res. Di­to de ou­tra for­ma, pa­ra qual­quer ava­li­a­ção se­ria so­bre o re­di­men­si­o­na­men­to do sec­tor em­pre­sa­ri­al pú­bli­co, o mais im­por­tan­te é sa­ber: Que es­tra­té­gi­as o Es­ta­do tem de­fi­ni­do pa­ra o Sec­tor Em­pre­sa­ri­al Pú­bli­co de mo­do a ma­xi­mi­zar as re­cei­tas de mé­dio e lon­go pra­zo; E quais são os me­ca­nis­mos de con­tro­lo pa­ra sua im­ple­men­ta­ção? Es­tra­té­gi­as cen­trais e sec­to­ri­ais Do pon­to de vis­ta de es­tra­té­gia, a ní­vel cen­tral fo­ram da­dos os pas­sos ne­ces­sá­ri­os na de­fi­ni­ção das es­tra­té­gi­as ge­rais e sec­to­ri­as, no­me­a­da­men­te, após a sua to­ma­da de pos­se no dia 26 de Se­tem­bro, o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca no­me­ou os Mi­nis­tros no dia 28 de Se­tem­bro, os Se­cre­tá­ri­os de Es­ta­do no dia 13 de Outubro e, por con­se­guin­te, três me­ses de­pois, no­me­ou os Con­se­lhos de Ad­mi­nis­tra­ção das em­pre­sas pú­bli­cas em De­zem­bro de 2017. Ac­to con­tí­nuo, apro­vou-se os ins­tru­men­tos de pro­gra­ma­ção ma­cro­e­co­nó­mi­ca,con­tin­gen­ci­al, o Pla­no de Es­ta­bi­li­za­ção Ma­cro­e­co­nó­mi­ca 2017-2018 no dia 27 de De­zem­bro de 2017. E es­tru­tu­ran­tes, Pro­gra­ma de apoio à pro­du­ção, di­ver­si­fi­ca­ção das ex­por­ta­ções e subs­ti­tui­ção de im­por­ta­ções em Ja­nei­ro de 2018,Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do 2018 em Fe­ve­rei­ro e, em Abril de 2018, o Pla­no Na­ci­o­nal de De­sen­vol­vi­men­to 2018-2022.

To­da­via, após 30 di­as da apro­va­ção do PND-2018-2022 e seis me­ses das res­pec­ti­vas no­me­a­ções, os con­se­lhos de ad­mi­nis­tra­ção das em­pre­sas pú­bli­cas,sal­vo opi­nião con­trá­ria, ainda não sub­me­te­ram os Pla­nos Es­tra­té­gi­cos e de Ne­gó­ci­os pa­ra apro­va­ção do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, con­for­me pre­vis­to no Ar­ti­go nº 22 da Lei nº 11/13 de 3 de Se­tem­bro - Lei de Ba­ses pa­ra o Sec­tor Em­pre­sa­ri­al Pú­bli­co.

A ver va­mos qu­an­do o ti­tu­lar do Po­der Exe­cu­ti­vo, ou quem es­te de­le­gar, te­rá de es­pe­rar pa­ra re­cep­ci­o­nar e apro­var os Pla­nos Es­tra­té­gi­cos, bem co­mo, os Pla­nos de Ne­gó­ci­os das em­pre­sas de in­te­res­se es­tra­té­gi­co.

Cer­ta­men­te, o gran­de cal­ca­nhar de Aqui­les do Sec­tor Em­pre­sa­ri­al Pú­bli­co con­sis­te na ca­pa­ci­da­de do ISEP e das tu­te­las mi­nis­te­ri­ais em trans­for­mar os ob­jec­ti­vos es­tra­té­gi­cos do Go­ver­no em ac­ções con­cre­tas pa­ra as Em­pre­sas Pú­bli­cas, pelo que a pri­va­ti­za­ção não re­sol­ve­rá es­te pro­ble­ma.

Do pon­to de vis­ta dos me­ca­nis­mos de con­tro­lo, por um la­do, au­sên­cia de um Pla­no Es­tra­té­gi­co sig­ni­fi­ca au­sên­cia de ele­men­tos­pa­ra mo­ni­to­ri­za­ção dos ob­jec­ti­vos em­pre­sa­ri­ais, e co­mo quem diz, - “quem não sa­be o que quer qual­quer coi­sa ser­ve”. Ges­tão hadhock Por outro la­do, sal­vo opi­nião con­trá­ria, as Em­pre­sas Pú­bli­cas têm ao lon­go dos anos adop­ta­do um mo­de­lo de ges­tão hadhock/ con­tin­gen­ci­al, de­vi­do a au­sên­cia da ce­le­bra­ção dos con­trac­tos-pro­gra­ma en­tre o ISEP e as Tu­te­las Mi­nis­te­ri­ais­com as Em­pre­sas Pú­bli­cas,con­for­me pre­vis­to no Ar­ti­go nº 28 da lei nº 11/13 que pre­vê es­te ins­tru­men­to que per­mi­te o ali­nha­men­to das ac­ções das Em­pre­sas Pú­bli­cas com os ob­jec­ti­vos eco­nó­mi­cos e so­ci­ais do Es­ta­do.

In­ques­ti­o­na­vel­men­te, o es­ta­do ac­tu­al do Sec­tor Em­pre­sa­ri­al Pú­bli­co é re­fle­xo da au­sên­cia de mo­ni­to­ri­za­ção do de­sem­pe­nho das Em­pre­sas Pú­bli­cas, atra­vés do acom­pa­nha­men­to dos re­sul­ta­dos por com­pa­ra­ção com os ob­jec­ti­vos, não se apu­rou em tem­po opor­tu­no os res­pec­ti­vos des­vi­os, nem se adop­ta­ram as me­di­das cor­rec­ti­vas ne­ces­sá­ri­as de for­ma a al­can­çar os ob­jec­ti­vos, so­bre­tu­do do PND-2013-2017.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.