Ser­vi­ços e ban­ca de­vem pa­gar im­pos­to in­dus­tri­al de 35%

Jornal de Economia & Financas - - Primeira Página - JO­SÉ SEVERINO

O Im­pos­to so­bre o Va­lor Acres­cen­ta­do (IVA) é a so­lu­ção, mas não há con­di­ções pa­ra a sua apli­ca­ção ime­di­a­ta, mas sim o ano de 2018 a ser o de pre­pa­ra­ção pa­ra a sua in­tro­du­ção com su­ces­so em Ja­nei­ro de 2019, se­gun­do afir­mou Jo­sé Severino.

O pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção In­dus­tri­al de An­go­la (AIA) diz ainda que pa­ra au­men­to da ofer­ta in­ter­na tam­bém re­du­zir a ta­xa do Im­pos­to In­dus­tri­al pa­ra 25% pa­ra a Eco­no­mia Real e co­mo ne­go­ci­a­do em 2012 re­gres­so a ta­xa de 35 por cen­to pa­ra os ser­vi­ços, in­cluin­do os fi­nan­cei­ros que pa­ra­do­xal­men­te con­ti­nu­am a au­men­tar des­pro­por­ci­o­nal­men­te os seus lu­cros, en­quan­to a eco­no­mia real de­fi­nha ou mor­re.

“Com is­so tam­bém me­nos re­cei­tas fis­cais pa­ra co­brir des­pe­sas do Es­ta­do e ago­ra a re­sul­tar em mul­tas “des­pu­do­ra­das” so­bre os seus ac­to­res por for­ça de uma le­gis­la­ção sem­pre re­pro­va­da. Tao re­pro­va­da foi que le­vou a eli­mi­na­ção de um en­tão Con­se­lho Con­sul­ti­vo Tri­bu­tá­rio. Er­ro mui­to gra­ve co­me­ti­do em 2014 e as­sim ago­ra re­pos­to a pe­di­do da AIA. Aguar­da-se a 1ª reu­nião”, ex­pli­ca.

Jo­sé Severino lem­bra que o Im­pos­to de Con­su­mo nun­ca se de­via apli­car so­bre bens in­ter­mé­di­os (ma­té­ri­as pri­mas, em­ba­la­gens, ró­tu­los, cáp­su­las) e so­bre di­ver­sos ser­vi­ços num produto fi­nal nu­ma acu­mu­la­ção que po­de che­gar a cer­ca de 1000% ou mais com o im­pos­to fi­nal. Per­de-se pa­ra a im­por­ta­ção que pa­ga uma só uma vez e mes­mo que com o agra­vo das ta­xas adu­a­nei­ras con­ti­nu­am a ser mais com­pe­ti­ti­vos que os na­ci­o­nais que ainda têm so­bre eles os pe­sos de ju­ros tru­ci­da­do­res, ener­gia al­ter­na­ti­va de ener­gia sem sub­sí­di­o­se água, baixa pro­du­ti­vi­da­de la­bo­ral, más es­tra­das e ou­tros “ve­ne­nos!

Jo­sé Severino acre­di­ta que o au­men­to mais rá­pi­do da­pro­du­ção in­ter­na, atra­vés de um me­lhor e mais ac­ti­vo re­la­ci­o­na­men­to en­tre a gran­de dis­tri­bui­ção e o sec­tor pro­du­ti­vo, em es­pe­ci­al com a agri­cul­tu­ra e a in­dús­tria, no fo­men­to des­tas e em subs­ti­tui­ção de im­por­ta­ções, são bo­as alternativas pa­ra os pro­ble­mas, es­sen­co­al­men­te do au­men­to da re­cei­ta em mo­e­da ex­ter­na.

Nes­se que­si­to, diz ca­ber ao Mi­nis­té­rio do Co­mér­cio exer­cer es­sa fun­ção, no prin­cí­pio de que se im­por­ta bens de con­su­mo e uti­li­da­des e is­so é mui­to bom pa­ra a em­pre­sa e seus ac­ci­o­nis­tas, en­tão não po­dem vi­ver a olhar pa­ra li­cen­ci­a­men­tos e por­tos. Pa­ra ele, in­fe­liz­men­te o Mi­nis­té­rio tar­da a as­su­mir-se co­mo fac­tor di­na­mi­za­dor da pro­du­ção in­ter­na e tu­do con­ti­nua co­mo no tem­po das va­cas gor­das (do­en­ça da Ho­lan­da) se bem que con­di­ci­o­na­da a aper­tos por ca­rên­ci­as cam­bi­ais.

Con­for­me diz, sal­vo al­guns pou­cos bons exem­plos na gran­de dis­tri­bui­ção, a mai­o­ria con­ti­nua co­mo dan­tes e na­da faz pa­ra fo­men­tar a pro­du­ção lo­cal. Pi­or ainda por que mui­ta da re­de per­ten­ce a ci­da­dãos não na­ci­o­nais que vi­ram nes­te seg­men­to uma for­ma de ca­pi­ta­li­za­ção rá­pi­da pa­ra irem do­mi­nan­do a eco­no­mia na­ci­o­nal. O es­pe­ci­a­lis­ta em Im­pos­to so­bre o Va­lor Acres­cen­ta­do (IVA), da con­sul­to­ra Ernst Young, Car­los Lobo, dis­se que An­go­la é dos pou­cos paí­ses da SADC, que ainda não ade­riu a es­te sis­te­ma, mas acre­di­ta que tem ca­pa­ci­da­de pa­ra in­tro­du­zir es­te im­pos­to, ten­do em con­si­de­ra­ção as ex­pe­ri­ên­ci­as si­mi­la­res e a ne­ces­si­da­de que exis­te a ní­vel do or­de­na­men­to da ba­se tri­bu­tá­ria em An­go­la.

Pa­ra ele, só se po­de ter ins­ti­tui­ções pú­bli­cas se os con­tri­buin­tes pa­ga­rem os seus im­pos­tos, por­que pelo con­trá­rio, não exis­te pos­si­bi­li­da­de de des­pe­sas, e não exis­te ac­tu­a­ção a ní­vel da ac­ção pú­bli­ca. O IVA é da­que­les im­pos­tos que tem a mai­or ca­pa­ci­da­de de ar­re­ca­da­ção e que o faz com me­nos des­trui­ção pos­sí­vel. Por is­so, acho ser uma obrigação fun­ci­o­nal a in­tro­du­ção do IVA a ní­vel do sis­te­ma an­go­la­no.

Car­los Lobo diz ainda que o IVA é um ins­tru­men­to que, nes­te mo­men­to, en­con­tra-se em vi­gor em cer­ca de 130 paí­ses em to­do o mun­do. Con­for­me diz, em ne­nhum des­tes paí­ses, an­tes da im­ple­men­ta­ção, sen­ti­am-se pre­pa­ra­dos pa­ra tal, ou se­ja, a in­se­gu­ran­ça, a des­con­fi­an­ça, a in­cer­te­za que, nor­mal­men­te, se sen­te na in­tro­du­ção de um no­vo im­pos­to, foi de um as­pec­to ge­ral em to­dos os paí­ses, no­me­a­da­men­te em Por­tu­gal, que in­tro­du­ziu es­te im­pos­to em 1986. Por is­so, es­te sen­ti­men­to de in­se­gu­ran­ça é nor­mal.

Da­dos in­di­cam que exis­tem uma sé­rie de fac­tos, nes­tes 130 paí­ses que im­ple­men­ta­ram o IVA, a par­tir do mo­men­to em que foi im­ple­men­ta­do ne­nhum outro re­cu­ou, na prá­ti­ca tem se de­sen­vol­vi­do de uma for­ma co­e­ren­te, efi­ci­en­te, jus­ta e é vis­ta a ní­vel mun­di­al co­mo uma boa pra­ti­ca fis­cal a ní­vel da efi­ci­ên­cia e de jus­ti­ça ao ní­vel tri­bu­tá­rio.

“Por is­so, acho que de­ve­mos dar hi­pó­te­se na in­tro­du­ção des­te im­pos­to que tor­na­rá even­tu­al­men­te An­go­la na li­ga dos cam­peões a ní­vel das es­tru­tu­ras dos sis­te­mas fis­cais”,afir­mou.

As ques­tões que se co­lo­cam co­mo das in­fra-es­tru­tu­ras tec­no­ló­gi­cas, a in­ter­li­ga­ção in­for­má­ti­ca eram mui­to mais re­le­van­tes no sé­cu­lo pas­sa­do do que ho­je, a adop­ção tar­dia des­te ti­po fis­cal per­mi­te a im­por­ta­ção de de­ter­mi­na­das fun­ções que exis­tem nos res­tan­tes paí­ses.

“Ho­je em dia exis­te um car­dá­pio de di­ver­sas so­lu­ções que po­dem ser im­ple­men­ta­das e que po­dem fa­ci­li­tar, que as au­to­ri­da­des an­go­la­nas apli­quem es­te im­pos­to. Ob­vi­a­men­te é um tra­ba­lho ár­duo, não é fá­cil é exi­gen­te mas cu­jo os re­sul­ta­dos pu­de­ram ser po­si­ti­vos, por­que a apli­ca­ção des­te im­pos­to per­mi­te uma mai­or jus­ti­ça a ní­vel fis­cal por­que na pra­ti­ca pro­ce­de um alar­ga­men­to da ba­se tri­bu­ta­ria e no fi­nal te­o­ri­ca­men­te uma re­du­ção das ta­xas de tri­bu­ta­ção, esta é uma das prin­ci­pais vir­tu­des des­te sis­te­ma de im­pos­to”, dis­se.

Ago­ra é uma ver­da­de que a tra­ba­lho a fa­zer, no que to­ca os con­tri­buin­tes que têm que se adap­tar, exis­te tam­bém um tra­ba­lho da Ad­mi­nis­tra­ção Tri­bu­tá­ria que tem que se pre­pa­rar pa­ra esta nova re­a­li­da­de. É por esta ra­zão que es­ta­mos aqui ho­je a con­tri­buir.

PA­RA AU­MEN­TO DA OFER­TA IN­TER­NA, DE­VE-SE RE­DU­ZIR A TA­XA DO IM­POS­TO IN­DUS­TRI­AL À ECO­NO­MIA REAL EM 25 POR CEN­TO ACHO SER UMA OBRIGAÇÃO FUN­CI­O­NAL A IN­TRO­DU­ÇÃO DO IVA A NÍ­VEL DO SIS­TE­MA AN­GO­LA­NO

JO­SÉ SEVERINO Pre­si­den­te da AIA

CAR­LOS LOBO Es­pe­ci­a­lis­ta em IVA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.