“A cri­a­ção do consórcio aba­lou a con­fi­an­ça dos ci­da­dãos”

Jornal de Economia & Financas - - Primeira Página - MIGUEL ÂNGELO

As ra­zões do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, eu des­co­nhe­ço, mas sei que a cri­a­ção do consórcio aba­lou a con­fi­an­ça dos ci­da­dãos nes­te Exe­cu­ti­vo”, su­gun­do o ju­ris­ta Miguel Ângelo Vi­ei­ra ao JE. Daí que, dis­se, mui­tos an­go­la­nos que enal­te­ce­ram a extinção de ne­gó­ci­os mo­no­po­lis­tas en­tão exis­ten­tes, tam­bém me­lan­co­li­za­ram-se com a cri­a­ção des­te mo­no­pó­lio, “ti­do co­mo da con­ve­ni­ên­cia do Pre­si­den­te João Lou­ren­ço”. A não acei­ta­ção do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca mos­tra que o PR vai fa­zer jus às pro­mes­sas elei­to­rais? Uma das pro­mes­sas elei­to­rais do MPLA, é o de re­for­mar a ac­ti­vi­da­de eco­nó­mi­ca,sendo in­com­pa­tí­veis re­for­mas sem trans­pa­rên­cia. Nu­ma en­tre­vis­ta ao vos­so jornal o ano pas­sa­do cri­ti­quei os mo­no­pó­li­os em An­go­la, ci­tan­do mes­mo que são de con­cep­ção es­ta­tal. O mês pas­sa­do te­ci con­si­de­ra­ções po­si­ti­vas so­bre a ne­ces­si­da­de de com­pra de aviões de mé­dio por­te (en­tre 60 e 100 lu­ga­res) pa­ra aten­der o serviço re­gu­lar de pas­sa­gei­ros no nos­so país. Nes­te seg­men­to, o mer­ca­do é ex­tre­ma­men­te com­pe­ti­ti­vo fru­to das ali­an­ças es­tra­té­gi­cas que de­ri­va­ram nu­ma con­cor­rên­cia con­cen­tra­da en­tre as com­pa­nhi­as, ca­na­di­a­na Bom­bar­di­er e a eu­ro­peia Air­bus, bem co­mo en­tre a ame­ri­ca­na Bo­eing e a bra­si­lei­ra Em­bra­er, se­gui­das da chi­ne­sa AVIC. Co­mo foi fei­ta a es­co­lha da ca­na­di­a­na não sei, mas, ten­do em con­ta as con­di­ções pu­bli­ci­ta­das vol­to a di­zer que não é um mau ne­gó­cio. Acre­di­ta já que o fim dos mo­no­pó­li­os é um fac­to? Se acha que sim, jus­ti­fi­que? Quais mo­no­pó­li­os? De­pen­de, sou prag­má­ti­co, is­to de mo­no­pó­lio na­tu­ral é mi­to­ló­gi­co, não há na­da da na­tu­re­za ou de sua per­ten­ça ou qual­quer co­ne­xão en­tre o exer­cí­cio iso­la­do de uma ac­ti­vi­da­de eco­nó­mi­ca ou a do­mi­na­ção de um seg­men­to de mer­ca­do com a na­tu­re­za. Sal­vo ra­ras ex­cep­ções, os mo­no­pó­li­os são de cri­a­ção es­ta­tal, com gé­ne­se na ida­de mé­dia nas Ci­da­des-Es­ta­do da Eu­ro­pa e apri­mo­rou-se com os Es­ta­dos in­ter­ven­ci­o­nis­ta-eu­ro­peus do sé­cu­lo XX, pa­ra jus­ti­fi­car as su­as escolhas no aces­so a de­ter­mi­na­das ac­ti­vi­da­des eco­nó­mi­cas. Pa­ra­fra­se­an­do, a ma­nu­ten­ção ou a extinção dos mo­no­pó­li­os é uma ques­tão de po­lí­ti­cas pú­bli­cas e, ho­nes­ta­men­te, te­nho di­fi­cul­da­des em iden­ti­fi­car o nos­so mo­de­lo de ad­mi­nis­tra­ção eco­nó­mi­ca. Vi­ven­ciá­mos inú­me­ras vi­o­la­ções à lei e ao in­te­res­se pú­bli­co, se­ja no aces­so co­mo no exer­cí­cio das ac­ti­vi­da­des eco­nó­mi­cas. Te­mos sec­to­res em que o Es­ta­do é o ope­ra­dor ori­gi­ná­rio e a em­pre­sa pú­bli­ca tor­nou-se re­si­du­al. Na prá­ti­ca, a par­tir daí fi­ca di­fí­cil prog­nos­ti­car, se­ja o que for, é um apren­di­za­do com­ple­xo. Por­tan­to, o Es­ta­do po­de con­ti­nu­ar a de­ter o mo­no­pó­lio da pro­pri­e­da­de de de­ter­mi­na­dos bens e ser­vi­ços, mas a con­ces­são pa­ra ter­cei­ros do exer­cí­cio des­sas ac­ti­vi­da­des ou ex­plo­ra­ção des­ses bens, se­ja ide­a­li­za­do, fis­ca­li­za­do e san­ci­o­na­do de for­ma téc­ni­ca, pa­ra que, a pos­te­ri­o­ri, não pos­sa ad­vir às ne­ces­sá­ri­as res­pon­sa­bi­li­da­des, se­jam elas, po­lí­ti­cas, dis­ci­pli­na­res, cí­veis e/ou cri­mi­nais por fal­ta de trans­pa­rên­cia. Elen­que pelo me­nos 5 ra­zões que le­va­ram ao não do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca? As ra­zões do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, eu des­co­nhe­ço, mas sei que a cri­a­ção do consórcio aba­lou a con­fi­an­ça dos ci­da­dãos nes­te Exe­cu­ti­vo, olha­ram e vi­ram mais do mes­mo, daí que mui­tos an­go­la­nos que enal­te­ce­ram a extinção de ne­gó­ci­os mo­no­po­lis­tas en­tão exis­ten­tes, tam­bém me­lan­co­li­za­ram-se com a cri­a­ção des­te mo­no­pó­lio, ti­do ini­ci­al­men­te co­mo da con­ve­ni­ên­cia do Pre­si­den­te João Lou­ren­ço. O tem­po que le­vou, as ex­pec­ta­ti­vas que de­pois aca­bou por tra­zer. Na sua opi­nião o que mo­ti­vou o PR a pro­nun­ci­ar-se tar­di­a­men­te do as­sun­to e por via de um ca­nal es­tran­gei­ro? Ape­sar da na­tu­re­za unipessoal do nos­so Exe­cu­ti­vo, não ima­gi­no o que po­de ter acon­te­ci­do. Sendo trans­lú­ci­do, ro­go que me­lho­rem os me­ca­nis­mos de co­or­de­na­ção da co­mu­ni­ca­ção ins­ti­tu­ci­o­nal por­que, in­fe­liz­men­te, são “ina­bi­tu­ais” e olha que es­tou a usar um eu­fe­mis­mo, o ex­ces­so de for­ma­lis­mo na nos­sa ad­mi­nis­tra­ção é dan­tes­co, mes­mo en­tre co­la­bo­ra­do­res di­rec­tos, a tí­tu­lo de exem­plo, as re­la­ções en­tre os rei­to­res e os seus co­la­bo­ra­do­res mais di­rec­tos, os vi­ce-rei­to­res das uni­ver­si­da­des pú­bli­cas; en­tre os mi­nis­tros e os se­cre­tá­ri­os de Es­ta­do; mui­tas têm ca­riz su­pra- ins­ti­tu­ci­o­nal, con­jec­tu­ro a com­ple­xi­dão no tra­ta­men­to de de­ter­mi­na­dos dos­si­ers en­tre o Ga­bi­ne­te do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, os Mi­nis­tros de Es­ta­do da Ca­sa Ci­vil e do De­sen­vol­vi­men­to Eco­nó­mi­co e So­ci­al, os di­fe­ren­tes Se­cre­tá­ri­os jun­to da Ca­sa Ci­vil e os Ti­tu­la­res dos di­ver­sos de­par­ta­men­tos mi­nis­te­ri­ais. Nou­tros tem­pos já se re­ce­beu in­for­ma­ções as­si­mé­tri­cas pro­vin­das dos mi­nis­tros da Ca­sa Ci­vil e dos se­cre­tá­ri­os/ as­ses­so­res do Pre­si­den­te so­bre a mes­ma te­má­ti­ca. Pes­so­al­men­te, a fim de se evi­tar as­si­me­tri­as de in­for­ma­ções, sou a fa­vor que a co­or­de­na­ção da co­mu­ni­ca­ção ins­ti­tu­ci­o­nal dos Ser­vi­ços Es­sen­ci­ais do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca com os di­fe­ren­tes ór­gãos in­tra­es­ta­du­ais se­ja as­se­gu­ra­da pe­los mi­nis­tros de Es­ta­do em fun­ção da te­má­ti­ca, após o de­vi­do tra­ta­men­to em fun­ção da es­pe­ci­a­li­da­de.

APE­SAR DA NA­TU­RE­ZA UNIPESSOAL DO NOS­SO EXE­CU­TI­VO, NÃO IMA­GI­NO O QUE PO­DE TER ACON­TE­CI­DO

CONTREIRAS PIPA | EDIÇÕES NO­VEM­BRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.