A lei que tra­va a ten­dên­cia pa­ra o “olho gran­de”

Jornal de Economia & Financas - - Destaque -

A Lei da con­cor­rên­cia, re­cen­te­men­te apro­va­da, es­ta­be­le­ce, no seu con­teú­do, que são proi­bi­dos os acor­dos en­tre em­pre­sas, as con­cer­ta­ções en­tre em­pre­sas e as de­ci­sões de as­so­ci­a­ções de em­pre­sas que te­nham por ob­jec­to ou co­mo efei­to, fal­se­ar ou res­trin­gir, de for­ma sen­sí­vel, a con­cor­rên­cia no to­do ou em parte, do mer­ca­do e elen­ca aque­les acor­dos em que se adop­te uma con­du­ta co­mer­ci­al uni­for­me ou con­cer­ta­da;

Fun­da­men­ta a lei que a im­ple­men­ta­ção de re­gras e prin­cí­pi­os re­la­ti­vos à sal­va­guar­da da sã con­cor­rên­cia, en­tre os agen­tes eco­nó­mi­cos no mer­ca­do, pre­fi­gu­ra-se co­mo uma con­di­ção in­dis­pen­sá­vel pa­ra a me­lho­ria do am­bi­en­te de ne­gó­ci­os.

Des­ta fei­ta, a sua pro­pos­ta foi ti­da co­mo uma me­di­da fun­ci­o­nal­men­te ap­ta pa­ra con­cre­ti­zar o prin­cí­pio cons­ti­tu­ci­o­nal da sal­va­guar­da da livre con­cor­rên­cia. E se­gun­do o di­plo­ma, os ob­jec­ti­vos a atin­gir com a lei pren­dem-se com a ga­ran­tia do res­pei­to pe­las re­gras da con­cor­rên­cia que é as­se­gu­ra­da por uma Au­to­ri­da­de Re­gu­la­do­ra da Con­cor­rên­cia, su­pe­rin­ten­di­da, nos ter­mos da Cons­ti­tui­ção, pelo Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, en­quan­to ti­tu­lar do po­der exe­cu­ti­vo.

Res­tri­ção

A lei con­si­de­ra abu­so de po­si­ção do­mi­nan­te no mer­ca­do, adop­ção de qual­quer com­por­ta­men­to que re­sul­te em acor­do com a fi­na­li­da­de de res­trin­gir a con­cor­rên­cia, rom­per, to­tal ou par­ci­al­men­te, uma re­la­ção co­mer­ci­al de for­ma in­jus­ti­fi­ca­da, en­tre ou­tras, obri­gar ou in­du­zir um for­ne­ce­dor, ou con­su­mi­dor, a não es­ta­be­le­cer re­la­ções co­mer­ci­ais com um con­cor­ren­te.

En­tre os acor­dos verticais, a lei diz que são proi­bi­dos aque­le es­ta­be­le­ci­dos en­tre em­pre­sas ou ou­tros su­jei­tos, que se en­con­trem nu­ma re­la­ção ver­ti­cal que te­nham por ob­jec­to ou co­mo efei­to, fal­se­ar ou res­trin­gir a con­cor­rên­cia no to­do ou em parte.

Su­ge­re ainda a proi­bi­ção de, for­ma sis­te­má­ti­ca ou oca­si­o­nal, con­di­ções dis­cri­mi­na­tó­ri­as de pre­ços ou ou­tras re­la­ti­vas a si­tu­a­ções equi­va­len­tes;

Re­cu­sar, di­rec­ta ou in­di­rec­ta­men­te, a com­pra ou ven­da de bens e a pres­ta­ção de ser­vi­ços, bem co­mo su­bor­di­nar a ce­le­bra­ção de con­tra­tos à acei­ta­ção de obri­ga­ções su­ple­men­ta­res que, pe­la sua na­tu­re­za ou se­gun­do os usos co­mer­ci­ais, não te­nham li­ga­ção com o ob­jec­to des­ses con­tra­tos.

DR

O mar­te­lo ser­ve pa­ra co­lo­car or­dem e é a fun­ção que se es­pe­ra des­ta lei

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.