Fun­dos de pen­sões

Jornal de Economia & Financas - - Opinião - Pau­lo Ca­lun­ga Broc­ker de Se­gu­ros

Os Fun­dos de pen­sões são pa­tri­mó­ni­os ex­clu­si­va­men­te afec­tos à re­a­li­za­ção de um ou mais pla­nos de pen­sões a tí­tu­lo de pré-re­for­ma an­te­ci­pa­da, por ve­lhi­ce, por in­va­li­dez e a so­bre­vi­vên­cia, po­den­do com­ple­men­tar­men­te pre­ver a atri­bui­ção de sub­sí­di­os por mor­te, não exis­tem ju­ro mí­ni­mo ga­ran­ti­do, nem par­ti­ci­pa­ção nos re­sul­ta­dos, re­ver­ten­do a ren­ta­bi­li­da­de ob­ti­da pa­ra o fun­do na sua to­ta­li­da­de.

A cons­ti­tui­ção de um Fun­do de Pen­sões, tan­to na ver­ten­te em­pre­sa­ri­al, tan­to na in­di­vi­du­al, exi­ge a pu­bli­ca­ção dos con­tra­tos cons­ti­tu­ti­vos dos Fun­dos de Pen­sões fe­cha­dos ou dos re­gu­la­men­tos de ges­tão dos Fun­dos de Pen­sões Aber­tos, no Diá­rio da Re­pú­bli­ca ou em ou­tro meio de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al de gran­de di­vul­ga­ção, sen­do sem­pre tam­bém efec­tu­a­do no sí­tio na in­ter­net da ARSERG, os Fun­dos de Pen­sões são cons­ti­tuí­dos por um con­jun­to de va­lo­res mo­bi­liá­ri­os e imo­bi­liá­rio re­sul­tan­te da apli­ca­ção das con­tri­bui­ções dos seus mem­bros.

O re­gi­me ju­rí­di­co dos Fun­dos de Pen­sões en­con­tra-se no De­cre­to-Lei nº25/98, de 7 de Agos­to, que re­gu­la a res­pec­ti­va cons­ti­tui­ção e fun­ci­o­na­men­to, bem co­mo das en­ti­da­des gestoras de Fun­dos de Pen­sões.

As So­ci­e­da­des Gestoras de Fun­dos de Pen­sões de­vem cons­ti­tuir-se sob a for­ma de so­ci­e­da­des anó­ni­mas, com se­de so­ci­al em An­go­la, de­ten­do um ca­pi­tal mí­ni­mo de Usd 1.250.000, e ten­do por ob­jec­to ex­clu­si­vo a ges­tão de Fun­dos de Pen­sões.

A cons­ti­tui­ção de So­ci­e­da­des Ges­to­ra de Fun­do de Pen­sões de­pen­de de au­to­ri­za­ção a con­ce­der pe­la ARSEG, em ter­mo em tu­do se­me­lhan­tes à au­to­ri­za­ção pa­ra cons­ti­tui­ção de qual­quer se­gu­ra­dor. A ARSEG com­pe­te a su­per­vi­são dos Fun­dos de Pen­sões e das So­ci­e­da­des Gestoras de Fun­do de Pen­sões, à se­me­lhan­ça do que su­ce­de com os se­gu­ra­do­res.

Os Fun­dos de Pen­sões têm du­ra­ção ili­mi­ta­da, pois a exis­tên­cia da en­ti­da­de não de­ter­mi­na ne­ces­sa­ri­a­men­te a ex­tin­ção do fun­do, ela não se po­de dis­sol­ver sem pri­mei­ro ter ga­ran­ti­do a con­ti­nui­da­de de ges­tão do fun­do por ou­tra en­ti­da­de con­ve­ni­en­te­men­te ha­bi­li­ta­da, nor­mal­men­te os be­ne­fí­ci­os ga­ran­ti­dos por qual­quer Fun­do de Pen­sões as­su­mem a for­ma de ren­das vi­ta­lí­ci­as.

Re­la­ti­va­men­te às con­tri­bui­ções pa­ra o Fun­do, são con­si­de­ra­das co­mo cus­to fis­cal as efec­tu­a­das pe­las em­pre­sas e não con­si­de­ra­das co­mo ren­di­men­tos dos tra­ba­lha­do­res até 15% da mas­sa sa­la­ri­al ou 25% se os tra­ba­lha­do­res não ti­ve­rem di­rei­to a pen­sões da se­gu­ran­ça so­ci­al, os ren­di­men­tos do Fun­do de Pen­sões são to­tal­men­te isen­tos de im­pos­tos, os be­ne­fí­ci­os pa­gos pe­lo fun­do aos be­ne­fi­ciá­ri­os e apli­ca­da a uma tri­bu­ta­ção ate­nu­a­da.

A con­ces­são do tra­ta­men­to fis­cal pri­vi­le­gi­a­do re­fe­ri­do de­pen­de dos pla­nos de pen­sões e abran­gem na ge­ne­ra­li­da­de os tra­ba­lha­do­res per­ma­nen­tes da em­pre­sa, sen­do os be­ne­fí­ci­os atri­buí­dos ad­jec­ti­va­men­te de for­ma igual pa­ra os be­ne­fi­ciá­ri­os, e do ali­nha­men­to de tais be­ne­fí­ci­os pe­la ida­de da re­for­ma pre­vis­ta na se­gu­ran­ça so­ci­al.

Os pla­nos a fi­nan­ci­ar atra­vés de fun­dos de pen­sões fe­cha­dos ou de ade­sões co­lec­ti­vas a fun­do de pen­sões aber­ta po­dem ser de be­ne­fí­cio de­fi­ni­do, de con­tri­bui­ção de­fi­ni­da ou mis­tos. Po­rém, os pla­nos de pen­sões a fi­nan­ci­ar atra­vés de ade­são in­di­vi­du­al a um fun­do de pen­sões aber­to só po­dem ser de con­tri­bui­ção de­fi­ni­da.

São par­ti­ci­pan­tes pes­so­as sin­gu­la­res em fun­ção de cu­jas cir­cuns­tân­ci­as pes­so­ais e pro­fis­si­o­nais se de­fi­nem os pla- nos de pen­sões, in­de­pen­den­te­men­te de con­tri­buí­rem ou não pa­ra a for­ma­ção do pa­tri­mó­nio do fun­do. São be­ne­fi­ciá­ri­os pes­so­as sin­gu­la­res com di­rei­tos às pres­ta­ções pe­cu­niá­ri­as es­ta­be­le­ci­das no pla­no de pen­sões se­ja ou não par­ti­ci­pan­te.

Nos fun­dos não con­tri­bu­ti­vos, ocor­ren­do qual­quer das con­ti­nên­ci­as de­ter­mi­nan­tes da atri­bui­ção (ida­de de re­for­ma, si­tu­a­ção de in­va­li­dez ou mor­te), as pen­sões são pa­gas atra­vés de uma ren­da, po­den­do par­te de­la ser re­mi­da em ca­pi­tal, se tal pos­si­bi­li­da­de es­ti­ver pre­vis­ta no pla­no de pen­sões, e des­de que o ca­pi­tal de re­mi­ção não se­ja su­pe­ri­or a um ter­ço do va­lor ac­tu­al da pen­são es­ta­be­le­ci­da. Me­di­an­te acor­do en­tre a en­ti­da­de ges­to­ra, o as­so­ci­a­do e o be­ne­fi­ciá­rio, a re­mi­ção po­de ser to­tal se a pres­ta­ção pe­rió­di­ca men­sal for in­fe­ri­or à dé­ci­ma par­te da re­tri­bui­ção men­sal ga­ran­ti­da pa­ra a ge­ne­ra­li­da­de dos tra­ba­lha­do­res.

Nos fun­dos con­tri­bu­ti­vos, os be­ne­fi­ciá­ri­os têm di­rei­to ao re­em­bol­so to­tal do mon­tan­te de­ter­mi­nan­do em fun­ção das con­tri­bui­ções efec­tu­a­das pe­los par­ti­ci­pan­tes, em qual­quer da­que­las si­tu­a­ções e ain­da em ca­so de de­sem­pre­go de lon­ga du­ra­ção, do­en­ças gra­ve ou in­ca­pa­ci­da­de per­ma­nen­te pa­ra o tra­ba­lho so­bre o va­lor que não re­sul­ta das con­tri­bui­ções dos par­ti­ci­pan­tes, apli­ca-se as re­gras re­fe­ri­das pa­ra os fun­dos não con­tri­bu­ti­vos.

A CONS­TI­TUI­ÇÃO DE SO­CI­E­DA­DES GESTORAS DE FUN­DO DE PEN­SÕES DE­PEN­DE DE AU­TO­RI­ZA­ÇÃO A CON­CE­DER PE­LA ARSEG

EDIÇÕES NO­VEM­BRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.