O que se es­cre­veu de­vi­do à ade­são de Mo­çam­bi­que

Jornal de Economia & Financas - - Destaque -

Le­ven­ta­ram-se mui­ta so­bran­ce­lha qu­an­do Mo­çam­bi­que se jun­tou ao Commonwealth bri­tâ­ni­co em 1995, por ser um país de ex­pres­são por­tu­gue­sa. No en­tan­to, ser mem­bro du­ma or­ga­ni­za­ção não ex­clui o país da ou­tra.

Al­gu­ma im­pren­sa lo­cal, na al­tu­ra, es­cre­via a ade­são de Mo­çam­bi­que à Commonwealth co­mo ac­to de so­be­ra­nia e afir­ma­ção in­ter­na­ci­o­nal

Es­cre­via-se, nun­ca Por­tu­gal re­a­gi­ria de for­ma tão dra­má­ti­ca e pa­ter­na­lis­ta em re­la­ção às ex-co­ló­ni­as co­mo ago­ra que Mo­çam­bi­que de­ci­diu ade­rir à Commonwealth.

Di­zi­am que vi­am co­mo um ac­to de res­to le­gí­ti­mo de um Es­ta­do so­be­ra­no e in­de­pen­den­te e que Por­tu­gal não es­ta­va isen­to de cul­pas no pro­ces­so que conduziu Mo­çam­bi­que a ade­rir à co­mu­ni­da­de de lín­gua in­gle­sa. E elen­cou-se du­as im­por­tan­tes ra­zões:

1º - Mo­çam­bi­que pre­ci­sa­va de re­fa­zer o seu te­ci­do so­ci­al e pa­ra que tal se con­cre­ti­zas­se era ne­ces­sá­rio um mai­or e me­lhor apoio eco­nó­mi­co que per­mi­tis­se de­pois um de­sen­vol­vi­men­to mais ace­le­ra­do com re­sul­ta­dos ime­di­a­tos e que Por­tu­gal não po­de­ria ga­ran­tir na­que­le mo­men­to;

2º- Co­mo país in­de­pen­den­te e so­be­ra­no ti­nha ne­ces­si­da­de de se afir­mar no pa­no­ra­ma in­ter­na­ci­o­nal até pa­ra re­no­va­ção de uma ima­gem al­go des­gas­ta­da pe­la guer­ra e ti­nha tam­bém o di­rei­to de to­mar o ru­mo que achas­se cer­to pa­ra o bem do seu po­vo. E aler­ta­vam que não se tra­ta­va pois de subs­ti­tuir o por­tu­guês pe­lo in­glês.

Ain­da ou­tros ar­gu­men­tos pro­du­zi­dos di­zi­am que co­mo se po­dia fa­cil­men­te ve­ri­fi­car o go­ver­no mo­çam­bi­ca­no nun­ca pen­sou em subs­ti­tuir o por­tu­guês pe­lo in­glês. Co­mo se po­de­ria im­plan­tar o uso de uma lín­gua sem an­te­ce­den­tes his­tó­ri­cos na po­pu­la­ção? Com que re­cur­sos? E quem apoi­a­ria es­sa me­di­da? Quan­to tem­po le­va­ria a im­ple­men­tar-se? Quan­tos mo­çam­bi­ca­nos es­ta­ri­am dis­pos­tos a dei­xar de es­cre­ver por de­cre­to em por­tu­guês pa­ra pas­sa­rem a fa­zê-lo em in­glês? Não se es­ta­ria a fo­men­tar a ci­são en­tre os mo­çam­bi­ca­nos? En­fim, só os por­tu­gue­ses in­sis­tem em ser ce­gos qu­an­do de­vi­am pas­sar das pa­la­vras à ac­ção. Co­mo se po­de de­pre­en­der , a ade­são mo­çam­bi­ca­na cri­ou ciú­mes a Por­tu­gal mas os mo­çam­bi­ca­nos há 23 anos pre­fe­ri­ram ex­pe­ri­men­tar ou­tras so­lu­ções pa­ra ca­ta­pul­tar a sua eco­no­mia.

DR

Mo­çam­bi­que já lá es­tá há 23 anos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.