In­gle­ses ofe­re­cem fa­ci­li­da­des

An­go­la po­de­rá atrair in­ves­ti­men­tos, me­lho­rar a com­pe­ti­ti­vi­da­de dos seus agen­tes eco­nó­mi­cos e apro­vei­tar as opor­tu­ni­da­des das po­lí­ti­cas de co­mér­cio

Jornal de Economia & Financas - - Destaque - Carlos Car­do­so

An­go­la vai pe­dir ade­são à Commonwealth, co­mu­ni­da­de que jun­ta os paí­ses de lín­gua ofi­ci­al in­gle­sa, on­de os es­ta­dos-mem­bros co­o­pe­ram num qua­dro de va­lo­res e ob­jec­ti­vos co­muns, que in­clu­em a pro­mo­ção da de­mo­cra­cia, di­rei­tos hu­ma­nos, boa go­ver­na­ção, es­ta­do de di­rei­to, li­ber­da­de in­di­vi­du­al, igua­li­ta­ris­mo, li­vre co­mér­cio, mul­ti­la­te­ra­lis­mo e paz mun­di­al.

O anun­cio foi fei­to ini­ci­al­men­te por Sua Ex­ce­lên­cia o pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca João Ma­nu­el Gon­çal­ves Lou­ren­ço, qu­an­do no mês de Maio se des­lo­cou à Fran­ça em vi­si­ta ofi­ci­al. Pos­te­ri­or­men­te, o mi­nis­tro bri­tâ­ni­co dos Ne­gó­ci­os Es­tran­gei­ros, Bo­ris John­son, anun­ci­ou a in­ten­ção na sua con­ta de Twit­ter. O anún­cio me­re­ceu já re­ac­ções dos ci­da­dãos an­go­la­nos, que de for­ma qua­se unâ­ni­me vêm van­ta­gens na pos­sí­vel ade­são do país à co­mu­ni­da­de an­gló­fo­na. O JE con­tac­tou es­pe­ci­a­lis­tas pa­ra de­bi­ta­rem sub­sí­di­os em re­la­ção ao as­sun­to.

Pa­ra Fre­de­ri­co Bap­tis­ta, for­ma­do em Re­la­ções In­ter­na­ci­o­nais, a de­ci­são foi acer­ta­da visto que An­go­la es­tá in­se­ri­da em dois blo­cos sub-re­gi­o­nais com pre­do­mi­nân­cia in­gle­sa e fran­ce­sa, o que di­fi­cul­ta mui­tas ve­zes uma in­te­gra­ção mais pro­fun­da. Ou­tra gran­de van­ta­gem é o fac­to de a in­te­gra­ção re­pre­sen­tar uma mo­la im­pul­si­o­na­do­ra pa­ra o apren­di­za­do da lín­gua in­gle­sa no país e a con­se­quen­te pro­mo­ção de mais an­go­la­nos, quer no sis­te­ma das Na­ções Uni­das, quer nas or­ga­ni­za­ções in­ter­na­ci­o­nais afri­ca­nas. Em ter­mos eco­nó­mi­cos, a co­mu­ni­da­de bri­tâ­ni­ca po­de­rá agre­gar va­lor à eco­no­mia an­go­la­na, não só por se pra­ti­car uma po­lí­ti­ca co­mer­ci­al de pre­fe­rên­cia en­tre os Es­ta­dos-mem­bros, mas tam­bém pe­lo fac­to de a In­gla­ter­ra in­dus­tri­al­men­te ser de­pen­den­te da im­por­ta­ção de um cer­to nú­me­ro de re­cur­sos mi­ne­rais, e de pro­du­tos agrí­co­las que não po­dem ser subs­ti­tuí­dos pe­la agri­cul­tu­ra na­ci­o­nal. O pro­gra­ma de aju­da bri­tâ­ni­ca aos seus par­cei­ros, em áre­as ins­ti­tu­ci­o­nais, e in­ves­ti­men­to di­rec­to, são ou­tras va­lên­ci­as que o país po­de­rá apro­vei­tar. Amai­or par­te das fir­mas que pres­tam ser­vi­ços a In­gla­ter­ra, a par­tir dos Es­ta­dos mem­bros da co­mu­ni­da­de, no sec­tor das co­mo­di­ti­es fun­da­men­tal­men­te são de in­gle­ses, fru­to do in­ves­ti­men­to di­rec­to.

An­go­la po­de­rá, as­sim, atrair in­ves­ti­men­tos, me­lho­rar a com­pe­ti­ti­vi­da­de dos seus agen­tes eco­nó­mi­cos, além de apro­vei­tar as fa­ci­li­da­des das po­lí­ti­cas de co­mér­cio pre­fe­ren­ci­al, prin­ci­pal­men­te num con­tex­to de BREXIT e de re­cru­des­ci­men­to das me­di­das pro­tec­ci­o­nis­tas dos EUA.

“É ob­vio que não se sen­ti­rão es­tes be­ne­fí­ci­os ins­tan­ta­ne­a­men­te, mas a mé­dio pra­zo, com as mu­dan­ças que se es­tão a ope­rar na eco­no­mia na­ci­o­nal, adi­vi­nham-se ga­nhos pro­por­ci­o­nais a ca­da vez mai­or des­re­gu­la­men­ta­ção, pro­tec­ção de in­ves­ti­men­to, com­ba­te à cor­rup­ção e a adop­ção dos me­lho­res pa­drões in­ter­na­ci­o­nais em ter­mos de com­pli­an­ce”.

Lu­an­da po­de­rá es­tar mais pró­xi­ma das ci­da­des co­mo Lon­dres, Jo­a­nes­bur­go, No­va De­li, Kam­pa­la e Cam­ber­ra

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.