Pla­no de De­sen­vol­vi­men­to tra­duz pers­pec­ti­vas ao de­ta­lhe

A es­ta­bi­li­za­ção ma­cro­e­co­nó­mi­ca cons­ti­tui um meio ne­ces­sá­rio pa­ra au­men­tar a pro­du­ção de bens de con­su­mo e tor­nar os em­pre­sá­ri­os na­ci­o­nais mais for­tes

Jornal de Economia & Financas - - Empresas - Re­gi­na Han­da

Avi­são de co­mo se vai de­sen­vol­ver An­go­la no pe­río­do 2018-2022, des­cri­tas no Pla­no de De­sen­vol­vi­men­to Na­ci­o­nal (PDN), é de­ta­lhis­ta, pro­fun­da, co­e­ren­te e tra­duz a re­a­li­da­de, se­gun­do con­si­de­ram al­guns dos in­ter­ve­ni­en­tes nos en­con­tros de apre­sen­ta­ção fei­tos, es­ta se­ma­na, pe­lo Mi­nis­té­rio da Eco­no­mia e Pla­ne­a­men­to (MEP).

A em­bai­xa­do­ra da Na­mí­bia em An­go­la, de­ca­na do cor­po di­plo­má­ti­co e o eco­no­mis­ta Lo­pes Pau­lo fo­ram du­as vo­zes com cla­ro apoio às po­lí­ti­cas pre­vis­tas no PDN 2018-2022. O mi­nis­tro de Es­ta­do e do De­sen­vol­vi­men­to Eco­nó­mi­co e So­ci­al, Ma­nu­el Nu­nes Jú­ni­or, dis­se ser es­ta a es­tra­té­gia de cres­ci­men­to pa­ra o cur­to pra­zo.

“O fac­tor im­por­tan­te a re­al­çar é que o cres­ci­men­to mé­dio anu­al do sec­tor não pe­tro­lí­fe­ro que se­rá mais ro­bus­to e se si­tu­a­rá na or­dem dos 5.1 por cen­to”, dis­se.

Re­a­li­za­dos em da­tas e lo­cais dis­tin­tos, os en­con­tros mobilizaram os em­pre­sá­ri­os, cor­po di­plo­má­ti­co acre­di­ta­do em An­go­la, im­pren­sa e par­cei­ros de co­o­pe­ra­ção pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to e ins­ti­tui­ções mul­ti­la­te­rais. Es­te úl­ti­mo gru­po reú­ne ape­nas ho­je.

Vi­são dos em­pre­sá­ri­os

No en­con­tro com a clas­se em­pre­sa­ri­al, o mi­nis­tro Ma­nu­el Nu­nes Jú­ni­or que dis­cur­sou na aber­tu­ra, afir­mou que as pro­jec­ções efec­tu­a­das no âm­bi­to do Pla­no de De­sen­vol­vi­men­to Na­ci­o­nal 2018-2022 in­di­cam, pa­ra es­se pe­río­do, uma eco­no­mia com um cres­ci­men­to mé­dio anu­al em ter­mos re­ais de 3 por cen­to.

Quan­to ao sec­tor pe­tro­lí­fe­ro, pre­vê-se, nes­se quinqué­nio, um ra­mo com cres­ci­men­to mé­dio anu­al ne­ga­ti­vo de cer­ca de 1.8 por cen­to, o que sig­ni­fi­ca que o não pe­tro­lí­fe­ro te­rá de ter um cres­ci­men­to, su­fi­ci­en­te­men­te, for­te pa­ra con­tra­ba­lan­çar es­te si­nal ne­ga­ti­vo.

O go­ver­nan­te avan­çou tam­bém que no domínio não pe­tro­lí­fe­ro os prin­ci­pais mo­to­res do cres­ci­men­to se­rão os sec­to­res da agri­cul­tu­ra com uma ta­xa mé­dia de cres­ci­men­to de 8.9 por cen­to, das pes­cas com 4.8, da in­dús­tria trans­for­ma­do­ra com 5.9, dos ser­vi­ços in­cluin­do o tu­ris­mo com 5.9 e da cons­tru­ção com 3.8.

“Pa­ra que es­tas me­tas se­jam al­can­ça­das, te­re­mos de ser ri­go­ro­sos e mui­to fo­ca­dos na im­ple­men­ta­ção do pro­gra­ma de Apoio à Pro­du­ção Na­ci­o­nal, da pro­mo­ção das ex­por­ta­ções e subs­ti­tui­ção das im­por­ta­ções, o Pro­de­si”, de­fen­deu.

Com di­plo­ma­tas

O mi­nis­tro da Eco­no­mia e Pla­ne­a­men­to, Pedro Luís da Fonseca, pre­si­diu ao en­con­tro com os di­plo­ma­tas. Nes­ta oca­sião, a em­bai­xa­do­ra da Na­mí­bia, Cláudia Uosho­na, apro­vei­tou o mo­men­to pa­ra agra­de­cer em no­me dos di­plo­ma­tas e re­co­nhe­ceu que o PDN é um pro­gra­ma bem ela­bo­ra­do, pro­fun­do e de­ta­lha­do.

“É im­por­tan­te pa­ra An­go­la por­que es­tá a de­ta­lhar os pro­gra­mas das di­fe­ren­tes áre­as e pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to de to­do o país”, dis­se.

Pa­ra ela, o PDN, pa­ra a Na­mí­bia, é im­por­tan­te, por­quan­to coin­ci­de tam­bém com vi­são de­se­nha­da pa­ra 20202030 por par­te do seu país.

“São im­por­tan­tes por ilus­trar em co­mo se vai de­sen­vol­ver o país”, con­cluiu.

Com jor­na­lis­tas

No en­con­tro com a im­pren­sa, pres­ti­gi­a­do pe­lo mi­nis­tro João Me­lo, o MEP so­li­ci­tou dos pro­fis­si­o­nais da co­mu­ni­ca­ção uma mai­or com­pre­en­são e di­vul­ga­ção do do­cu­men­to, pa­ra que a men­sa­gem pos­sa che­gar até ao ci­da­dão co­mum nu­ma lin­gua­gem aces­sí­vel. 2018-2022.

JO­SÉ COLA | EDIÇÕES NO­VEM­BRO

Da es­quer­da à di­rei­ta o mi­nis­tro da Eco­no­mia e Pla­ne­a­men­to, Pedro Luís da Fonseca, João Me­lo, mi­nis­tro da Co­mu­ni­ca­ção So­ci­al e o se­cre­tá­rio de Es­ta­do da Co­mu­ni­ca­ção So­ci­al, Cel­so Ma­la­vo­le­ne­ke, es­ti­ve­ram on­tem no CIAM

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.