Ar­gen­ti­na vai pre­ci­sar de mais 6,8 mil mi­lhões do FMI em 2019

Jornal de Economia & Financas - - Mundo -

O mi­nis­tro das Fi­nan­ças ar­gen­ti­no afir­mou que o país ne­ces­si­ta­rá no pró­xi­mo ano de um fi­nan­ci­a­men­to adi­ci­o­nal de oi­to mil mi­lhões de dó­la­res (6,8 mil mi­lhões de euros) ao cré­di­to a con­ce­der pe­lo Fun­do Mo­ne­tá­rio In­ter­na­ci­o­nal. Ou­vi­do em co­mis­são par­la­men­tar pa­ra ana­li­sar o acor­do com o FMI, que pre­vê um pa­co­te de 50 mil mi­lhões de dó­la­res (cer­ca de 42,8 mil mi­lhões de euros) de aju­da fi­nan­cei­ra nos pró­xi­mos três anos, o mi­nis­tro Ni­co­lás Du­jov­ne as­se­gu­rou que es­te em­prés­ti­mo não au­men­ta­rá o en­di­vi­da­men­to, subs­ti­tuin­do dí­vi­da de mer­ca­do – “ca­ra e vo­lá­til” – por dí­vi­da do FMI, mais “es­tá­vel e ba­ra­ta”. Perante as perguntas da opo­si­ção, que ques­ti­o­nou so­bre a sus­ten­ta­bi­li­da­de do en­di­vi­da­men­to, Du­jov­ne in­sis­tiu que o Go­ver­no pro­mo­ve­rá o ajus­ta­men­to or­ça­men­tal e sai­rá do “ver­me­lho” – no défice pri­má­rio – em 2020, pe­lo que se mos­trou “ab­so­lu­ta­men­te con­ven­ci­do” de que a si­tu­a­ção é sus­ten­tá­vel e a Ar­gen­ti­na con­ti­nu­a­rá sol­ven­te. Quan­to a uma even­tu­al po­lí­ti­ca pa­ra co­me­çar a res­ga­tar a dí­vi­da a cur­to pra­zo emi­ti­da pe­lo país, o mi­nis­tro ale­gou que faz “fal­ta um mer­ca­do mais lí­qui­do”, pe­lo que ago­ra o Exe­cu­ti­vo pen­sa em fa­zê-lo de “for­ma sis­te­má­ti­ca” por­que não quer emi­tir mais dí­vi­da do que a ne­ces­sá­ria. O ob­jec­ti­vo da re­cor­rer ao FMI, se­gun­do o mi­nis­tro, é evi­tar uma no­va cri­se fi­nan­cei­ra, ar­gu­men­tan­do que a al­ter­na­ti­va era a que foi to­ma­da nou­tras oca­siões si­mi­la­res no país, com a res­tri­ção à com­pra de di­vi­sas ou o pa­ga­men­to da dí­vi­da. Ni­co­lás Du­jov­ne sa­li­en­tou que a eco­no­mia ar­gen­ti­na es­tá em cres­ci­men­to há se­te tri­mes­tres con­se­cu­ti­vos (até ao pri­mei­ro tri­mes­tre des­te ano) e, ain­da que a ten­dên­cia te­nha si­do in­ter­rom­pi­da por di­fi­cul­da­des eco­nó­mi­cas, dis­se a nação vol­ta­rá a cres­cer “mui­to em bre­ve”.

FMI QUER VER O GO­VER­NO A RE­DU­ZIR DÉFICE DE QUA­SE 7 POR CEN­TO PA­RA IR BAIXANDO A DÍ­VI­DA QUE ES­TÁ NOS 50 POR CEN­TO DO PIB

No­vo Pro­gra­ma

A Ar­gen­ti­na faz em Abril úl­ti­mo um no­vo pro­gra­ma de ajus­ta­men­to e aus­te­ri­da­de e re­ce­ber um em­prés­ti­mo de 50 mil mi­lhões de dó­la­res (cer­ca de 42 mil mi­lhões de euros ao câm­bio atu­al) du­ran­te três anos, na­que­le que se­ria o mai­or cré­di­to al­gu­ma vez con­ce­di­do pe­lo Fun­do Mo­ne­tá­rio In­ter­na­ci­o­nal (FMI) a um país, ca­so fos­se com­ple­ta­men­te uti­li­za­do pe­lo go­ver­no de Bu­e­nos Ai­res. De acor­do com uma no­ta as au­to­ri­da­des da Ar­gen­ti­na e a equi­pa téc­ni­ca do FMI che­ga­ram a acor­do pa­ra as­si­nar um con­tra­to de em­prés­ti­mo no va­lor de 35,379 mil mi­lhões de SDR (Di­rei­tos de Sa­que Es­pe­ci­al, a mo­e­da sin­té­ti­ca do FMI), que equi­va­le aos tais 42 mil mi­lhões de euros. Re­cor­de-se que Por­tu­gal re­ce­beu, no âm­bi­to do pro­gra­ma de aus­te­ri­da­de da troi­ka, cer­ca de 78 mil mi­lhões de euros, sen­do um ter­ço (26 mil mi­lhões) pro­ce­den­te do FMI. Es­se em­prés­ti­mo do Fun­do, bas­tan­te mais ca­ro do que o fi­nan­ci­a­men­to eu­ro­peu e o ac­tu­al de mer­ca­do, es­tá qua­se to­do pa­go. Fal­ta sal­dar ape­nas 4,6 mil mi­lhões de euros. No co­mu­ni­ca­do so­bre a Ar­gen­ti­na, o FMI diz que vai ago­ra ava­li­ar o “pla­no eco­nó­mi­co” dos ar­gen­ti­nos pa­ra ver se es­tá tu­do em con­for­mi­da­de, sen­do que o go­ver­no do pre­si­den­te Mau­ri­cio Ma­cri já ha­via aler­ta­do que pre­ci­sa ur­gen­te­men­te da pri­mei­ra tran­che do bo­lo dos 50 mil mi­lhões de dó­la­res.

DR

Eco­no­mia da ar­gen­ti­na vai pre­ci­sar de no­vos in­ves­ti­men­tos es­tru­tu­ran­tes

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.