Lei de im­pos­to in­dus­tri­al de­ve fa­vo­re­cer os con­tri­buin­tes

Jornal de Economia & Financas - - Primeira Página - Luís Ma­nu­el Feliciano Pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção An­go­la­na de Co­mér­cio, de Im­por­ta­ção e de Ex­por­ta­ção

Omen­tos bai­xos ní­veis de cres­ci

eco­nó­mi­co são fac­to­res crí­ti­cos pa­ra a fra­ca ade­são ao cum­pri­men­to das obri­ga­ções de­cla- ra­ti­vas.

A po­lí­ti­ca de re­for­ma tributária é o mar­co da or­ga­ni­za­ção es­tru­tu­ra­da das nor­mas tri­bu­tá­ri­as.

A Lei 19/14 de 22 de Ou­tu­bro, em vi­gor por ape­nas três anos, ao ser sub­me­ti­da à al­te­ra­ção de al­gu­mas nor­mas, é de­mons­tra­ti­vo da ins­ta­bi­li­da­de que apre­sen­ta e que foi trans­pos­to no or­de­na­men­to an­go­la­no sem ob­ser­var a re­a­li­da­de ob­jec­ti­va e tem co­mo fi­na­li­da­de a ar­re­ca­da­ção de re­cei­tas.

A pro­pos­ta de al­te­ra­ção da Lei do Im­pos­to In­dus­tri­al não sal­va­guar­da o prin­cí­pio da jus­ti­ça ma­te­ri­al, a equi­da­de e a se­gu­ran­ça ju­rí­di­ca.

Quer a Lei que apro­va o Có­di­go do Im­pos­to In­dus­tri­al e a pro­pos­ta de al­te­ra­ção, não as­se­gu­ram nem ga­ran­tem de for­ma expressa ou im­plí­ci­ta os con­tri­buin­tes que be­ne­fi­ci­am de isen­ção fis­cal (as mi­cro, pe­que­nas e mé­di­as em­pre­sas).

O Mi­nis­té­rio das Fi­nan­ças ain­da não apro­vou o mo­de­lo ade­qua­do pa­ra ser de­cla­ra­do os ren­di­men­tos des­ses con­tri­buin­tes.

Os con­tri­buin­tes que be­ne­fi­ci­am de isen­ção e ou re­du­ção fis­cal es­tão a ser ile­gal­men­te ca­das­tra­dos no gru­po A à ta­xa do im­pos­to In­dus­tri­al de 30% qu­an­do a lei es­pe­ci­al con­sa­gra 2% do ren­di­men­to au­fe­ri­do e sem pa­ga­men­to do im­pos­to de selo.

O es­ta­do ac­tu­al da eco­no­mia mar­ca­do por bai­xos ní­veis de cres­ci­men­to, rup­tu­ra fi­nan­cei­ra na te­sou­ra­ria, pa­ra­li­sa­ção ou falência das em­pre­sas, fac­to­res crí­ti­cos da fra­ca ade­são ao cum­pri­men­tos das obri­ga­ções de pa­ga­men­to de im­pos­tos, não re­sul­ta no pa­ga­men­to de Kz 500.000,00 in­de­pen­den­te­men­te do apu­ra­men­to de ma­té­ria co­lec­tá­vel.

É a fla­gran­te vi­o­la­ção do prin­cí­pio da equi­da­de e da pro­por­ci­o­na­li­da­de.

As nor­mas de al­te­ra­ção da pro­pos­ta de Lei do Im­pos­to In­dus­tri­al, não sal­va­guar­dam os di­rei­tos dos con­tri­buin­tes, nem pro­mo­vem a jus­ti­ça ma­te­ri­al nem o prin­cí­pio da pro­por­ci­o­na­li­da­de.

A in­clu­são de ma­pa da ta­xa con­tri­bu­ti­va da Se­gu­ran­ça So­ci­al no ac­to de apre­sen­ta­ção de de­cla­ra­ção de im­pos­tos de­ve ser bem ana­li­sa­da, pois o prin­cí­pio da fle­xi­bi­li­za­ção, nin­guém po­de ser pre­ju­di­ca­do, de qual­quer de­ver em ma­té­ria tributária.

A obri­ga­ção do im­pos­to de­pen­de da ca­pa­ci­da­de eco­nó­mi­ca dos con­tri­buin­tes. O va­lor do sa­lá­rio mí­ni­mo é determinado pe­la lei pró­pria, ape­sar de não es­tar ac­tu­a­li­za­da de­vi­do à in­fla­ção e des­va­lo­ri­za­ção da mo­e­da, não ga­ran­te a so­bre­vi­vên­cia dos ci­da­dãos e não po­de ser ex­cluí­do por Lei de Im­pos­to In­dus­tri­al.

Exis­te ma­ni­fes­ta con­tra­di­ção en­tre o con­teú­do da in­tro­du­ção da pro­pos­ta de al­te­ra­ção e a re­dac­ção do tex­to da re­fe­ri­da lei. Es­sa con­tra­di­ção cria de­se­qui­lí­brio e im­pos­si­bi­li­da­de de con­for­ma­ção tec­ni­ca­men­te ju­rí­di­ca se não for al­te­ra­da. O ac­tu­al es­ta­do da eco­no­mia e os bai­xos ní­veis de cres­ci­men­to jus­ti­fi­ca a Ad­mi­nis­tra­ção Ge­ral Tributária a ex­clu­são do cri­té­rio de pa­ga­men­to pro­vi­só­rio de 2% nos pri­mei­ros 6 me­ses do ano eco­nó­mi­co?

É re­vo­ga­do o dis­pos­to no n.º7 do ar­ti­go 4.º da lei n.º19/14, de 22 de Ou­tu­bro, os con­tri­buin­tes que não têm con­ta­bi­li­da­de or­ga­ni- za­da, apre­sen­tam a de­cla­ra­ção no Mo­de­lo 1, ile­gal, fi­cam a par­tir des­se exer­cí­cio, su­jei­tos a sus­pen­são do Nú­me­ro de Iden­ti­fi­ca­ção Fis­cal.

A pro­pos­ta de al­te­ra­ção no seu con­teú­do e nos mol­des que es­tá a ser apre­sen­ta­do, não en­cer­ra nem con­gre­ga de per si as pre­mis­sas da jus­ti­ça ma­te­ri­al, nem sus­ten­ta a se­gu­ran­ça ju­rí­di­ca.

A ar­ro­gân­cia do pas­sa­do, a pre­dis­po­si­ção de im­por­ta­ção de re­gras de di­rei­to de­pois de trans­pos­tos, sem ob­ser­va­ção da re­a­li­da­de ob­jec­ti­va, é mo­ti­vo da al­te­ra­ção no cur­to pra­zo de 3 anos.

A lei in­cons­ti­tu­ci­o­nal não dei­xa de ser uma Lei, não dei­xa de ser apli­ca­da, não dei­xa de ser exe­cu­ta­da por fun­ci­o­ná­ri­os da Ad­mi­nis­tra­ção.

Os con­tri­buin­tes de­vem cum­prir sob for­ma de in­cor­re­rem no cri­me de de­so­be­di­ên­cia ad­mi­nis­tra­ti­va. A fra­ca ade­são no cum­pri­men­to das obri­ga­ções é tam­bém da res­pon­sa­bi­li­da­de da Ad­mi­nis­tra­ção Ge­ral Tributária (AGT).

In­clu­são nor­ma­ti­va do tex­to na pro­pos­ta de al­te­ra­ção, a in­clu­são dos Gru­pos A,B e C do Im­pos­to In­dus­tri­al e o sis­te­ma in­for­má­ti­co de ca­das­tra­men­to dos con­tri­buin­tes.

Es­tá con­fi­gu­ra­da pa­ra atri­bui­ção de Nú­me­ros de Iden­ti­fi­ca­ção fis­cal ini­ci­a­dos com o n.º 5 – So­ci­e­da­des Gru­po A, n.º 2 em­pre­sá­ri­os em no­me in­di­vi­du­al e n.º1 con­tri­buin­te fí­si­co, não dis­tin­gue con­tri­buin­te do Gru­po B, nem os que be­ne­fi­ci­am de isen­ção do im­pos­to In­dus­tri­al.

O sis­te­ma in­for­má­ti­co de ca­das­tra­men­to vi­o­la a lei 19/14, de 22 de Ou­tu­bro, Có­di­go do Im­pos­to In­dus­tri­al – ao re­gis­tar to­das as so­ci­e­da­des no Gru­po A e os fun­ci­o­ná­ri­os obri­ga­rem os con­tri­buin­tes a pre­en­cher em os Mo­de­lo 1.

Pon­de­ra­ção e ava­li­a­ção das pro­pos­tas de al­te­ra­ções do Im­pos­to In­dus­tri­al, de­vi­do a ile­ga­li­da­de no ca­das­tra­men­to ge­ne­ra­li­za­do dos con­tri­buin­tes ins­cri­tos no gru­po A, des­de a en­tra­da em vi­gor da Lei n.º19/14 de 22 de Ou­tu­bro.

“Cor­ri­gir o que es­tá mal” nos ca­sos em que a Ad­mi­nis­tra­ção Ge­ral Tributária é res­pon­sá­vel pe­la ile­ga­li­da­de fis­cal ao cadastrar no Gru­po A em­pre­sas que le­gal­men­te não têm re­qui­si­tos pa­ra ins­cri­ção, com o ins­ti­tu­to de com va­li­da­de nos ter­mos do Có­di­go Ci­vil ou a anu­la­ção de to­dos os nú­me­ros de iden­ti­fi­ca­ção fis­cal dos con­tri­buin­tes re­gis­ta­dos no sis­te­ma de in­for­má­ti­ca da AGT, des­de o dia 22 de Ou­tu­bro de 2014.

A OBRI­GA­ÇÃO DO IM­POS­TO DE­PEN­DE DA CA­PA­CI­DA­DE ECO­NÓ­MI­CA DOS CON­TRI­BUIN­TES

CONTREIRAS PIPAS |EDIÇÕES NO­VEM­BRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.