“O Go­ver­no (an­go­la­no) pre­ci­sa trabalhar mais sem me­do de er­rar e tão pou­co de to­mar de­ci­sões”

Jornal de Economia & Financas - - Primeira Página - An­dré Si­bi

A em­bai­xa­do­ra do Rei­no Uni­do em An­go­la, Jes­si­ca Mary Hand, as­su­miu em en­tre­vis­ta ao Jor­nal

de Eco­no­mia & Fi­nan­ças que “ape­sar de pou­co tem­po em An­go­la”, acre­di­ta que An­go­la é um país do fu­tu­ro e o Go­ver­no tem uma vi­são am­bi­ci­o­sa e cons­tru­ti­va”. No en­tan­to, ad­ver­te: “Pre­ci­sa trabalhar mais, sem me­do de er­rar e tão pou­co de to­mar as de­ci­sões que po­dem im­pul­si­o­nar o cres­ci­men­to eco­nó­mi­co po­lí­ti­co e so­ci­al do país. Pa­ra ela, a pe­que­na in­dús­tria jo­ga um pa­pel pre­pon­de­ran­te na di­na­mi­za­ção da eco­no­mia, lo­go “pa­ra An­go­la não se­rá di­fe­ren­te. De­ve in­ves­tir nas pe­que­nas ini­ci­a­ti­vas”.

Sus­ten­ta ain­da que An­go­la é um país com uma po­pu­la­ção mui­to jo­vem e com imen­sas po­ten­ci­a­li­da­des, pe­lo que “pre­ci­sa in­ves­tir na ju­ven­tu­de as­sim co­mo nas mu­lhe­res”. A In­gla­ter­ra, con­cluiu, cres­ceu com as mi­cro­em­pre­sas. “Pen­sa­mos nós que se An­go­la se­guir es­te ca­mi­nho po­de im­pul­si­o­nar a sua eco­no­mia e em­po­de­rar a po­pu­la­ção”.

Aem­bai­xa­do­ra do Rei­no Uni­do acre­di­ta­da em An­go­la, Jes­si­ca Mary Hand, dis­se ao Jor­nal de Eco­no­mia & Fi­nan­ças olhar a in­te­gra­ção de An­go­la na Com­mo­nowe­alth co­mo uma for­ma de ele­var as re­la­ções co­mer­ci­ais en­tre os po­vos, man­ten­do-as ca­da vez mais só­li­das e com pe­que­nas ini­ci­a­ti­vas ca­pa­zes de im­pul­si­o­nar o de­sen­vol­vi­men­to mais sus­ten­tá­vel do país.

A Commonwealth é com­pos­ta por 53 Es­ta­dos, cuja ex-co­ló­ni­as bri­tâ­ni­cas, com ex­cep­ção de Mo­çam­bi­que (an­ti­ga co­ló­nia por­tu­gue­sa) e Ru­an­da, que ade­ri­ram em 29 de No­vem­bro de 2009. Que van­ta­gens An­go­la po­de ex­pe­ri­men­tar ao in­te­grar es­ta co­mu­ni­da­de?

Com mais de 2,4 bi­lhões de pes­so­as, a Commonwealth é com­pos­ta por um ter­ço da po­pu­la­ção mun­di­al, dos quais 60 por cen­to tem me­nos de 30 anos. An­go­la é se­me­lhan­te, a po­pu­la­ção é mai­o­ri­ta­ri­a­men­te jo­vem. A Commonwealth tam­bém in­flu­en­cia qua­se to­dos os gru­pos de paí­ses in­ter­na­ci­o­nais. Con­tém al­gu­mas das eco­no­mi­as que mais crescem no mun­do e re­pre­sen­ta um quin­to de to­do o co­mér­cio glo­bal. É uma ins­ti­tui­ção única es­ta­be­le­ci­da atra­vés de par­ce­ri­as pro­fun­das com mem­bros bas­tan­te di­ver­sos; es­sa re­de po­de aju­dar a re­sol­ver al­guns dos prin­ci­pais de­sa­fi­os que en­fren­ta­mos atu­al­men­te e no fu­tu­ro. Já de­mons­trou a sua for­ça em ques­tões co­mo a mu­dan­ça cli­má­ti­ca e a de­fe­sa do sis­te­ma in­ter­na­ci­o­nal ba­se­a­do em re­gras. A Reu­nião dos Che­fes de Go­ver­no da Commonwealth (CHOGM, em In­glês), re­a­li­za­da em Abril, te­ve co­mo te­ma “Ru­mo a um Fu­tu­ro Co­mum” e te­ve qua­tro te­mas prin­ci­pais: cons­truir um fu­tu­ro mais se­gu­ro, prós­pe­ro, sus­ten­tá­vel e jus­to – e to­das es­tas áre­as são re­le­van­tes pa­ra An­go­la.

Que opor­tu­ni­da­des po­de An­go­la es­pe­rar ca­so se con­cre­ti­ze a ade­são?

A Commonwealth ofe­re­ce inú­me­ras opor­tu­ni­da­des pa­ra me­lho­rar as ca­pa­ci­da­des de ca­da país atra­vés da par­ti­lha de me­lho­res prá­ti­cas. Au­to­ri­da­des de Co­mér­cio da Commonwealth reu­ni­ram-se re­cen­te­men­te em Lon­dres pa­ra dis­cu­tir em mais de­ta­lhes os as­sun­tos da Reu­nião de Che­fes de Go­ver­no da Commonwealth, re­a­li­za­da em Abril, com fo­co no apoio ao sis­te­ma mul­ti­la­te­ral de co­mér­cio e à agen­da de co­nec­ti­vi­da­de, se­jam eles di­gi­tais, de ne­gó­ci­os a ne­gó­ci­os ou fí­si­cos. Tu­do is­so po­de­ria ser o ca­ta­li­sa­dor de uma eco­no­mia me­nos de­pen­den­te de bens im­por­ta­dos.

O au­men­to da ex­por­ta­ção de re­cur­sos não mi­ne­rais dá si­nais cla­ros de os paí­ses es­ta­rem ca­da vez mais a cri­ar al­ter­na­ti­vas às su­as eco­no­mi­as, dei­xan­do de fa­zê-lo com um úni­co re­cur­so co­mo por exem­plo o pe­tró­leo. E a Commonwealth tem da­do es­ta opor­tu­ni­da­de aos paí­ses mem­bros de im­pul­si­o­na­rem a im­por­ta­ção e ex­por­ta­ção?

Um Fó­rum de Ne­gó­ci­os foi re­a­li­za­do em Lon­dres en­tre os Che­fes de Go­ver­no da Commonwealth. O en­con­tro reu­niu re­pre­sen­tan­tes se­ni­o­res de em­pre­sas e go­ver­nos de to­da a Commonwealth. Não foi uma fei­ra co­mo tal, mas foi um ex­ce­len­te fó­rum pa­ra fa­zer networ­king e com­par­ti­lhar idei­as.

O aces­so à di­vi­sa, aos mer­ca­dos in­ter­na­ci­o­nais, so­bre­tu­do os da co­mu­ni­da­de bri­tâ­ni­ca, cons­ti­tu­em uma fa­ci­li­da­de pa­ra o cres­ci­men­to dos paí­ses mem­bros?

A Commonwealth não for­ne­ce, tão pou­co fa­ci­li­ta o aces­so à mo­e­da es­tran­gei­ra pa­ra o cres­ci­men­to dos paí­ses mem­bros. O aces­so à mo­e­da es­tá re­ser­va­do aos ban­cos as­sim co­mo as ins­ti­tui­ções fi­nan­cei­ras.

A in­te­rac­ção com os mem­bros da Commonwealth tem per­mi­ti­do o reforço da co­o­pe­ra­ção em­pre­sa­ri­al e co­mer­ci­al?

A Commonwealth tem um ren­di­men­to na­ci­o­nal bru­to com­bi­na­do de USD 10,7 tri­liões e re­pre­sen­ta um quin­to do co­mér­cio glo­bal. O co­mér­cio in­tra-co­mu­ni­da­de é es­ti­ma­do em mais de USD 680 bi­lhões, mas com al­gu­mas das eco­no­mi­as que mais crescem no mun­do, o po­ten­ci­al pa­ra o fu­tu­ro da Commonwealth é vas­to. A Commonwealth é um ex­ce­len­te fó­rum pa­ra fa­zer networ­king e par­ti­lhar idei­as. É um fó­rum pa­ra os mem­bros de to­do o mun­do se co­nhe­ce­rem qu­an­do is­so tal­vez não fos­se pos­sí­vel de ou­tra for­ma. Por exem­plo, co­le­gas da Commonwealth do Ca­ri­be e do Pa­cí­fi­co po­dem en­con­trar su­as con­tra­par­tes de Áfri­ca e Ásia e vice-ver­sa.

A COMMONWEALTH TEM UM REN­DI­MEN­TO NA­CI­O­NAL BRU­TO COM­BI­NA­DO DE USD 10,7 TRI­LIÕES

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.