No­va si­de­rur­gia es­tá em pro­jec­to

Ex­plo­ra­ção de mi­né­ri­os e me­tais pre­ci­o­sos têm o ouro na mi­ra ten­do já iden­ti­fi­ca­dos os par­cei­ros e o po­ten­ci­al a trans­for­mar

Jornal de Economia & Financas - - Mercados - Isa­que Lou­ren­ço

Ains­ta­la­ção de uma in­dús­tria si­de­rúr­gi­ca em An­go­la es­tá já na for­ja, so­bre­tu­do com os ac­tu­ais pre­ços do mi­né­rio de fer­ro nos mer­ca­dos in­ter­na­ci­o­nais que vão per­mi­tir a con­clui­são das pes­qui­sas e ar­ran­que das mi­nas pa­ra a efec­ti­va ex­plo­ra­ção.

Com cus­tos va­riá­veis en­tre os 60 e 75 dó­la­res por ca­da to­ne­la­da se­ca, se­gun­do pes­qui­sas, o mi­né­rio do fer­ro po­de, pa­ra as eco­no­mi­as que o ex­plo­ram, trans­for­mar-se sim nu­ma das jói­as dos mer­ca­dos dos fu­tu­ros, al­ter­nan­do com a pro­cu­ra dos ou­tros mi­né­ri­os fer­ro­sos e com os me­tais pre­ci­o­sos. Pa­ra o ca­so an­go­la­no, tais prer­ços mos­tram-se atrac­ti­vos pa­ra a ma­xi­mi­za­ção da ex­plo­ra­ção de fer­ro e di­ve­ri­si­fi­ca­ção das fon­tes de re­cei­tas ex­ter­nas às con­tas na­ci­o­nais. An­te­ri­or­men­te, os pre­ços do mi­né­rio de fe­ro já es­te­ve co­ta­do nos 140 dó­la­res por to­ne­la­da, temn­do caí­do até aos 50 o que ori­gi­nou mui­to de­sin­ves­ti­men­to nes­ta área.

Dei­xar de­pen­dên­cia

De acor­do com da­dos avan­ça­dos à im­pren­sa, à mar­gem do en­cer­ra­men­to do 1º Con­se­lho Con­sul­ti­vo do Mi­nis­té­rio dos Re­cur­sos Mi­ne­a­rais e Pe­tró­le­os (MIREMPET), a ri­que­za an­go­la­na é, nes­te mo­men­to, em mais de 90 por cen­to de­pen­den­te da con­tri­bui­ção do pe­tró­leo. To­da­via, es­te é um re­cur­so na­tu­ral cu­jo pre­ço, nos mer­ca­dos in­ter­na­ci­o­nais, mos­tra-se bas­tan­te vul­ne­rá­vel aos acon­te­ci­men­tos ge­o­po­lí­ti­cas mun­di­ais.

O mi­nis­tro dos Re­cur­sos Mi­ne­rais e Pe­tró­le­os, Di­a­man­ti­no Aze­ve­do, dis­se ha­ver a ne­ces­si­da­de de se in­ver­ter es­se qua­dro e a saí­da pre­vis­ta no Pla­no de De­sen­vol­vi­men­to Na­ci­o­nal 2018-2022 foi o de di­ver­si­fi­car as fon­tes de ex­trac­ção de ri­que­za com pri­ma­zia pa­ra o gás, me­tais fer­ro­sos, ouro, di­a­man­tes e ro­chas or­na­men­tais pa­ra a cons­tru­ção ci­vil.

So­bre a ex­plo­ra­ção de ouro, o go­ver­nan­te dis­se que se es­tá já nu­ma fa­se adi­an­ta­da com par­cei­ros iden­ti­fi­ca­dos, sen­do que os es­tu­dos de vi­a­bi­li­da­des, em mui­tos dos ca­sos, es­tão já con­cluí­dos e ar­ran­cam mui­to em bre­ve.

Não me­nos im­por­tan­te é o re­co­nhe­ci­men­to do po­ten­ci­al que o país de­tém, mas que co­mo se tem di­to, o ne­ces­sá­rio pas­sa por trans­for­mar o po­ten­ci­al em ri­que­za efec­ti­va e com re­fle­xo na vi­da das pes­so­as.

NICOLAU VAS­CO | EDÇÕES NO­VEM­BRO

An­go­la pre­pa­ra-se pa­ra vol­tar a in­ves­tir for­te na in­dús­tria de si­de­rur­gia

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.