Ca­dei­as pro­du­ti­vas po­dem aju­dar na in­dus­tri­a­li­za­ção

Mi­nis­tro de Es­ta­do do De­sen­vol­vi­men­to Eco­nó­mi­co e So­ci­al fa­la na aber­tu­ra do pri­mei­ro con­se­lho con­sul­ti­vo do Mi­nis­té­rio da Agri­cul­tu­ra e Flo­res­tas on­de des­ta­cou as ac­ções que es­tão a ser re­a­li­za­das

Jornal de Economia & Financas - - Agro-Pecuária - Adé­ri­to Ve­lo­so Ma­nu­el Nu­nes Jú­ni­or Mi­nis­tro de Es­ta­do

Ai­den­ti­fi­ca­ção das opor­tu­ni­da­des e as bar­rei­ras pa­ra o aden­sa­men­to das ca­dei­as pro­du­ti­vas tor­na­rá o pro­ces­so de in­ves­ti­men­to pú­bli­co e pri­va­do mais fo­ca­do e me­nos es­pon­tâ­neo e dis­per­so, ga­ran­tiu o mi­nis­tro de Es­ta­do do De­sen­vol­vi­men­to Eco­nó­mi­co e So­ci­al, Ma­nu­el Nu­nes Jú­ni­or.

Quan­do dis­cur­sa­va na aber­tu­ra do pri­mei­ro con­se­lho con­sul­ti­vo do Mi­nis­té­rio da Agri­cul­tu­ra e Flo­res­tas, que de­cor­reu na ci­da­de do Lu­e­na (Mo­xi­co), des­ta­cou que com o de­se­nho das ca­dei­as pro­du­ti­vas se­rá mai­or a co­or­de­na­ção en­tre os in­ves­ti­men­tos pú­bli­co e os pri­va­do com vis­ta ao au­men­to da pro­du­ção na­ci­o­nal, se­rão mai­o­res os ga­nhos em eco­no­mi­as de es­ca­la e se­rão evi­ta­dos os des­per­dí­ci­os de fac­to­res de pro­du­ção.

“Os in­ves­ti­men­tos pú­bli­co e pri­va­do se­rão fei­tos pa­ra aden­sar as vá­ri­as fi­lei­ras pro­du­ti­vas, co­mo as do mi­lho, do fei­jão, do ar­roz, do tri­go, da madeira, da ca­na-de-açú­car e ou­tras”, dis­se.

TE­MOS DE DEI­XAR DE IM­POR­TAR ALI­MEN­TOS DE AM­PLO CON­SU­MO PO­PU­LAR E PRODUZI-LOS DOMESTICAMENTE

Par­ce­ri­as es­tra­té­gi­cas

Pa­ra ele, é im­por­tan­te que os em­pre­sá­ri­os na­ci­o­nais não tra­ba­lhem iso­la­da­men­te e que es­ta­be­le­çam re­la­ções de par­ce­ri­as es­tra­té­gi­cas com em­pre­sá­ri­os de ou­tros paí­ses pos­sui­do­res de know-how e de tec­no­lo­gia avan­ça­da, pa­ra que pos­sa­mos ra­pi­da­men­te ter aces­so ao que de me­lhor o mun­do nos po­de pro­por­ci­o­nar nos do­mí­ni­os em­pre­sa­ri­al e da tec­no­lo­gia.

En­ten­de que se de­vem en­con­trar par­ce­ri­as mais ade­qua­das pa­ra que num es­pa­ço de tem­po re­la­ti­va­men­te cur­to nós te­nha­mos au­to-su­fi­ci­ên­cia no que res­pei­ta a pro­du­ção ali­men­tar.

“Te­mos de dei­xar de im­por­tar ali­men­tos de am­plo con­su­mo po­pu­lar e produzi-los domesticamente”, au­gu­rouMa­nu­el Nu­nes Jú­ni­or.

Acres­cen­tou que agin­do as­sim, a pres­são so­bre as di­vi­sas se­rá me­nor e a pou­pan­ça nes­te domínio ser­vi­rá pa­ra áre­as re­ser­va­das ao de­sen­vol­vi­men­to es­tra­té­gi­co do país, co­mo a edu­ca­ção, saú­de e o “avan­ço ci­en­tí­fi­co e tec­no­ló­gi­co”.

In­dus­tri­a­li­zar o país

Qu­an­to à pro­vín­cia do Mo­xi­co, o go­ver­nan­te con­si­de­ra a re­gião co­mo po­ten­ci­al­men­te pro­du­ti­va, com re­al­ce pa­ra a man­di­o­ca, ar­roz, gin­gu­ba e ou­tros pro­du­tos em es­ca­la “su­fi­ci­en­te pa­ra a me­lho­ria da ofer­ta ali­men­tar da pro­vín­cia e do país e pa­ra a sua res­pec­ti­va in­dus­tri­a­li­za­ção”.

Por is­so, pe­diu pa­ra se en­con­trar sis­te­mas de pro­du­ção efi­ca­zes, efi­ci­en­tes e de bai­xo cus­to pa­ra a rá­pi­da me­lho­ria das con­di­ções de vi­da da po­pu­la­ção des­ta re­gião.

VI­GAS DA PURIFICAÇÃO | EDIÇÕES NO­VEM­BRO | LU­E­NA

Par­ti­ci­pan­tes do 1º Con­se­lho Con­sul­ti­vo da Agri­cul­tu­ra aten­tos ao dis­cur­so

VI­GAS DA PURIFICAÇÃO | EDIÇÕES NO­VEM­BRO | LU­E­NA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.