Har­ley-Da­vid­son e Trump

Jornal de Economia & Financas - - Opinião - Pau­lo Pi­nha Jor­na­lis­ta

OP­re­si­den­te do Es­ta­dos Uni­dos da Amé­ri­ca, Do­nald Trump, “com­prou” mais uma “bri­ga”, des­ta vez con­tra uma das mais fa­mo­sas em­pre­sas in­dus­tri­ais das terras de Tio Sam.

Lo­go ago­ra que os EUA es­tão en­vol­vi­dos nu­ma disputa co­mer­ci­al - há quem lhe cha­me guerra - com o Ca­na­dá, Chi­na, União Eu­ro­peia e Mé­xi­co, o in­qui­li­no da Ca­sa Bran­ca ti­rou da “car­to­la de má­gi­co” mais uma car­ta vi­ci­a­da, que pro­me­te pro­ces­sos ju­di­ci­ais.

Des­ta vez, o al­vo da di­a­tri­be do milionário de ca­be­lo pla­ti­na­do nem é es­tran­gei­ro, por es­tra­nho que pa­re­ça. Es­tra­nho? Nem por is­so.

O na­ci­o­na­lis­mo exa­cer­ba­do de Do­nald Trump con­quis­tou a mai­o­ria do elei­to­ra­do nor­te-ame­ri­ca­no na úl­ti­ma disputa pe­la Ca­sa Bran­ca, há dois anos, com ape­los ao pro­tec­ci­o­nis­mo da eco­no­mia na­ci­o­nal, sob a ban­dei­ra de “Amé­ri­ca primeiro”.

As pro­mes­sas de mais in­ves­ti­men­to na eco­no­mia in­ter­na, re­du­ção de im­pos­tos e au­men­to de bar­rei­ras al­fan­de­gá­ri­as, com uma su­bi­da das ta­ri­fas apli­ca­das a pro­du­tos im­por­ta­dos, co­lheu a apro­va­ção de gran­de par­te da po­pu­la­ção nor­te-ame­ri­ca­na, até mes­mo do cam­po da opo­si­ção de­mo­cra­ta.

Em te­o­ria, o pro­tec­ci­o­nis­mo es­ti­mu­la a pro­du­ção in­ter­na e o con­su­mo de bens fa­bri­ca­dos lo­cal­men­te, com re­fle­xos po­si­ti­vos na ba­lan­ça co­mer­ci­al, de­vi­do à re­du­ção das im­por­ta­ções. Mas es­ta po­lí­ti­ca co­mer­ci­al tem efei­tos per­ver­sos pa­ra a eco­no­mia, a co­me­çar nos cus­tos de pro­du­ção in­ter­na e na sua com­pa­ra­ção com os pre­ços fi­nais dos bens im­por­ta­dos.

Os bai­xos sa­lá­ri­os e as leis tra­ba­lhis­tas res­tri­ti­vas em vi­gor nos paí­ses em vi­as de de­sen­vol­vi­men­to pa­ra on­de as gran­des mul­ti­na­ci­o­nais - mui­tas de­las nor­te-ame­ri­ca­nas -des­lo­ca­li­za­ram fá­bri­cas, ex­pli­cam es­sa di­fe­ren­ça. A tí­tu­lo de exem­plo, é mais ca­ro fa­bri­car um au­to­mó­vel ou um te­le­mó­vel nos EUA do que na Chi­na, In­do­né­sia e Ín­dia.

No en­tan­to, Do­nald Trump a acre­di­ta que a po­lí­ti­ca de in­cen­ti­vos fis­cais, com a res­pec­ti­va re­du­ção de im­pos­tos, acom­pa­nha­da da su­bi­da de ta­xas al­fan­de­gá­ri­as apli­ca­das a bens im­por­ta­dos, im­pul­si­o­na a eco­no­mia nor­te-ame­ri­ca­na e con­tri­bui pa­ra o en­gran­de­ci­men­to do or­gu­lho na­ci­o­nal.

Vis­to des­se ân­gu­lo, as me­di­das pro­tec­ci­o­nis­tas dão ra­zão ao Pre­si­den­te dos EUA. A re­du­ção dos im­pos­tos so­bre as em­pre­sas e o con­su­mo es­ti­mu­lou a eco­no­mia, cri­ou em­pre­gos e for­ta­le­ceu a po­si­ção ne­go­ci­al fa­ce à Chi­na, à União Eu­ro­peia e aos vizinhos Ca­na­dá e Mé­xi­co.

Quem da­va co­mo contado que o “isolacionismo” dos EUA, ba­se­a­do na arrogância, prejudicava os in­te­res­ses eco­nó­mi­cos e, tam­bém, geopolíticos da prin­ci­pal su­per­po­tên­cia mun­di­al en­ga­nou-se.

O “gi­gan­te asiá­ti­co” te­ve mais per­das do que ga­nhos de­pois de re­ta­li­ar con­tra o agra­va­men­to de ta­ri­fas al­fan­de­gá­ri­as apli­ca­das às mer­ca­do­ri­as ex­por­ta­das pa­ra o No­vo Mun­do. O Mé­xi­co subs­cre­veu na se­ma­na pas­sa­da um acor­do co­mer­ci­al van­ta­jo­so pa­ra os EUA, de­pois de Do­nald Trump ter “ras­ga­do” o tra­ta­do Naf­ta, de li­vre co­mér­cio com o vi­zi­nho do Sul e o Ca­na­dá.

A União Eu­ro­peia es­tá di­vi­di­da na ati­tu­de a to­mar em re­la­ção à “guerra co­mer­ci­al” de­sen­ca­de­a­da por Do­nald Trump. O Rei­no Uni­do re­for­çou a ali­an­ça tran­sa­tlân­ti­ca, ago­ra que es­tá de saída da co­mu­ni­da­de de nações eu­ro­pei­as. O Pre­si­den­te fran­cês, Em­ma­nu­el Ma­cron, mo­de­rou as crí­ti­cas con­tra a po­lí­ti­ca nor­te-ame­ri­ca­na, de­pois de ser re­ce­bi­do na Ca­sa Bran­ca co­mo um ami­go e ali­a­do. An­ge­la Mer­kel fin­ge não per­ce­ber que a Ale­ma­nha só tem a per­der se en­trar em con­fli­to co­mer­ci­al com os EUA.

Por es­tra­nho que pa­re­ça, nem to­das as em­pre­sas nor­te-ame­ri­ca­nas es­tão de acor­do com a po­lí­ti­ca co­mer­ci­al da Ca­sa Bran­ca. Em res­pos­ta, “gi­gan­tes” in­for­má­ti­cos co­mo o Go­o­gle, Twitter e Fa­ce­bo­ok são al­vos pre­di­lec­tos de Do­nald Trump. Mas nin­guém es­pe­ra­va que a mar­ca cen­te­ná­ria de mo­to­ci­cle­tas Har­ley-Da­vid­son anun­ci­as­se a in­ten­ção de en­cer­rar fá­bri­cas em terras do Tio Sam.

Fun­da­da em 1903 na ci­da­de de Milwau­kee, Es­ta­do de Wis­con­sin, ter­ra de “cow­boys”, pis­to­lei­ros, cri­a­do­res de ga­do e agri­cul­to­res na Amé­ri­ca pro­fun­da, a em­pre­sa de Wil­li­am S. Har­ley e Arthur Da­vid­son é tão fa­mo­sa co­mo a Es­tá­tua da Li­ber­da­de de No­va Iorque.

Com uma fac­tu­ra­ção de 5,25 mil mi­lhões de dó­la­res nor­te-ame­ri­ca­nos em 2013, a mar­ca cen­te­ná­ria, ce­le­bri­za­da no cinema de Hollywood e na II Guerra Mun­di­al, tem fá­bri­cas nos EUA, Bra­sil e Ín­dia.

Des­con­ten­tes com a po­lí­ti­ca pro­tec­ci­o­nis­ta de Do­nald Trump, os ac­ci­o­nis­tas e ad­mi­nis­tra­do­res da Har­ley-Da­vid­son ame­a­çam en­cer­rar fá­bri­cas nos EUA e des­lo­ca­li­zar a pro­du­ção pa­ra a Eu­ro­pa - se­gun­da mai­or fon­te de re­cei­tas da em­pre­sa - e a Tai­lân­dia. As fa­mo­sas mo­to­ci­cle­tas de al­ta ci­lin­dra­da fi­cam mais ba­ra­tas se fo­rem di­rec­ta­men­te ven­di­das nos mer­ca­dos lo­cais ou nas re­giões pe­ri­fé­ri­cas, em vez dos mo­de­los ex­por­ta­dos pe­los EUA, cu­jos pre­ços são one­ra­dos pe­las ta­ri­fas al­fan­de­gá­ri­as apli­ca­das em res­pos­ta à “guerra co­mer­ci­al”.

QUEM DA­VA CO­MO CONTADO QUE O “ISOLACIONISMO” DOS EUA, BA­SE­A­DO NA ARROGÂNCIA, PREJUDICAVA OS IN­TE­RES­SES ECO­NÓ­MI­COS E, TAM­BÉM, GEOPOLÍTICOS EN­GA­NOU-SE

EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.