Unhas ocu­pam jo­vens no Bié

Os prin­ci­pais lo­cais es­co­lhi­dos são os mer­ca­dos e es­qui­nas e é uma ac­ti­vi­da­de lu­cra­ti­va que con­cen­tra mais ho­mens que con­se­guem fac­tu­rar per­to ou aci­ma de 10 mil kwanzas dia

Jornal de Economia & Financas - - Empresas -

Onú­me­ro de ser­vi­ços de ma­ni­cu­re pres­ta­dos mai­o­ri­ta­ri­a­men­te por jo­vens, ao do­mi­cí­lio e nas ruas da ci­da­de, es­tá a au­men­tar na ci­da­de do Cui­to. É co­mum, nos di­as de ho­je, ver com frequên­cia ado­les­cen­tes e jo­vens a de­sem­pe­nha­rem es­ta fun­ção co­mo for­ma de re­du­zir o pro­ble­ma fi­nan­cei­ro que mui­tos vi­vem e ser­ve tam­bém co­mo for­ma de con­tra­por o de­sem­pre­go.

O JE fez uma ron­da pe­las prin­ci­pais ar­té­ri­as da ci­da­de e ve­ri­fi­cou is­to mes­mo, a exis­tên­cia de vá­ri­os jo­vens do gé­ne­ro mas­cu­li­no, so­bre­tu­do, com ca­dei­ras, ces­tos e mo­chi­las às cos­tas, pro­du­tos e uten­sí­li­os pro­pí­ci­os pa­ra es­ta ac­ti­vi­da­de que se tor­nou uma ver­da­dei­ra fon­te de ren­di­men­to.

Os lo­cais es­co­lhi­dos são prin­ci­pal­men­te os mer­ca­dos e as es­qui­nas de mi­ni-mer­ca­dos, mas ou­tros pre­fe­rem ca­mi­nhar pe­las ar­té­ri­as e es­qui­nas à pro­cu­ra de cli­en­tes e não se con­fi­na­rem num úni­co lo­cal.

E foi num des­te lo­cais que en­con­tra­mos António Adol­fo, jo­vem de 20 anos, que apren­deu a ac­ti­vi­da­de com um pri­mo no Lo­bi­to, em Ben­gue­la, re­si­den­te na Co­mu­na do Cun­je. O mes­mo ex­pli­cou que é fi­na­lis­ta do en­si­no mé­dio na es­co­la Co­mer­ci­al e fre­quen­ta o cur­so de Con­ta­bi­li­da­de, mas pa­ra com­prar al­guns ma­te­ri­ais di­dác­ti­cos pro­cu­ra fa­zer ma­ni­cu­re pa­ra su­por­tar os en­car­gos com a sua for­ma­ção.

O jo­vem, ain­da que, com di­fi­cul­da­des fi­nan­cei­ras que en­fren­ta pre­fe­re tra­ba­lhar tra­tan­do as unhas no mer­ca­do mu­ni­ci­pal e de tar­de vai à es­co­la, pa­ra não en­ve­re­dar pe­las más prá­ti­cas.

Em re­la­ção aos ou­tros jo­vens, o mai­or mer­ca­do pa­ra­le­lo do Tchis­sin­do, lo­ca­li­za­do a três qui­ló­me­tros da zo­na pe­ri­fé­ri­ca da ci­da­de do Cui­to, con­gre­ga o mai­or nú­me­ro.

Lo­go à en­tra­da do mer­ca­do é pos­sí­vel ver um gru­po de jo­vens sen­ta­dos no par­que de es­ta­ci­o­na­men­to, com os seus ins­tru­men­tos pre­pa­ra­dos pa­ra o tra­ta­men­to das unhas.

Já Ama­deu Maurício, ou­tro jo­vem de 18 anos, que es­ta­va a tra­tar uma das su­as cli­en­tes ha­bi­tu­ais, acla­rou que ac­tu­al­men­te mui­tas jo­vens e se­nho­ras de to­dos os ex­trac­tos so­ci­ais, pro­cu­ram o tra­ta­men­to das unhas nos mer­ca­dos pa­ra­le­los. O preço aces­sí­vel e a ra­pi­dez no tra­ba­lho, são al­gu­mas cau­sas que le­vam as se­nho­ras a tra­tar as unhas na rua.

A fac­tu­ra­ção em ma­ni­cu­re va­ria, mas às quin­tas e sex­tas-fei­ras, são os mais con­cor­ri­dos de­vi­do a re­a­li­za­ção de fes­tas e preparação da ou­tra se­ma­na pa­ra o tra­ba­lho.

O preço de ma­ni­cu­re va­ria des­de o tra­ta­men­to na­tu­ral à apli­ca­ção das unhas, com va­lo­res que ron­dam os 500 e dois mil kwanzas e um valor per­to ou aci­ma dos 10 mil kwanzas diá­rio.

PRE­FI­RO TRA­BA­LHAR TRA­TAN­DO DE UNHAS E IR À ES­CO­LA DO QUE EN­VE­RE­DAR PE­LAS MÁS PRÁ­TI­CAS

DR

Fac­tu­ra­ção com ma­ni­cu­re va­ria mui­to em fun­ção dos di­as da se­ma­na com des­ta­que pa­ra as quin­tas e sex­tas-fei­ras

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.