Os chi­ne­ses de­vem fa­ci­li­tar na ob­ten­ção de equi­pa­men­tos.

ANTÓNIO VÊNANCIO

Jornal de Economia & Financas - - Primeira Página - Xavier António António Ve­nân­cio En­ge­nhei­ro de Cons­tru­ção Ci­vil Fre­de­ri­co Baptista Es­pe­ci­a­lis­ta em Re­la­ções In­ter­na­ci­o­nais Jorge Baptista Em­pre­sá­rio

As nações ri­cas que querem aju­dar os paí­ses em vi­as de de­sen­vol­vi­men­to, co­mo é o ca­so da Chi­na, não de­vi­am anun­ci­ar as ver­bas co­los­sais, de­fen­de o en­ge­nhei­ro de cons­tru­ção ci­vil, António Ve­nân­cio.

O tam­bém fis­ca­lis­ta de obras, con­si­de­ra que os mon­tan­tes fi­nan­cei­ros a se­rem dis­po­ni­bi­li­za­dos não re­sol­ver os pro­ble­mas de com­ba­te à po­bre­za tão pou­co de­sen­vol­ve­rem as eco­no­mi­as.

O en­ge­nhei­ro de­fen­de que de­vi­am for­ne­cer má­qui­nas e ou­tros equi­pa­men­tos, con­tri­buir pa­ra a for­ma­ção de qua­dros, e mais ma­te­ri­al pa­ra a cons­tru­ção e ape­tre­cha­men­to de es­co­las e hos­pi­tais pré-fa­bri­ca­dos.

“O di­nhei­ro ex­ces­si­vo que a Chi­na quer espalhar em África ape­nas vai ati­çar os ci­da­dãos afri­ca­nos a en­ve­re­dar à po­lí­ti­ca e na lu­ta pe­la con­quis­ta do po­der”, ga­ran­tiu António Ve­nân­cio, na sua pá­gi­na do Fa­ce­bo­ok.

Dé­fi­ce na ba­lan­ça

O en­ge­nhei­ro acres­cen­tou ain­da que es­tes fi­nan­ci­a­men­tos ro­bus­tos au­men­tam o dé­fi­ce da ba­lan­ça de pa­ga­men­tos dos paí­ses afri­ca­nos e cri­am mai­or de­pen­dên­cia fa­ce aos pro­du­tos chi­ne­ses.

Exem­pli­fi­cou que “qu­an­do um pai ama de ver­da­de o seu filho, não lhe dá, nem lhe em­pres­ta di­nhei­ro, ori­en­ta-o pa­ra a for­ma­ção e lhe en­che de co­nhe­ci­men­tos e ex­pe­ri­ên­ci­as”, dis­se.

Pa­ra António Ve­nân­cio, par­te dos 60 mil mi­lhões de dó­la­res que o gi­gan­te asiá­ti­co vai dis­po­ni­bi­li­zar pa­ra fi­nan­ci­ar pro­jec­tos em África vão pa­rar em mãos de po­lí­ti­cos, o que po­de trans­for­mar-se nu­ma pól­vo­ra pa­ra in­cen­di­ar âni­mos po­lí­ti­cos e ge­rar ain­da mais con­fli­tos nas re­giões.

En­ten­de que subs­ti­tuir o anún­cio va­lo­ra­ti­vo mo­ne­tá­rio por ma­te­ri­al se­ria mil ve­zes mais aglu­ti­nan­te e com­pen­sa­dor.

“Per­gun­to aos afri­ca­nos e ao mun­do quan­tos trac­to­res, quan­tas cen­trais de be­tão, fá­bri­cas têx­teis, mé­di­cos, es­co­las e pos­tos de tra­ba­lho a Chi­na vai aju­dar a cri­ar?.

Pros­se­guiu que en­quan­to is­so não acon­te­cer, co­lo­ca­rá sem­pre sé­ri­as re­ser­vas so­bre es­te ti­po de em­prés­ti­mos bi­li­o­ná­ri­os con­ce­di­dos sem pré­vi­as con­di­ções de trans­pa­rên­cia.

“Eu não ap0s­to nes­te mo­de­lo de aju­da a pen­sar no que acont­ceu com An­go­la. Foi um au­tên­ti­co de­sas­tre”, fi­na­li­zou o tam­bém pro­fes­sor uni­ver­si­tá­rio.

In­te­res­se na­ci­o­nal

Por seu tur­no, o es­pe­ci­a­lis­ta em Re­la­ções In­ter­na­ci­o­nais Fre­de­ri­co Baptista en­ten­de que o fó­rum de cooperação chi­nês-África é uma ac­ção es­tra­té­gi­ca na me­di­da em que vem dar res­pos­ta à guerra co­mer­ci­al exis­ten­te en­tre as gran­des po­tên­ci­as.

Explica que, em­bo­ra o mer­ca­do afri­ca­no não se­ja tão moderno, mas é di­nâ­mi­co pa­ra os in­te­res­ses chi­ne­ses.

Su­bli­nha que, além dos “en­ve­lo­pes” que a Chi­na vai dis­po­ni­bli­zar, é pre­ci­so olhar pa­ra o in­te­res­se na­ci­o­nal, por­que ca­da país afri­ca­no tem os seus pro­be­la­mas e re­a­li­da­des.

“No ca­so con­cre­to de An­go­la, o prin­ci­pal des­ti­no do fi­nan­ci­am­ne­to chi­nês é pa­ra pa­gar dí­vi­da pú­bli­ca, pois de­pen­der do OGE não es­tá a re­sul­tar”, acla­rou.

Fre­de­ri­co Baptista es­cla­re­ce ain­da que os fi­nan­ci­a­men­tos têm aju­da­do nal­guns ca­sos, mas li­qui­dá-los por via do pe­tro­léo pre­ju­di­ca a eco­no­mia an­go­la­na.

Por is­so, acre­di­ta que o Pre­si­den­te João Lou­ren­ço já cri­ou no­vas ba­li­zas no âm­bi­to des­ta cooperação e a Chi­na já per­ce­beu o ru­mo que An­go­la quer se­guir nos pró­xo­mos tem­pos.

Mas do que is­so, de­fen­de, é ur­gen­te ga­ran­tir os fi­nan­ci­a­men­tos di­rec­tos às em­pre­sas a fim de se me­lho­rar os ní­veis de con­su­mo in­ter­no e evi­tar-se a fu­ga ao fis­co.

Já em­pre­sá­rio Jorge Baptista in­sis­te que An­go­la não po­de es­tar re­fém de uma úni­ca po­tên­cia mun­di­al, pois tem que pro­cu­rar al­ter­na­ti­vas ób­vi­as e in­te­res­san­tes.

Por is­so, de­fi­ne a Chi­na co­mo sen­do um bom par­cei­ro “mas é pre­ci­so re­ver os ter­mos da par­ce­ria com o gi­gan­te asiá­ti­co”. Jorge Baptista afir­ma que não se po­de co­me­ter er­ros nu­ma fa­se de vi­ra­da pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to.

Se­gun­do o res­pon­sá­vel, o país que mais in­ves­te em África con­ti­nua a ser os EUA, se­gui­do pe­lo Rei­no Uni­do e a Fran­ça, e nun­ca a Chi­na. “É pre­ci­so ver as coi­sas que pos­sam tra­zer o de­sen­vol­vi­men­to de que pre­ci­sa­mos”, dis­se.

HA­VE­RÁ MAI­OR DE­PEN­DÊN­CIA DOS AFRI­CA­NOS AOS PRO­DU­TOS CHI­NE­SES ALÉM DOS “EN­VE­LO­PES”, É PRE­CI­SO OLHAR PA­RA O IN­TE­RES­SE NA­CI­O­NAL A CHI­NA É UM BOM PAR­CEI­RO, MAS É PRE­CI­SO RE­VER OS TER­MOS DA PAR­CE­RIA

O fi­nan­ci­a­men­to do governo Chi­nês a An­go­la de­ve­ria ser­vir pa­ra aqui­si­ção de equi­pa­men­tos pe­sa­dos

EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

AGOSTINHO NAR­CI­SO | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.