A ter­ci­a­ri­za­ção de ser­vi­ços tem pe­na­li­za­do em­pre­sas or­ga­ni­za­das

FRAN­CIS­CO DA SILVA

Jornal de Economia & Financas - - Primeira Página - Mateus Ca­vum­bo * com RNA

An­go­la de­ve de­se­nhar um no­vo mo­de­lo na apli­ca­ção do acor­do com a Chi­na, pois mui­tas em­pre­sas an­go­la­nas têm si­do pre­te­ri­das, o que não é bom, se­gun­do Fran­cis­co da Silva. Em en­tre­vis­ta à Rá­dio Na­ci­o­nal de An­go­la (RNA), o em­pre­sá­rio an­go­la­no en­ten­de que a aju­da do mons­tro asiá­ti­co é ne­ces­sá­ria, mas o Governo te­ria de par­tir pa­ra em­prés­ti­mos, não pa­ra fi­nan­ci­a­men­tos, o que aju­da­ria a eco­no­mia na­ci­o­nal a fun­ci­o­nar em ple­no. Pa­ra em­pre­sá­rio, o fi­nan­ci­a­men­to cria em­pre­go na Chi­na e de­sem­pre­go em An­go­la.

O que se es­pe­ra do fi­nan­ci­a­men­to chi­nês pa­ra An­go­la?

É de bom gra­do que as nos­sas re­la­ções es­te­jam a de­sen­vol­ver de for­ma mui­to ace­le­ra­da. A Chi­na tem si­do um par­cei­ro for­te pa­ra o mer­ca­do an­go­la­no e não só, pois tem ti­do uma pre­sen­ça for­te em África. Ago­ra, é im­por­tan­te que co­me­ce­mos a ana­li­sar as ques­tões es­tri­ta­men­te in­ter­nas, ou se­ja, olhar pa­ra os nos­sos in­te­res­ses: porquê? Se­rá que es­ta­mos a im­por­tar dí­vi­das? O que nos in­te­res­sa ago­ra, ao in­vés de so­li­ci­tar fi­nan­ci­a­men­tos, se­ria bom que par­tís­se­mos pa­ra em­prés­ti­mos, o que aju­da­ria a eco­no­mia na­ci­o­nal a fun­ci­o­nar de for­ma di­fe­ren­te. Fi­ca-se com a sen­sa­ção de que o fi­nan­ci­a­men­to é o en­vio de di­nhei­ro pa­ra An­go­la, o que não é ver­da­de.

O que se pas­sa de fac­to?

O que acon­te­ce é que o chi­nês vem tra­zer cá es­co­las, es­tra­das, etc. E o di­nhei­ro fi­ca na Chi­na. O fi­nan­ci­a­men­to cria em­pre­go na Chi­na e cria de­sem­pre­go em An­go­la, fi­can­do o di­nhei­ro por lá. É que as pes­so­as não têm no­ção. Ir bus­car fi­nan­ci­a­men­to jul­gam que o Pre­si­den­te vai tra­zer di­nhei­ro pa­ra An­go­la. Se vi­er é em pou­ca quantidade por­que há ru­bri­cas pe­que­nas que an­dam à vol­ta de 25 a 30% sal­vo er­ro, mas sa­be­mos que gran­de par­te aca­ba por fi­car na Chi­na. Há uma selecção de ma­té­ri­as-pri­mas e as em­pre­sas pa­ra tra­ba­lha­rem no país.

Es­sa apre­sen­ta­ção da no­va An­go­la que es­tá a ser en­ca­be­ça­da pe­lo Pre­si­den­te João Lou­ren­ço, o que po­de tra­zer de no­vo pa­ra a eco­no­mia an­go­la­na?

O Pre­si­den­te tem passado uma men­sa­gem de fir­me­za na­qui­lo que tem si­do a sua li­nha de ac­ção e tem si­do mui­to po­si­ti­va por­que a mai­or de pre­o­cu­pa­ção, ou se­ja, a pés­si­ma ima­gem de que An­go­la se de­ba­te é a cor­rup­ção, pois ela tem si­do o nos­so mai­or em­ble­ma no ex­te­ri­or. E o Pre­si­den­te tem passado uma ima­gem de que o país es­tá fir­me no com­ba­te à cor­rup­ção e ou­tros ma­les que cor­ro­em a eco­no­mia na­ci­o­nal. Eu até cha­mo de cer­tas epi­de­mi­as. Es­sa lu­ta não se­rá fá­cil por es­tar en­rai­za­da no seio dos an­go­la­nos, mas se nós con­se­gui­re­mos ven­cer es­ses ma­les, acre­di­to que An­go­la es­ta­rá en­tre os paí­ses ci­mei­ros no que o de­sen­vol­vi­men­to diz res­pei­to.

Não es­tá sa­tis­fei­to pe­lo tra­ta­men­to da­do aos em­pre­sá­ri­os an­go­la­nos?

O Governo tem que adop­tar po­lí­ti­cas mais agres­si­vas de apoio à classe em­pre­sa­ri­al an­go­la­na, bus­can­do de fac­to os em­pre­sá­ri­os que tra­ba­lham e que mos­trem as ac­ções prá­ti­cas. As di­fi­cul­da­des de­les de­vem ser mais ate­nu­a­das. Não es­tou a fa­lar de em­pre­sá­ri­os de ga­bi­ne­te. Re­fi­ro-me àque­les que têm uma ac­ção di­rec­ta com o mer­ca­do lo­cal, so­bre­tu­do os que mos­tram o seu po­ten­ci­al. Há mui­tos que já mos­tra­ram e que querem tra­ba­lhar. O país tem em­pre­sá­ri­os for­tes es­pa­lha­dos em vá­ri­as áre­as, co­mo da agri­cul­tu­ra, cons­tru­ção ci­vil e em to­dos seg­men­tos de ne­gó­ci­os. O pro­ble­ma é que es­ses não são ti­dos si­do nem acha­dos. O Pre­si­den­te da República es­tá a ir bus­car fi­nan­ci­a­men­to à Chi­na, na Ale­ma­nha, Fran­ça, mas nós te­mos em­pre­sá­ri­os na­ci­o­nais a in­ves­ti­rem no ex­te­ri­or e mui­tos com di­nhei­ro a abri­rem re­fi­na­ri­as, le­va­rem di­nhei­ro a ou­tras nações, on­de são res­pei­ta­dos. Ho­je, nós te­mos em­pre­sá­ri­os for­tes a in­ves­ti­rem na Na­mí­bia, África Sul, na Amé­ri­ca e Por­tu­gal e há pa­tri­mó­ni­os e em­pre­sas que são de an­go­la­nos nou­tros paí­ses, prin­ci­pal­men­te na Eu­ro­pa.

O que gos­ta­ria de ver mu­da­do no pro­ces­so de con­tra­ta­ção de em­pre­sas que tra­ba­lham com as es­tran­gei­ras, par­ti­cu­lar­men­te no âm­bi­to do fi­nan­ci­a­men­to chi­nês?

O que de­ve ser mu­da­do é, jus­ta­men­te, a for­ma de con­tra­ta­ção de em­pre­sas. As que são se­lec­ci­o­na­das (20 ou 30% do ne­gó­cio)são em­pre­sas in­di­ca­das pe­lo po­der po­lí­ti­co cu­jas em­pre­sas não têm in­fra-es­tru­tu­ras, equi­pa­men­tos, email... são cri­a­das de ma­nhã no Gui­ché Úni­co e à tar­de ga­nham os “cho­ru­dos” con­tra­tos. Is­so é mais agra­va­do pe­lo fac­to de não te­rem ex­pe­ri­ên­cia, prá­ti­ca, “know-how” e não do­mi­na­rem o “co­re-bu­si­ness”, en­fim! Di­go que não são em­pre­sas pro­pri­a­men­te di­tas: são pa­péis. Te­mos que pa­rar de ter em­pre­sas in­ter­me­diá­ri­as, pois elas ga­nham os con­tra­tos e vão bus­car quem faz pa­ra lu­crar. E por que não se atri­bui os ser­vi­ços di­rec­ta­men­te as que fa­zem?. Há muita subfacturação e es­ta­mos a cri­ar uma es­tru­tu­ra pe­sa­da ao Es­ta­do por cau­sa des­sa ter­ci­a­ri­za­ção. Te­mos que ter mais cla­re­za na con­tra­ta­ção de em­pre­sas. Em su­ma, te­mos que co­me­çar a en­tre­gar em mãos àque­las que exe­cu­tam ver­da­dei­ra­men­te o tra­ba­lho.

O Ban­co Na­ci­o­nal de An­go­la vol­tou a ven­der dó­la­res nos seus lei­lões. Co­mo em­pre­sá­rio, o que tem a di­zer so­bre es­se co­me­ço da ac­ção do ban­co cen­tral?

Is­so mos­tra que há um es­for­ço da par­te do Governo. Nós sen­ti­mos na pe­le e ti­ve­mos pro­ble­mas gra­ves por fal­ta de di­vi­sas por­que o nos­so país vi­ve es­sen­ci­al­men­te de im­por­ta­ção. Mes­mo que a mal­ta co­lo­que uma fá­bri­ca em An­go­la, mas a pe­ça ou a ma­té­ria-pri­ma tem de vir do ex­te­ri­or. É sem­pre um alí­vio. E, ago­ra, co­me­ça a se de­se­nhar mais rá­pi­do o cres­ci­men­to da eco­no­mia e es­pe­ra­mos que o Governo to­me me­di­das pa­ra que não ha­ja mais escassez de dó­la­res no mer­ca­do. Que­re­mos uma eco­no­mia mui­to mais con­tro­la­da, for­te e sé­ria, e que ve­nha a dar dig­ni­da­de à pos­tu­ra an­go­la­na.

O FI­NAN­CI­A­MEN­TO CRIA EM­PRE­GO NA CHI­NA E DE­SEM­PRE­GO EM AN­GO­LA SUBFACTURAÇÃO DE EM­PRE­SAS INEXISTENTES É UM PRO­BLE­MA

CEDIDA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.