Ou ago­ra, ou nun­ca!

Jornal de Economia & Financas - - Opinião -

“Tu­do que tem um co­me­ço tem um fim por­que é as­sim a di­a­léc­ti­ca da vi­da”, foi uma das úl­ti­mas afir­ma­ções do Pre­si­den­te Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos.

Es­ta pas­sa­gem é aqui cha­ma­da pa­ra não só fa­lar da saí­da de al­guns go­ver­na­do­res, mas lem­brar que co­me­ça um no­vo ci­clo pa­ra seis das de­zoi­to províncias: Bié, Cu­ne­ne, Hu­am­bo, Huí­la, Lun­da Sul e Zai­re.

O que representam es­tas mu­dan­ças? De uma ma­nei­ra ge­ral, jul­ga­mos, pa­ra im­pri­mir mai­or di­nâ­mi­ca no aten­di­men­to às ques­tões províncias no qua­dro do Pla­no Na­ci­o­nal de De­sen­vol­vi­men­to 2018-2022.

O PND, sen­do o prin­ci­pal ins­tru­men­to do Exe­cu­ti­vo vi­ra­do na pro­mo­ção do de­sen­vol­vi­men­to so­ci­o­e­co­nó­mi­co, vin­cu­la as províncias e os go­ver­nos lo­cais que são res­pon­sa­bi­li­za­dos em da­rem res­pos­tas aos de­sa­fi­os na­ci­o­nais.

E quais são os de­sa­fi­os na­ci­o­nais até 2022? Re­fe­re o pla­no, pa­ra este pe­río­do, pro­jec­ta-se uma gra­du­al ace­le­ra­ção do cres­ci­men­to eco­nó­mi­co que de­ve­rá re­gis­tar um de­sem­pe­nho mé­dio re­al de 3%, as­so­ci­a­da a uma ace­le­ra­ção do cres­ci­men­to do sec­tor não pe­tro­lí­fe­ro, no­me­a­da­men­te, no sec­tor da agricultura, pescas, in­dús­tria trans­for­ma­do­ra, cons­tru­ção e dos ser­vi­ços (in­cluin­do o tu­ris­mo) e a uma re­du­ção da im­por­ta­ção do pro­du­to pe­tro­lí­fe­ro.

En­tre­tan­to, a di­men­são es­tra­té­gi­ca do PND es­tá ex­pres­sa em seis ei­xos que esclarecem as su­as pri­o­ri­da­des ge­rais e que de­vem cons­ti­tuir a es­tra­té­gia a se­guir.

En­tre es­tas ori­en­ta­ções, a pri­mei­ra é con­si­de­ra­da de di­men­são cen­tral de to­do o pla­no, na me­di­da em que a me­lho­ria do be­mes­tar dos ci­da­dãos e da qualidade de vi­da das fa­mí­li­as, a re­du­ção da po­bre­za e das de­si­gual­da­des e a pro­mo­ção do ní­vel de de­sen­vol­vi­men­to hu­ma­no são con­di­ções es­sen­ci­ais pa­ra o pro­gres­so eco­nó­mi­co. Fa­la igual­men­te do de­sa­fio li­ga­do à ge­ra­ção de opor­tu­ni­da­des de em­pre­go.

É ób­vio que se quer um país que ca­mi­nhe ra­pi­da­men­te e che­gue a es­ta­bi­li­da­de. As pes­so­as es­tão com pres­sa e es­pe­ram por re­so­lu­ções ur­gen­tes. Tal só se con­se­gue com go­ver­nan­tes que es­te­jam “de co­ra­ção” pa­ra dar o me­lhor de se a cau­sa co­mum. En­tre es­tas, ali­men­ta­ção a bai­xo cus­to, ex­pan­são do trans­por­te pú­bli­co, for­ne­ci­men­to de “água pa­ra to­dos”. De for­ma ge­ral, ge­ra­ção de ri­que­za que pro­por­ci­o­ne qualidade de vi­da.

Uma go­ver­na­ção tem de ter pre­sen­te es­ta res­pon­sa­bi­li­da­de so­ci­al. Os no­vos go­ver­na­do­res, nes­ta no­va fa­se do am­bi­en­te so­ci­o­e­co­nó­mi­co, de­vem cons­ti­tuir num bom exem­plo de li­de­ran­ça. Num mo­de­lo di­fe­ren­te e con­ta­gi­an­te. Que sai­bam go­ver­nar aten­den­do as ne­ces­si­da­des dos li­de­ra­dos. E que sai­bam jus­ti­fi­car a con­fi­an­ça de­po­si­ta­da.

A ques­tão do em­pre­go é cru­ci­al e as me­tas tra­ça­das até 2022, es­pe­ra-se que se­jam al­can­ça­das. Aliás, co­mo de­fen­deu o eco­no­mis­ta Gal­vão Bran­co nu­ma en­tre­vis­ta ao Jor­nal de Economia & Fi­nan­ças, na sua edi­ção de 31 de Agos­to úl­ti­mo, tem que se re­pri­o­ri­zar a ques­tão do tra­ta­men­to da de­si­gual­da­de so­ci­al de for­ma que o rá­cio en­tre a ri­que­za exis­ten­te e os ren­di­men­tos, não se­ja tão acen­tu­a­do e dis­cri­mi­na­tó­rio, de for­ma a que a es­ta­bi­li­da­de so­ci­al pos­sa ser pre­ser­va­da.

Pois, sus­ten­tou, não po­de­mos vi­ver na tran­qui­li­da­de e in­di­fe­ren­ça quan­do exis­tem no nos­so país cer­ca de 8 mi­lhões de an­go­la­nos ain­da a vi­ve­rem em si­tu­a­ção de ex­tre­ma po­bre­za.

Por in­crí­vel que pa­re­ça, es­ta é a ver­da­de nua e crua e que ca­be aos go­ver­nos pro­vin­ci­ais aju­da­rem a cor­rir o qua­dro de si­tu­a­ção pa­ra o bem de to­dos. Se­ja­mos ca­da vez mais ri­go­ro­sos no tra­ta­men­to das so­lu­ções aos pro­ble­mas que mais afectam a Na­ção. Não é pe­dir mui­to. É obri­ga­ção de quem exer­ce car­go pú­bli­co.

SE­JA­MOS CA­DA VEZ MAIS RI­GO­RO­SOS NO TRA­TA­MEN­TO DAS SO­LU­ÇÕES AOS PRO­BLE­MAS QUE MAIS AFECTAM A NA­ÇÃO.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.