Ac­ci­o­nis­tas de ex-BESA di­zem que Ál­va­ro So­bri­nho “men­tiu”

Jornal de Economia & Financas - - Especial -

Os ac­ci­o­nis­tas do an­ti­go BES An­go­la (BESA) acu­sam o ex-pre­si­den­te da ins­ti­tui­ção, Ál­va­ro So­bri­nho, de men­tir nas acu­sa­ções so­bre a fa­lên­cia da ins­ti­tui­ção, de­cla­ra­da em 2014, e que o em­pre­sá­rio diz ter si­do uma nar­ra­ti­va de­sen­vol­vi­da en­tão pe­los pró­pri­os ac­ci­o­nis­tas do ban­co e com uma mo­ti­va­ção po­lí­ti­ca. So­bri­nho põe tam­bém em cau­sa o fac­to de ter ha­vi­do uma fa­lên­cia efec­ti­va da ins­ti­tui­ção.

Em co­mu­ni­ca­do, os ac­ci­o­nis­tas e o pre­si­den­te do con­se­lho de administração do Ban­co Eco­nó­mi­co (BE, que tem ori­gem no BESA) con­si­de­ram “fal­sas e ca­lu­ni­o­sas” às acu­sa­ções con­ti­das nas de­cla­ra­ções de Ál­va­ro So­bri­nho, acu­san­do-o, por sua vez, de men­tir por “não apre­sen­tar os fac­tos tal co­mo eles ocor­re­ram”.

Nes­se sen­ti­do, os ac­ci­o­nis­tas, que, es­cre­ve-se no co­mu­ni­ca­do, “aca­ba­ram por as­su­mir gran­des per­das do in­ves­ti­men­to que ha­vi­am re­a­li­za­do”, ape­la­ram ao Ban­co Na­ci­o­nal de An­go­la (BNA) e à Pro­cu­ra­do­ria-Ge­ral da Re­pú­bli­ca (PGR) pa­ra se pro­nun­ci­a­rem, ma­ni­fes­tan­do, pa­ra­le­la­men­te, “to­tal dis­po­ni­bi­li­da­de pa­ra o es­cla­re­ci­men­to da ver­da­de”.

No do­cu­men­to, em que são ci­ta­dos dois co­mu­ni­ca­dos, um do BNA e ou­tro do Ban­co de Por­tu­gal (BdP), os ac­ci­o­nis­tas re­fe­rem que “não hou­ve qual­quer de­ci­são po­lí­ti­ca pa­ra de­cre­tar a fa­lên­cia do BESA”, tal co­mo foi re­fe­ri­do por Ál­va­ro So­bri­nho.

“A fa­lên­cia do BESA, em 14 de Ou­tu­bro de 2014, de­cor­reu, sim, dos er­ros da sua ges­tão e dos seus di­nhei­ros que pa­ra si re­ti­rou, sen­do es­ta uma ques­tão da sua exclusiva res­pon­sa­bi­li­da­de”, lê-se no co­mu­ni­ca­do.

A fir­ma Ge­ni, re­pre­sen­ta­da pe­lo ge­ne­ral Le­o­pol­di­no do Nas­ci­men­to, Ma­nu­el Vicente, em re­pre­sen­ta­ção do ex-Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, o ex-mi­nis­tro de Es­ta­do e chefe da Ca­sa Mi­li­tar Hel­der Vi­ei­ra Di­as “Ko­pe­li­pa” (pe­la com­pa­nhia Port­mill), o ex-pre­si­den­te da As­sem­bleia Na­ci­o­nal Pau­lo Cas­so­ma (pre­si­den­te de Me­sa da As­sem­bleia) e Ri­car­do Salgado, pe­lo Ban­co Es­pí­ri­to San­to (Por­tu­gal), eram os prin­ci­pais ac­ci­o­nis­tas, se­gun­do o ban­cá­rio.

Ho­je, no co­mu­ni­ca­do, os ac­ci­o­nis­tas e o pre­si­den­te do con­se­lho de administração do BE di­zem que Ál­va­ro So­bri­nho men­tiu so­bre a su­pos­ta fal­ta de solidariedade quan­do, em 2012, o BESA, “fa­ce ao re­cur­so ex­ces­si­vo ao re­des­con­to e às di­fi­cul­da­des no mer­ca­do in­ter­ban­cá­rio”, o go­ver­no an­go­la­no con­vo­cou uma reu­nião pa­ra ana­li­sar a si­tu­a­ção.

Na reu­nião, afir­mam, o go­ver­no es­te­ve re­pre­sen­ta­do pe­lo en­tão mi­nis­tro de Es­ta­do e Chefe da Ca­sa Ci­vil, Car­los Ma­ria Fei­jó, ten­do es­ta­do tam­bém pre­sen­tes o mi­nis­tro das Fi­nan­ças, Car­los Al­ber­to Lo­pes, o di­rec­tor da Uni­da­de de Ges­tão da Dí­vi­da Pú­bli­ca ao Mi­nis­té­rio das Fi­nan­ças, Car­los Pan­zo, os ac­ci­o­nis­tas an­go­la­nos e Ál­va­ro So­bri­nho.

“Ál­va­ro So­bri­nho viu os seus ar­gu­men­tos de­fen­di­dos pe­los ac­ci­o­nis­tas an­go­la­nos fa­ce à po­si­ção do BNA. Fe­liz­men­te, o atu­al go­ver­na­dor do BNA, Jo­sé de Lima Mas­sa­no, de­sem­pe­nha­va, à da­ta dos fac­tos, a mes­ma fun­ção, ten­do to­ma­do par­te na re­fe­ri­da reu­nião, pe­lo que é fonte idó­nea pa­ra a con­fir­ma­ção do que ocor­reu”, adi­an­ta o co­mu­ni­ca­do.

Os ac­ci­o­nis­tas re­cor­rem, en­tão, a dois co­mu­ni­ca­dos dos ban­cos cen­trais de An­go­la e de Por­tu­gal pa­ra “re­ve­lar a ver­da­de e des­mas­ca­rar as mentiras” de Ál­va­ro So­bri­nho, em que há pas­sa­gens que são “re­ve­la­do­ras das con­sequên­ci­as da ges­tão da­no­sa” do an­ti­go pre­si­den­te da Co­mis­são Exe­cu­ti­va do BESA que, na en­tre­vis­ta , “não se coi­biu, com mo­ti­va­ções in­con­fes­sas, de ten­tar en­la­me­ar os no­mes de pes­so­as e en­ti­da­des que le­sou com as su­as fal­sas de­cla­ra­ções”.

Por seu la­do, no co­mu­ni­ca­do do BdP, de 3 de Agos­to de 2014, é re­fe­ri­do que os re­sul­ta­dos do ban­co di­vul­ga­dos em 30 de Ju­lho do mes­mo ano “re­flec­tem a prá­ti­ca de ac­tos de ges­tão gra­ve­men­te pre­ju­di­ci­ais aos in­te­res­ses do Ban­co Es­pí­ri­to San­to, SA, e a vi­o­la­ção de de­ter­mi­na­ções do Ban­co de Por­tu­gal que proi­bi­am o au­men­to da ex­po­si­ção a ou­tras en­ti­da­des do Gru­po Es­pí­ri­to San­to”.

“Es­tes ac­tos tra­du­zi­ram-se num pre­juí­zo adi­ci­o­nal na or­dem dos 1,5 mil mi­lhões de eu­ros fa­ce ao ex­pec­tá­vel, na sequên­cia da co­mu­ni­ca­ção do Ban­co Es­pí­ri­to San­to, SA, ao mer­ca­do, da­ta­da de 10 de Ju­lho de 2014”, es­cla­re­ce o mes­mo co­mu­ni­ca­do do BdP.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.