Cres­ci­men­to de­mo­grá­fi­co tra­va dis­tri­bui­ção de água na ci­da­de de Ben­gue­la

Em­pre­sa de Águas e Sa­ne­a­men­to lo­cal es­tu­da pos­si­bi­li­da­de de au­men­tar a ofer­ta ape­sar de es­ta­rem de­gra­da­das as máquinas

Jornal de Economia & Financas - - Destaque - António Gonçalves em Ben­gue­la

Ocres­ci­men­to de­mo­grá­fi­co que a ci­da­de de Ben­gue­la as­sis­te nos úl­ti­mos tem­pos, o que ori­gi­nou o sur­gi­men­to de no­vos aglo­me­ra­dos po­pu­la­ci­o­nais, es­tá a con­di­ci­o­nar o nor­mal abas­te­ci­men­to de água po­tá­vel por par­te da Em­pre­sa de Águas e Sa­ne­a­men­to de Ben­gue­la (EASB).

Cri­a­da pe­lo Exe­cu­ti­vo pa­ra pro­du­zir e dis­tri­buir água po­tá­vel pa­ra as ci­da­des do li­to­ral da pro­vín­cia, a Easb, cu­jo pro­jec­to foi im­ple­men­ta­do em três fa­ses, ini­ci­a­do em 2007 e con­cluí­do em 2012, or­ça­do em cer­ca de 260 mi­lhões de dó­la­res, proporciona o for­ne­ci­men­to de ape­nas um metro cú­bi­co de água por se­gun­do.

Em en­tre­vis­ta ao JE, o pre­si­den­te do Con­se­lho de Administração da Easb, Jai­me Al­ber­to, re­ve­lou que o fac­to de já se te­rem pas­sa­do seis anos des­de que a em­pre­sa foi con­cluí­da e não te­rem si­do fei­tos quais­quer in­ves­ti­men­tos no sec­tor, es­tá na ba­se da exis­tên­cia de um dé­fi­ce.

“A ci­da­de cres­ceu com no­vos bair­ros que sur­gi­ram nos úl­ti­mos anos, o que obri­gou a em­pre­sa a re­gis­tar um dé­fi­ce no abas­te­ci­men­to de água”, su­bli­nhou.

Ain­da as­sim, o PCA da em­pre­sa pú­bli­ca dis­se que a

RE­LA­TI­VA­MEN­TE AO CAS­CO UR­BA­NO DA CI­DA­DE DE BEN­GUE­LA, TE­MOS O ABAS­TE­CI­MEN­TO DE ÁGUAS DU­RAN­TE AS 24 HORAS DO DIA

qualidade da água pro­du­zi­da, dis­tri­buí­da e con­su­mi­da a ní­vel da pro­vín­cia de Ben­gue­la é a re­co­men­da­da pe­la Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al da Saú­de.

Sis­te­mas de dis­tri­bui­ção

Ac­tu­al­men­te es­tá a fun­ci­o­nar dois sis­te­mas de pro­du­ção e dis­tri­bui­ção, um ins­ta­la­do no rio Ca­tum­be­la de­no­mi­na­do Es­ta­ção de Tra­ta­men­to de Água de Ben­gue­la (ETA-Ben­gue­la), com a ca­pa­ci­da­de de qua­tro mil me­tros cú­bi­cos/ho­ra.

Es­ta ca­pa­ci­da­de é dis­tri­buí­da pa­ra o mu­ni­cí­pio de Ben­gue­la e a va­ri­an­te as­so­ci­a­da ao Cam­po de Fu­ros de Ben­gue­la, on­de são tra- ta­dos 630 me­tros cú­bi­cos/ho­ra, o sis­te­ma tra­ba­lha 24 horas ao dia, na sua ca­pa­ci­da­de má­xi­ma.

“Re­la­ti­va­men­te ao cas­co ur­ba­no da ci­da­de de Ben­gue­la, que (vai da va­la do rio Co­rin­ge até a par­te li­to­ral da ci­da­de e al­guns bair­ros) te­mos o abas­te­ci­men­to de água du­ran­te as 24 horas do dia”, in­for­mou.

O PCA da Easb in­for­mou em áre­as com dé­fi­ce na dis­tri­bui­ção de água, exis­tem con­su­mi­do­res que são abas­te­ci­dos só no pe­río­do noc­tur­no e co­mo pos­su­em tan­ques com mai­or ca­pa­ci­da­de, dis­tri­bu­em ou ven­dem pa­ra aque­les que não pos­su­em.

Re­ve­lou que nas “áre­as re­mo­tas” e que não pos­su­em se­quer li­ga­ções do­mi­ci­liá­ri­as, os mo­ra­do­res são abas­te­ci­dos por camiões-cis­ter­nas, re­cor­ren­do nes­te ca­so, a um for­ne­ce­dor pri­va­do, uma vez que a dis­tri­bui­ção da água é um sec­tor liberalizado.

Acres­cen­tou o fac­to dos dis­tri­bui­do­res “li­be­rais” co­bra­rem um va­lor pe­cu­niá­rio por es­se for­ne­ci­men­to, a Easb es­tá a ca­das­trar to­dos os cli­en­tes pos­sui­do­res de tan­ques em su­as re­si­dên­ci­as, bem co­mo os uti­li­za­do­res dos camiões cis­ter­nas.

Por se­rem con­si­de­ra­dos re­ven­de­do­res, a em­pre­sa es­tá a co­brá-los pe­la quan­ti­da­de de água que con­so­mem.

CONTREIRAS PIPA | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.