Sob três ro­das ou mais

Ape­sar dos in­ves­ti­men­tos re­a­li­za­dos e pro­gra­mas im­ple­men­ta­dos, a água não con­tem­pla ain­da gran­de par­te da po­pu­la­ção re­si­den­te em Lu­an­da

Jornal de Economia & Financas - - Destaque - Car­los Cardoso

Oa­bas­te­ci­men­to de água nos di­fe­ren­tes bair­ros da ca­pi­tal an­go­la­na con­ti­nua a cons­ti­tuir mo­ti­vo de in­sa­tis­fa­ção dos mo­ra­do­res. Ha­bi­tan­tes da pro­vín­cia de Lu­an­da ma­ni­fes­tam to­tal des­con­ten­ta­men­to em re­la­ção à qualidade dos ser­vi­ços pres­ta­dos pe­la em­pre­sa pú­bli­ca de águas da ca­pi­tal do país. A re­por­ta­gem do JE foi à rua pa­ra cons­ta­tar “in-lo­co” as ra­zões de tal des­con­ten­ta­men­to.

Aos de­ta­lhes

São seis horas da ma­nhã. A rua de Macau, no bair­ro da Ter­ra No­va, re­gis­ta um mo­vi­men­to tran­qui­lo, pró­prio das pri­mei­ras horas do dia, não fos­se o fre­né­ti­co vai e vem das mo­tos de três ro­das “Vul­go Ku­pa­pa” que tra­fe­gam de vá­ri­as pro­ve­ni­ên­ci­as e pa­ra va­ri­a­dos des­ti­nos lo­go ao nas­cer do sol. Dois ocu­pan­tes por tri­ci­clo, acro­ba­ti­ca­men­te es­me­ram-se por me­re­cer a pre­fe­rên­cia das pes­so­as à por­ta de ca­sa. “Afi­nal é pre­ci­so ga­ran­tir o sus­ten­to do dia e ga­nhar es­pa­ço so­bre a des­pro­por­ci­o­nal con­cor­rên­cia dos ope­ra­do­res em camiões cisterna”. Ve­mos do­nas de ca­sa des­de as pri­mei­ras horas do dia à es­pe­ra pe­los há­beis “ven­de­do­res da vi­da”. Bem gos­ta­ri­am que o pre­ci­o­so lí­qui­do dês­se um ar de gra­ça às se­den­tas tor­nei­ras das su­as ca­sas. A re­a­li­da­de, po­rém, re­me­te a um qua­dro di­fe­ren­te. Cer­ca de trin­ta bi­dões por ca­da motorizada vão ma­tan­do a se­de dos mo­ra­do­res da co­mu­na. Os pre­ços uni­for­mes exi­gem o de­sem­bol­sar de 500 kwanzas por ca­da 4 bi­dões de 20 li­tros. O re­cur­so à cal­cu­la­do­ra faz mo­da en­tre os mo­ra­do­res da ur­be lu­an­di­na. “É pre­ci­so gi­nás­ti­ca ri­ja”, di­zem em re­fe­rên­cia às ma­te­má­ti­cas pa­ra ge­rir os pou­cos re­cur­sos de for­mas a aten­der a fa­mí­lia (mui­tas ve­zes nu­me­ro­sa).

Dona Ruth Jú­lia tem um de­sem­bol­so mé­dio men­sal de 15 mil kwanzas pa­ra abas­te­cer o tan­que de três mil e quinhentos li­tros du­as ve­zes no pe­río­do. Tal co­mo ou­tros mo­ra­do­res, con­fes­sou en­tre­tan­to à nos­sa re­por­ta­gem re­gis­tar-se uma cer­ta me­lho­ria nos úl­ti­mos dois me­ses, fru­to de in­ten­sas reclamações dos mo­ra­do­res. “Ac­tu­al­men­te, já sen­ti­mos al­gum es­for­ço de ali­vi­ar o nos­so so­fri­men­to. A água já sai com

A ÁGUA É CON­SU­MI­DA EM MUI­TOS CA­SOS CON­TRA NE­NHUM PA­GA­MEN­TO POR CON­TA DA INOPERÂNCIA DOS SER­VI­ÇOS DE FIS­CA­LI­ZA­ÇÃO

re­gu­la­ri­da­de em al­gu­mas ru­as e de for­ma in­ter­mi­ten­te nou­tras. Mas já é bom ter­mos al­gu­ma água nas tor­nei­ras”, re­ma­tou.

Ve­ri­fi­cou a nos­sa re­por­ta­gem que por con­ta do re­to­ma­do for­ne­ci­men­to, a EPAL, a em­pre­sa dis­tri­bui­do­ra avan­çou pa­ra um pro­ces­so de no­ti­fi­ca­ção de cor­tes por fal­ta de pa­ga­men­to. Os mo­ra­do­res da ur­be es­tão no­ti­fi­ca­dos pa­ra a ce­le­bra­ção de no­vos con­tra­tos com va­lor es­ti­pu­la­do em 20 mil kwanzas e um pa­ga­men­to men­sal por es­ti­ma­ti­va na or­dem dos 5.250 kwanzas con­tra os 4 .031 cu­ja co­bran­ça é fei­ta an­te­ri­or­men­te.

Mor­ro Ben­to

No bair­ro do “Mor­ro Ben­to”, o qua­dro che­ga a ser pi­or. A im­po­nên­cia, be­le­za e qualidade das mo­ra­di­as er­gui­das em al­guns pon­tos da lo­ca­li­da­de, chocam li­te­ral­men­te com a gri­tan­te fal­ta do pre­ci­o­so lí­qui­do. Ao que apu­ra­mos, a ca­na­li­za­ção es­tá fei­ta já lá vai al­gum tem­po, sem que, con­tu­do, a água mar­cas­se pre­sen­ça. As nos­sas ten­ta­ti­vas pa­ra ou­vir fontes li­ga­das à em­pre­sa dis­tri­bui­do­ra fo­ram go­ra­das, pe­lo que fi­ca­mos com os depoimentos dos pseu­do-con­su­mi­do­res. António Ju­lião mos­tra-se re­vol­ta­do com a fal­ta de pre­o­cu­pa­ção ou com­pe­tên­cia de quem es­tá in­di­ca­do pa­ra aten­der a po­pu­la­ção.“Não con­si­go com­pre­en­der co­mo é que as nos­sas em­pre­sas pú­bli­cas são ge­ri­das. Ma­tam o po­vo e não ren­ta­bi­li­zam os in­ves­ti­men­tos que o Go­ver­no faz”, de­sa­ba­fou, sa­tu­ra­do pe­los cons­tran­gi­men­tos ex­pe­ri­men­ta­dos. O si­lên­cio se­pul­cral das ad­mi­nis­tra­ções e da em­pre­sa res­pon­sá­vel e a inoperância dos ser­vi­ços de fis­ca­li­za­ção são ou­tros mo­ti­vos ge­ra­do­res de des­con­ten­ta­men­to da po­pu­la­ção que se quer sen­tir con­su­mi­do­ra e incentivo ao sur­gi­men­to de opor­tu­nis­tas que ele­gem a ven­da ex­pe­cu­la­ti­va do pre­ci­o­so lí­qui­do co­mo for­ma de en­ri­que­ci­men­to.

Tun­ga Ngó

A nos­sa ronda foi dar ao cha­ma­do “Bair­ro dos Ma­tum­bos”, na zo­na do Tun­ga Ngó. Aqui, o qua­dro é bem di­fe­ren­te. Ru­as en­char­ca­das por con­ta da água que jor­ra das tor­nei­ras ava­ri­a­das e do ga­rim­po que se tor­nou vi­si­tan­te fre­quen­te. A ale­gria es­tam­pa­da no ros­to de dois pe­ti­zes que na rua to­ma­vam ba­nho re­ga­dos por uma man­guei­ra, lem­brou-nos a afli­ção e cla­mor de ou­tros ci­da­dãos que sen­do igual­men­te an­go­la­nos não são brin­da­dos com a mes­ma sorte. Ao que apu­ra­mos, a água é con­su­mi­da em mui­tos ca­sos con­tra ne­nhum pa­ga­men­to uma vez se­rem ino­pe­ran­tes os mei­os e ser­vi­ços de fis­ca­li­za­ção. A ile­ga­li­da­de faz mo­ra­da an­te o olhar im­pá­vi­do e se­re­no de quem de­via ter in­ter­ven­ção ac­ti­va. O qua­dro, ao que apu­ra­mos não é úni­co na re­ju­ve­nes­ci­da mas se­ca ca­pi­tal an­go­la­na e os ape­los pa­ra pôr fim aos desperdícios pa­ra que ou­tros pos­sam igual­men­te be­ne­fi­ci­ar, se re­pe­tem e di­fun­dem por Lu­an­da.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.