Me­ce­na­to be­ne­fi­cia em­pre­sas

Ape­sar dos be­ne­fí­ci­os que o re­fe­ri­do di­plo­ma po­de ga­ran­tir é ur­gen­te que se fa­çam al­te­ra­ções

Jornal de Economia & Financas - - Empresas - Xa­vi­er António

A adm­nis­tra­do­ra Exe­cu­ti­va do Ins­ti­tu­to de Ges­tão de Ac­ti­vi­da­des e Par­ti­ci­pa­ções do Es­ta­do, Eli­a­na dos San­tos, re­fe­riu on­tem, 13, em Lu­an­da que os me­ce­nas de­vem ter a sua si­tu­a­ção re­gu­la­ri­za­da jun­to da Administração Ge­ral Tri­bu­tá­ria (AGT).

A res­pon­sá­vel fa­la­va du­ran­te a con­fe­rên­cia Na­ci­o­nal so­bre Me­ce­na­to pro­mo­vi­do pe­lo Mi­nis­té­rio da Ju­ven­tu­de e Des­por­tos. Na sua apre­sen­ta­ção so­bre “Os be­ne­fí­ci­os fis­cais que a Lei do Me­ce­na­to po­de tra­zer pa­ra as em­pre­sas”, ex­pli­cou que po­dem ser acei­tes co­mo cus­tos fis­cais até 40 por cen­to do va­lor con­ce­di­dos em li­be­ra­li­da­des.

A res­po­sá­vel en­fa­ti­zou ain­da que o ar­ti­go quar­to da Lei do Me­ce­na­to es­cla­re­ce que os be­ne­fí­ciá­ri­os fis­cais são pes­so­as que não es­tão à es­pe­ra de ne­nhu­ma con­tra­par­ti­da. “Ca­so se ve­ri­fi­que tal si­tu­a­ção os me­ce­nas es­tão su­jei­tos a al­gu­mas san­ções pre­vis­tas por Lei”.

De­ba­te

Os par­ti­ci­pan­tes lou­vam os be­ne­fí­ci­os pre­vis­tos na lei, mas re­co­men­dam ser im­por­tan­te que se fa­çam al­gu­mas al­te­ra­ções ten­do em con­ta a re­a­li­da­de an­go­la­na.

Pa­ra o pre­si­den­te da Fe­de­ra­ção An­go­la­na de Fu­te­bol (FAF), Ar­tur Al­mei­da os be­ne­fí­ci­os de­vem ser mais atra­ti­vos pa­ra os em­pre­sá­ri­os. “40 por cen­to de cus­tos fis­cais so­bre o va­lor apli­ca­do é mui­to pou­co”.

A Lei do Me­ce­na­to vi­sa fo­men­tar, va­lo­ri­zar e pro­mo­ver o me­ce­na­to na áe­ra so­ci­al, cul­tu­ral, des­por­ti­va, edu­ca­ci­o­nal e ju­ve­nil. Se­gun­do a lei me­ce­na­to, cin­ge-se nu­ma do­a­ção sem qual­quer con­tra­par­ti­da ao do­a­dor. Este po­de ser em di­nhei­ro, es­pé­cie, ou em pres­ta­ção de ser­vi­ços. Até ao mo­men­to ain­da não exis­te no país ne­nhu­ma em­pre­sa re­gis­ta­da co­mo me­ce­na.

PAU­LO MULAZA | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.