Mo­de­lo bra­si­lei­ro po­de ser­vir An­go­la

Jornal de Economia & Financas - - Empresas -

Al­guns es­pe­ci­a­lis­tas bra­si­lei­ros acre­di­tam que o su­ces­so al­can­ça­do pe­lo Bra­sil no sec­tor do agro­ne­gó­cio em 50 anos po­de ser­vir de exem­plo pa­ra An­go­la al­can­çar as me­tas em 10 anos.

A con­clu­são é do en­ge­nhei­ro agró­no­mo, Ronaldo Tre­cen­ti, que­fa­la­va es­ta se­ma­na, em Lu­an­da, so­bre “A evo­lu­ção da agricultura e do agro­ne­gó­cio no Bra­sil”, du­ran­te o Fórum Eco­nó­mi­co re­a­li­za­do pe­la As­so­ci­a­ção de Em­pre­sá­ri­os e Exe­cu­ti­vos Bra­si­lei­ros em An­go­la (AEBRAN).

O es­pe­ci­a­lis­ta jus­ti­fi­cou que An­go­la tem gran­de de­man­da por ali­men­tos, cli­ma tro­pi­cal, so­lo e po­pu­la­ção mui­to fa­vo­rá­vel ao de­sen­vol­vi­men­to agrí­co­la e von­ta­de po­lí­ti­ca.

Acres­cen­tou ain­da que a es­tes fac­to­res de pro­du­ção, jun­tam-se ain­da a van­ta­gem de es­tar mais per­to dos gran­des mer­ca­dos e po­de adop­tar tec­no­lo­gi­as bra­si­lei­ras, uma mai­o­res eco­no­mi­as da Amé­ri­ca Latina.

Du­ran­te a sua dis­ser­ta­ção ex­pli­cou que o cres­ci­men­to das ca­dei­as pro­du­ti­vas do Bra­sil de­ve-se a sá­bia de­ci­são de “im­por­tar pe­tró­leo e pro­du­zir ali­men­tos. Se An­go­la qui­ser al­can­çar uma economia em es­ca­la tem de pro­du­zir insumos lo­cal­men­te”, de­fen­de.

Apos­ta

Na opi­nião do pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção In­dus­tri­al de An­go­la (AIA), Jo­sé Se­ve­ri­no cor­ro­bo­ra com a opi­nião se­gun­do a qual o país po­de atin­gir o su­ces­so agroin­dus­tri­al em me­nos tem­po em fun­ção do po­ten­ci­al que dis­põe.

De acor­do com o in­dus­tri­al es­tes re­sul­ta­dos con­se­guem-se dan­do for­ma­ção du­al aos agri­cul­to­res, téc­ni­cos agrá­ri­os e tec­no­lo­gia de pon­ta”, dis­se o res­pon­sá­vel.

“Fico tris­te quan­do se pro­jec­ta por via do Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do (OGE) ape­nas 150 mi­lhões de dó­la­res pa­ra o sec­tor da Agricultura”, ati­ra Jo­sé Se­ve­ri­no.

Na oca­sião, o em­pre­sá­rio, Marcos Chaves con­si­de­rou que quan­do um país apre­sen­ta uma in­fra-es­tru­tu­ra pou­co de­sen­vol­vi­da, com ca­rên­cia de por­tos, ae­ro­por­tos, ma­lha viá­ria, te­le­co­mu­ni­ca­ções, de­fi­ci­ên­cia ener­gé­ti­ca, os pro­du­tos po­dem en­ca­re­cer no mer­ca­do in­ter­no.

SE AN­GO­LA QUI­SER AL­CAN­ÇAR UMA AGRICULTURA EM GRAN­DE ES­CA­LA TEM DE PRO­DU­ZIR INSUMOS

AGOS­TI­NHO NAR­CI­SO | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Em­pre­sá­ri­os bra­si­lei­ros e an­go­la­nos es­ti­ve­ram es­ta se­ma­na, em Lu­an­da, a de­ba­ter a apos­ta no agro­ne­gó­cio no país

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.