Li­nha ver­me­lha da go­ver­na­ção

Jornal de Economia & Financas - - Opinião - Pau­lo Pi­nha Jornalista

Na ses­são de en­cer­ra­men­to do 6.º Con­gres­so Ex­tra­or­di­ná­rio do MPLA re­a­li­za­do em Lu­an­da há uma se­ma­na, o Pre­si­den­te João Lou­ren­ço lan­çou mais um dar­do cer­tei­ro no al­vo, que re­a­fir­ma o no­vo es­pí­ri­to de go­ver­na­ção que adop­tou em Se­tem­bro do ano pas­sa­do.

O pro­me­ti­do com­ba­te cer­ra­do à cor­rup­ção, à ba­ju­la­ção, ao ne­po­tis­mo e à impunidade ga­nhou ago­ra um no­vo im­pul­so, na sequên­cia de uma sé­ria advertência aos mi­li­tan­tes do par­ti­do no po­der, em es­pe­ci­al aos di­ri­gen­tes e, em ge­ral, a to­dos os de­ten­to­res de car­gos pú­bli­cos.

O su­ces­sor de Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos na che­fia do Es­ta­do e tam­bém do MPLA, des­de o úl­ti­mo con­cla­ve, re­ce­beu uma pro­lon­ga­da ova­ção quan­do tra­çou uma “li­nha ver­me­lha”, que não po­de ser trans­pos­ta. Por ou­tras pa­la­vras, re­fe­riu que nin­guém es­tá aci­ma das leis, nem mes­mo al­tos di­ri­gen­tes que te­nham in­frin­gi­do as leis e atentado con­tra os in­te­res­ses do Es­ta­do e da Na­ção.

Do­ra­van­te, nin­guém fi­ca­rá im­pu­ne se fo­rem descobertos even­tu­ais des­vi­os de con­du­ta no exer­cí­cio de fun­ções po­lí­ti­cas, go­ver­na­ti­vas e ad­mi­nis­tra­ti­vas no Es­ta­do e no par­ti­do. Com este avi­so aos mi­li­tan­tes e à Na­ção, o mais al­to ma­gis­tra­do do país de­fi­niu a “li­nha ver­me­lha” pa­ra a prá­ti­ca de cri­mes as­so­ci­a­dos à cor­rup­ção en­dé­mi­ca.

Ins­ta­la­da há mui­tos anos e ra­ra­men­te com­ba­ti­da, ape­sar de mui­tas pro­mes­sas, a cor­rup­ção cau­sou ele­va­dos e ir­re­pa­rá­veis da­nos à so­ci­e­da­de e à economia, mi­na­das a par­tir do aparelho de Es­ta­do. A apro­pri­a­ção de bens pú­bli­cos com­pro­me­teu o cum­pri­men­to de ob­jec­ti­vos na es­fe­ra so­ci­al e eco­nó­mi­ca, em mo­men­tos cru­ci­ais co­mo a de­fe­sa da In­de­pen­dên­cia e da in­te­gri­da­de ter­ri­to­ri­al, nu­ma pri­mei­ra fa­se, e, pos­te­ri­or­men­te, no pe­río­do de re­cons­tru­ção na­ci­o­nal.

Os res­pon­sá­veis por des­vi­os de di­nhei­ro pú­bli­co ra­ra­men­te fo­ram le­va­dos à bar­ra dos tri­bu­nais, sal­vo al­guns fun­ci­o­ná­ri­os do es­ca­lão in­ter­mé­dio. Apres­sa­dos em fa­zer for­tu­na de for­ma frau­du­len­ta, aca­ba­ram por dei­xar “pon­tas sol­tas” no esquema de cor­rup­ção, com des­ta­que pa­ra os si­nais ex­te­ri­o­res de ri­que­za. Es­tes, por in­cú­ria ou por não co­me­rem à me­sa dos man­da-chu­vas, res­pon­de­ram pe­ran­te a Jus­ti­ça e es­tão a pa­gar pe­los cri­mes co­me­ti­dos. Mas aque­les que es­tão nos ca­ma­ro­tes, aci­ma dos “es­pec­ta­do­res” da pla­teia, con­ti­nu­am a des­fru­tar da ri­que­za de ori­gem du­vi­do­sa.

O cidadão co­mum, afundado nu­ma vi­da des­gra­ça­da im­pos­ta pe­la aus­te­ri­da­de, po­bre­za e de­sem­pre­go, sa­be dis­tin­guir a ár­vo­re da floresta e in­ter­ro­ga-se: Co­mo é que pes­so­as que na­da ti­nham há vin­te ou trin­ta anos, ho­je são ri­cos? E no to­po des­ta clas­se mi­no­ri­tá­ria ain­da es­tá uma pe­que­na fran­ja da so­ci­e­da­de se­den­ta de ri­que­za e in­sen­sí­vel ao dra­ma da mai­o­ria da po­pu­la­ção an­go­la­na.

A guer­ra ci­vil e as su­as con­sequên­ci­as são ape­nas uma das mui­tas cau­sas da ter­rí­vel si­tu­a­ção eco­nó­mi­ca, fi­nan­cei­ra e so­ci­al ac­tu­al. A con­jun­tu­ra tem ori­gens pro­fun­das e an­ti­gas, ra­di­ca­das nos er­ros de go­ver­na­ção, na fal­ta de visão es­tra­té­gi­ca, na escolha de ali­an­ças es­tra­té­gi­cas ina­de­qua­das aos in­te­res­ses na­ci­o­nais, nos in­ves­ti­men­tos su­pér­flu­os e rui­no­sos, na pro­mo­ção da in­com­pe­tên­cia pa­ra be­ne­fi­ci­ar fa­mi­li­a­res e pes­so­as pró­xi­mas - por via do ne­po­tis­mo -, na so­bre­po­si­ção dos in­te­res­ses par­ti­dá­ri­os aos do Es­ta­do, na pro­mis­cui­da­de en­tre a po­lí­ti­ca e o mun­do dos ne­gó­ci­os, na de­pen­dên­cia eco­nó­mi­ca da in­dús­tria pe­tró­leo em de­tri­men­to de sectores pro­du­ti­vos co­mo a agricultura e a in­dús­tria trans­for­ma­do­ra, na su­bal­ter­ni­za­ção do en­si­no, da in­ves­ti­ga­ção ci­en­tí­fi­ca e da edu­ca­ção mo­ral.

An­go­la e o seu po­vo es­tão a pa­gar pe­los er­ros e des­vi­os de ru­mo acu­mu­la­dos anos a fio. Vai ser ne­ces­sá­ria mais do que uma ge­ra­ção pa­ra re­por o “com­boio nos car­ris”, ape­sar da boa von­ta­de vá­ri­as ve­zes ma­ni­fes­ta­da pe­lo Pre­si­den­te João Lou­ren­ço, so­bre quem re­cai a in­gen­te ta­re­fa de in­ver­ter a si­tu­a­ção.

Com o dis­cur­so pro­fe­ri­do pe­lo no­vo lí­der do MPLA no en­cer­ra­men­to do 6.º Con­gres­so Ex­tra­or­di­ná­rio, re­nas­ce a es­pe­ran­ça num fu­tu­ro me­lhor, se as pa­la­vras ti­ve­rem uma ex­pres­são prá­ti­ca atra­vés do com­ba­te cer­ra­do à cor­rup­ção, à ba­ju­la­ção, ao ne­po­tis­mo e à impunidade.

A mu­dan­ça na es­fe­ra do po­der abre um lon­go ca­mi­nho, cheio de di­fi­cul­da­des, em di­rec­ção ao de­sen­vol­vi­men­to, ao cres­ci­men­to da economia e à mo­ra­li­za­ção da so­ci­e­da­de. Fa­ce à gran­di­o­si­da­de do de­sa­fio, é pre­ci­so dar tem­po ao tem­po pa­ra os an­go­la­nos co­me­ça­rem a sen­tir os be­ne­fí­ci­os ma­te­ri­ais da no­va es­tra­té­gia de go­ver­na­ção.

Po­rém, a “li­nha ver­me­lha” tra­ça­da pe­lo Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca é um “se­lo de ga­ran­tia” pa­ra o que aí vem, pois, co­mo diz o di­ta­do po­pu­lar, “o que nas­ce tor­to, ce­do ou tar­de en­di­rei­ta”.

OS RES­PON­SÁ­VEIS POR DES­VI­OS DE DI­NHEI­RO PÚ­BLI­CO RA­RA­MEN­TE FO­RAM LE­VA­DOS À BAR­RA DOS TRI­BU­NAIS, SAL­VO AL­GUNS FUN­CI­O­NÁ­RI­OS DO ES­CA­LÃO IN­TER­MÉ­DIO

EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.