“Ges­to­res pú­bli­cos de­vem ser mais ra­ci­o­nais”

O con­ta­bi­lis­ta e con­sul­tor de em­pre­sas en­ten­de que o no­vo pa­ra­dig­ma da ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca de­sa­fia a to­dos.

Jornal de Economia & Financas - - Primeira Página - Ma­teus Ca­vum­bo

Opro­ces­so de res­pon­sa­bi­li­za­ção dos ges­to­res pú­bli­cos de­ve ser con­tí­nuo pa­ra cre­di­bi­li­zar as ac­ções do no­vo Exe­cu­ti­vo, de­fen­de nes­sa en­tre­vis­ta que con­ce­deu ao Jor­nal de Eco­no­mia &

Fi­nan­ças, o con­ta­bi­lis­ta sé­ni­or, do­cen­te uni­ver­si­tá­rio e in­ves­ti­dor, Ma­nu­el João Quindai. O tam­bém con­sul­tor afir­mou que os ges­to­res pú­bli­cos de­vem man­ter a fle­xi­bi­li­da­de e ra­ci­o­na­li­da­de pa­ra en­fren­ta­rem o di­na­mis­mo eco­nó­mi­co, so­ci­al, cul­tu­ral e tec­no­ló­gi­co que se vi­ve nos mer­ca­dos ac­tu­ais.

Co­mo en­ca­ra a ra­ci­o­na­li­za­ção na ad­mi­nis­tra­ção e pres­ta­ção de con­tas no país?

An­go­la é um país que apre­sen­ta ao mun­do nos úl­ti­mos tem­pos um no­vo pa­ra­dig­ma na ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca. Des­ta fei­ta, nes­ses 12 me­ses de go­ver­na­ção do no­vo Exe­cu­ti­vo an­go­la­no mos­tra a so­ci­e­da­de e ao mun­do que na ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca já se co­me­ça a vi­ver uma re­a­li­da­de de ra­ci­o­na­li­za­ção e pres­ta­ção de con­tas que co­bra aos no­vos ges­to­res pú­bli­cos à de­fe­sa e ao res­pei­to do pa­tri­mó­nio pú­bli­co. É um pro­ces­so e tu­do is­so faz par­te da cul­tu­ra das bo­as prá­ti­cas de ad­mi­nis­tra­ção e pres­ta­ção de con­tas.

Há uma ten­dên­cia de de­ses­tru­tu­ra­ção em­pre­sa­ri­al em An­go­la?

Tu­do pas­sa pe­la de­ter­mi­na­ção de al­guns ele­men­tos, tais co­mo ob­jec­ti­vos e po­lí­ti­cas que en­la­ça con­si­de­ra­ções que po­dem não ser ra­zoá­veis sob um pon­to de vis­ta ou dou­tro. É mui­to mais fá­cil a um ad­mi­nis­tra­dor ou ges­tor pú­bli­co de­di­car-se ape­nas a as­sun­tos re­la­ci­o­na­dos com di­nhei­ro da ins­ti­tui­ção do que em­pre­gar a sua men­te no exa­me dos seus pró­pri­os pro­ces- sos de ra­ci­o­na­bi­li­da­de. Na ad­mi­nis­tra­ção, a ra­zão é de to­dos em to­dos, con­trá­rio à de­sor­dem en­tre as idei­as. É com es­ta ra­ci­o­na­bi­li­da­de e or­dem que de­ve fun­ci­o­nar a ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca, par­ti­dos po­lí­ti­cos, igre­jas, or­ga­ni­za­ções não go­ver­na­men­tais e em­pre­sas pú­bli­cas e pri­va­das, por­que o cus­to do pen­sa­men­to de­sor­de­na­do e não ra­ci­o­nal dos ad­mi­nis­tra­do­res é enor­me e po­de tar­dar no de­sen­vol­vi­men­to do país. Pa­ra de­fen­der o pa­tri­mó­nio pú­bli­co, é ne­ces­sá­rio que se alar­ge a ba­se da ac­tu­a­ção do IGAE - Ins­pec­ção Ge­ral da Ad­mi­nis­tra­ção do Es­ta­do - a ní­vel dos mu­ni­cí­pi­os e das ca­pi­tais pro­vin­ci­ais.

Es­tá quer di­zer que os ser­vi­ços de fis­ca­li­za­ção do Es­ta­do de­vem fun­ci­o­nar de fac­to?

Se na ver­da­de te­mos que com­ba­ter a cor­rup­ção, que é um mal que se vi­ve em An­go­la, en­tão não po­de­mos fa­zê-lo ape­nas na es­tru­tu­ra su­pe­ri­or da ad­mi­nis­tra­ção do Es­ta­do.

Num con­tex­to mar­ca­do pe­la cri­se eco­nó­mi­ca e fi­nan­cei­ra, de que for­ma de­ve-se pen­sar a eco­no­mia do fu­tu­ro e a ges­tão se­gu­ra?

O de­sen­vol­vi­men­to sus­ten­tá­vel pas­sa, em pri­mei­ro lu­gar, em apos­tar na eco­no­mia do fu­tu­ro (for­ma­ção de qua­dros), e com a di­nâ­mi­ca das so­ci­e­da­des, a for­ma­ção su­pe­ri­or de­ve ser vis­ta co­mo um pi­lar fun­da­men­tal da fu­tu­ra eco­no­mia ou eco­no­mi­as se­gu­ras. Te­mos que acre­di­tar e dar opor­tu­ni­da­de às pes­so­as que de­se­jam in­ves­tir ho­nes­ta­men­te pa­ra o bem da so­ci­e­da­de. Não há de­sen­vol­vi­men­to sus­ten­tá­vel sem a for­ma­ção de qua­dros, por­que faz par­te da eco­no­mia do fu­tu­ro ou eco­no­mi­as se­gu­ras. E os mu­ni­cí­pi­os pre­ci­sam de ter uma eco­no­mia se­gu­ra (...).

Com re­cur­sos es­cas­sos, os in­ves­ti­do­res te­rão ca­pa­ci­da­de fi­nan­cei­ra pa­ra su­por­tar os en­car­gos?

Te­mos que apos­tar na eco­no­mi­a­pre­ci­sa­men­te do fu­tu­ro. For­mar um ho­mem, é ga­ran­tir a es­ta­bi­li­da­de eco­nó­mi­ca das fa­mí­li­as e da Na­ção. Pa­ra que os re­sul­ta­dos de­se­ja­dos se­jam al­can­ça­dos com mai­or re­le­vân­cia, te­mos que apos­tar no fac­tor ho­mem, pre­pa­rá-lo e mui­to bem, aca­de­mi­ca­men­te, téc­ni­co-pro­fis­si­o­nal, mo­ral e cul­tu­ral­men­te pa­ra não com­pro­me­ter os de­sa­fi­os do fu­tu­ro. Al­guns paí­ses mais adi­an­ta­dos do mun­do ti­ve­ram que re­ver as po­lí­ti­cas e es­tra­té­gi­as das su­as eco­no­mi­as, e tra­ça­ram me­tas que le­va­ram a ní­veis sa­tis­fa­tó­ri­os e, ho­je, tor­na­ram-se paí­ses com me­lho­res pa­ra­dig­mas a se­guir. Tu­do is­so pas­sa, não só na ver­ten­te ma­cro­e­co­nó­mi­ca, mas tam­bém na mi­cro­e­co­nó­mi­ca. As fa­mí­li­as e as em­pre­sas pri­va­das tam­bém de­vem apos­tar na eco­no­mia do fu­tu­ro. Aí es­tá o ga­ran­te da es­ta­bi­li­da­de. O co­mér­cio, a in­dús­tria, o tu­ris­mo, as pes­cas e agri­cul­tu­ra pre­ci­sam de qua­dros com­pe­ten­tes ca­pa­zes de dar res­pos­tas às ne­ces­si­da­des da so­ci­e­da­de. Is­so tu­do só é pos­sí­vel se apos­tar­mos na for­ma­ção de qua­dros em to­do o país. O in­ves­ti­men­to na for­ma­ção de qua­dros não tem re­tor­no ime­di­a­to do ca­pi­tal in­ves­ti­do, mas é um in­ves­ti­men­to mais se­gu­ro pa­ra a eco­no­mia de qual­quer so­ci­e­da­de, em­pre­sas ou fa­mí­li­as.

É NE­CES­SÁ­RIO QUE O IGAE ACTUE NAS LO­CA­LI­DA­DES ON­DE FO­RAM ALO­CA­DOS OS RE­CUR­SOS

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.