An­go­la tra­ba­lha pa­ra co­nec­tar por­tos na­ci­o­nais

Mi­nis­tro dos Trans­por­tes des­ta­ca que a es­tra­té­gia do IMPA vi­sa mo­der­ni­zar as in­fra-es­tru­tu­ras ma­rí­ti­mas pa­ra aju­dar a ala­van­car as eco­no­mi­as a ní­vel da re­gião

Jornal de Economia & Financas - - Transportes -

OMi­nis­té­rio dos Trans­por­tes tem gran­des am­bi­ções pa­ra o seg­men­to ma­rí­ti­mo, ten­do en­car­re­ga­do o Ins­ti­tu­to Ma­rí­ti­mo e Por­tuá­rio de An­go­la (IMPA) a ela­bo­rar uma es­tra­té­gia ori­en­ta­da pa­ra a mo­der­ni­za­ção das in­fra-es­tru­tu­ras, a co­nec­ti­vi­da­de dos por­tos com ou­tras mo­da­li­da­des de trans­por­te pa­ra ser­vir o in­te­ri­or do país e Es­ta­dos vi­zi­nhos.

A afir­ma­ção é do ti­tu­lar da pas­ta, Ri­car­do de Abreu, quan­do dis­cur­sa­va na pas­sa­da quar­ta-fei­ra, em Lu­an­da, na aber­tu­ra do II se­mi­ná­rio de re­fle­xão so­bre a au­to­no­mi­za­ção das ma­ri­nhas mer­can­tes do es­pa­ço da Or­ga­ni­za­ção Ma­rí­ti­ma da Áfri­ca do Oes­te e do Cen­tro (OMAOC), e que de­cor­reu até on­tem.

Na oca­sião, o mi­nis­tro dos Trans­por­tes des­ta­cou que ao IMPA in­cum­biu-se igual­men­te o in­cen­ti­vo ao sec­tor pri­va­do, pa­ra in­ves­tir na in­dús­tria na­val, ser­vi­ços de apoio náu­ti­cos e ges­tão por­tuá­ria, a pro­mo­ção de par­ce­ri­as, es­pe­ci­al­men­te com agên­ci­as e or­ga­ni­za­ções in­ter­na­ci­o­nais que per­mi­tam o de­sen­vol­vi­men­to da ac­ti­vi­da­de da ma­ri­nha mer­can­te em An­go­la, de mo­do se­gu­ro e com­pe­ti­ti­vo, ali­nha­da com as me­lho­res prá­ti­cas in­ter­na­ci­o­nais.

Vi­ta­li­da­de das eco­no­mi­as

Por ou­tro la­do, o mi­nis­tro con­si­de­rou que a vi­ta­li­da­de das eco­no­mi­as dos paí­ses mem­bros da Omaoc, or­ga­nis­mo do qual An­go­la é mem­bro, de­pen­de­rá em gran­de me­di­da, dos pro­jec­tos dos go­ver­nos pa­ra de­sen­vol­ver to­do o po­ten­ci­al ma­rí­ti­mo dis­po­ní­vel.

De acor­do com o mi­nis­tro, as ad­mi­nis­tra­ções ma­rí­ti­mas, qual­quer que se­ja a sua na­tu­re­za e sis­te­ma de or­ga­ni­za­ção, são o gran­de su­por­te dos Go­ver­nos, em quem con­fi­am a for­mu­la­ção e apli­ca­ção das po­lí­ti­cas na­ci­o­nais das for­mas de ex­plo­ra­ção e uti­li­za­ção ra­ci­o­nal e seus re­cur­sos.

Dis­se que a Re­pú­bli­ca de An­go­la es­tá aber­ta a to­das as ac­ções des­ti­na­das a apro­xi­mar os Es­ta­dos afri­ca­nos, com vis­ta ao de­sen­vol­vi­men­to da co­o­pe­ra­ção Sul-Sul, sen­do nes­te con­tex­to um mem­bro da Co­mu­ni­da­de Eco­nó­mi­ca dos Es­ta­dos da Áfri­ca Cen­tral (CEEAC), da Co­mu­ni­da­de de De­sen­vol­vi­men­to da Áfri­ca Aus­tral (SACD) e da Con­fe­rên­cia In­ter­na­ci­o­nal pa­ra a Paz e Se­gu­ran­ça na Re­gião dos Gran­des La­gos, que pre­si­diu de Ja­nei­ro de 2014 a Ou­tu­bro de 2017.

O mi­nis­tro ex­pli­cou que no do­mí­nio ma­rí­ti­mo An­go­la al­ber­ga a se­de da Co­mis­são do Gol­fo da Gui­né (CGG) e con­tri­bui pa­ra os es­for­ços da sub-re­gião no com­ba­te à in­se­gu­ran­ça ma­rí­ti­ma.

Por seu tur­no, o se­cre­tá­rio-ge­ral da Omaoc, Alain Mi­chel Lu­vam­ba­no, apon­tou co­mo de­sa­fi­os da or­ga­ni­za­ção, a ga­ran­tia aos in­ves­ti­do­res na­ci­o­nais e in­ter­na­ci­o­nais a apli­ca­ção de ca­pi­tais, cri­a­ção de em­pre­sas de trans­por-

AS AD­MI­NIS­TRA­ÇÕES MA­RÍ­TI­MAS SÃO O GRAN­DE SU­POR­TE DOS GO­VER­NOS

tes ma­rí­ti­mos e su­as ac­ti­vi­da­des co­ne­xas, as­sim co­mo a ex­plo­ra­ção dos re­cur­sos do mar.

An­go­la tem uma ex­ten­são ma­rí­ti­ma de 1.600 qui­ló­me­tros, po­si­ção ge­o­grá­fi­ca que per­mi­tiu ao país de­sen­vol­ver o seu po­ten­ci­al ma­rí­ti­mo, atra­vés da ex­plo­ra­ção dos re­cur­sos mi­nei­ros offsho­re, pes­ca, cons­tru­ção de por­tos ma­rí­ti­mos, bem co­mo cri­a­ção de em­pre­sas de trans­por­te ma­rí­ti­mo e de mo­vi­men­ta­ção por­tuá­ria, pa­ra trans­mi­tir o seu co­mér­cio ex­te­ri­or.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.