Que se­gun­do ano te­re­mos?

Jornal de Economia & Financas - - Opinião - Li­to Sil­va Eco­no­mis­ta

AAin­da so­bre o pri­mei­ro ano de man­da­to de João Lou­ren­ço, ob­ser­va­mos um cer­to en­tu­si­as­mo e gran­de op­ti­mis­mo em tor­no des­se fac­to. Prin­ci­pal­men­te da es­ma­ga­do­ra mai­o­ria dos ex­trac­tos so­ci­ais que an­si­a­vam por mu­dan­ças sig­ni­fi­ca­ti­vas no ce­ná­rio po­lí­ti­co an­go­la­no.

Con­tu­do se no cam­po po­lí­ti­co, on­de afi­nal se de­se­nham as in­ten­ções e di­rec­tri­zes do ca­mi­nho a se­guir, ve­ri­fi­ca­mos al­gu­ma mu­dan­ça ra­di­cal no dis­cur­so, sus­ten­ta­da por ati­tu­des ali­nha­das com o mes­mo dis­cur­so.

No ca­pí­tu­lo prá­ti­co, ve­ri­fi­ca­mos que ain­da nem se quer se saiu da li­nha de par­ti­da, uma vez que a ne­fas­ta cor­rup­ção que in­fes­tou to­dos os sec­to­res da vi­da na­ci­o­nal, foi per­mi­ti­da pe­lo des­vir­tu­ar dos me­ca­nis­mos ins­ti­tu­ci­o­nais de con­tro­lo e es­tes con­ti­nu­am os mes­mos.

Cla­ro que em ter­mos cro­no­ló­gi­cos, não obs­tan­te o em­pos­sa­men­to pre­si­den­ci­al ter acon­te­ci­do a sen­si­vel­men­te mais do que 365 di­as, da­da a es­pe­ci­fi­ci­da­de da nos­sa cons­ti­tui­ção, que trans­for­ma o pre­si­den­te do prin­ci­pal par­ti­do, nu­ma en­ti­da­de po­ten­ci­al­men­te tão po­de­ro­sa quan­to o pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca po­de­mos, sem me­do de er­rar, afir­mar que o po­der pre­si­den­ci­al efec­ti­vo foi con­so­li­da­do a pou­co me­nos do que um mês, ou se­ja des­de 8/9/2018.

Não pre­ten­den­do fa­zer aná­li­se po­lí­ti­ca, por dé­fi­cit de vo­ca­ção nes­sa ma­té­ria – que aliás jul­go não ser tam­bém a vo­ca­ção des­ta pu­bli­ca­ção – não po­de­mos, con­tu­do ol­vi­dar que qual­quer aná­li­se de ín­do­le eco­nó­mi­ca, pa­ra que te­nha con­sis­tên­cia, re­co­men­da a con­ve­ni­ên­cia que se de­bru­ce tam­bém so­bre o con­tex­to po­lí­ti­co, uma vez que es­te con­di­ci­o­na a exe­cu­ção eco­nó­mi­ca.

Nes­te con­tex­to, fa­ce a tu­do o que foi até aqui aflo­ra­do, de­pre­en­de-se que em­bo­ra o tem­po pre­si­den­ci­al se­ja de­ma­si­a­do cur­to pa­ra qual­quer ti­po de juí­zo re­la­ti­va­men­te à per­for­man­ce, são no­tó­ri­os os es­for­ços do ti­tu­lar do car­go em prol da mu­dan­ça do sta­tus quo vi­gen­te. Sen­do vi­sí­vel a sua in­ten­ção de rup­tu­ra abrup­ta com o pas­sa­do. É nes­te pon­to em que de­ve­mos nos cons­ci­en­ci­a­li­zar que, em­bo­ra lou­vá­vel o em­pe­nho de­mos­tra­do por João Lou­ren­ço, a mu­dan­ça­não é uma ta­re­fa mes­si­â­ni­ca, atri­buí­da a um ho­mem só – A his­tó­ria tem nos de­mos­tra­do que no lon­go pra­zo is­so ten­de até a acar­re­tar con­sequên­ci­as avas­sa­la­do­ras - Es­te pro­ces­so de mu­dan­ça, de­ve ser abran­gen­te e ex­ten­si­vo a to­da a so­ci­e­da­de e, pa­ra is­so, con­vém ob­jec­ti­va­men­te re­flec­tir­mos so­bre o que cor­reu mal ao lon­go des­ses anos e tra­ba­lhar em prol da cor­rec­ção.

Ex­clu­a­mos o pro­ces­so da guer­ra e de­bru­ce­mo-nos so­bre o al­can­ce da paz, da aber­tu­ra mul­ti­par­ti­dá­ria e da as­sump­ção da eco­no­mia de mer­ca­do. Quid uris?

Apa­ren­te­men­te com o fim da guer­ra, a “má­qui­na de pe­tró­leo”, cons­truí­da pa­ra sus­ten­tar o es­for­ço de guer­ra, ga­nhou ou­tra uti­li­da­de. A Eli­te no po­der, des­pin­do-se da ide­o­lo­gia mar­xis­ta, abra­çou en­tu­si­as­ti­ca­men­te o ca­pi­ta­lis­mo do com­pa­drio. Rein­ven­tou-se em al­go que po­de­mos cha­mar de Ca­pi­ta­lis­mo Feu­dal Sel­va­gem. Ho­je ve­mos o efei­to des­se fe­nó­me­no. De­pa­ra­mo-nos com ver­da­dei­ras mul­ti­dões de in­di­ví­du­os que pu­de­ram ao lon­go de anos a fio de­la­pi­dar im­pu­ne­men­te o erá­rio pú­bli­co em be­ne­fí­cio pró­prio. E re­go­zi­ja­mo-nos com a de­ten­ção de al­guns de­les, es­que­cen­do-nos que tal fac­to ape­nas foi pos­sí­vel por­que ins­ti­tu­ci­o­nal­men­te o Es­ta­do foi de­li­be­ra­da­men­te en­fra­que­ci­do, des­po­ja­do dos me­ca­nis­mos de con­tro­lo e fis­ca­li­za­ção e sub­me­ti­do ao em­po­de­ra­men­to de uma mi­no­ria. Mas sa­bem qual é a má no­tí­cia? Na­da dis­so ain­da mu­dou. E es­sa efec­ti­va­men­te, de­ve ser a prin­ci­pal mu­dan­ça. É cla­ro que os cor­rup­tos, os ne­po­tis­tas e ou­tros ma­les no­ci­vos de­vem ser com­ba­ti­dos, po­rém es­sa se­rá uma con­sequên­cia na­tu­ral da de­vo­lu­ção ins­ti­tu­ci­o­nal e for­mal dos po­de­res ao Es­ta­do, da se­pa­ra­ção e in­de­pen­dên­cia re­al dos três po­de­res e da efec­ti­va fis­ca­li­za­ção da ac­tu­a­ção do Exe­cu­ti­vo.

Em su­ma, to­dos te­mos cons­ci­ên­cia que is­so cer­ta­men­te ocor­re­rá um pro­ces­so gra­du­al e con­sis­ten­te. A ac­tu­al von­ta­de governativa não só o pre­nun­cia, co­mo de­mos­tra ser es­se o pro­pó­si­to, mas nun­ca é de­mais fi­car aqui o lem­bre­te de que em­bo­ra nos agra­de o fait di­vers das exo­ne­ra­ções e de­ten­ções de pre­su­mí­veis cor­rup­tos, te­mos ple­na no­ção do que é es­sen­ci­al e de­ve es­tar na pri­o­ri­da­de da agen­da. Nes­te con­tex­to, convirá que no se­gun­do ano de man­da­to do no­vo Pre­si­den­te,pos­sa­mos ba­lan­ce­ar o ní­vel de robustez das nos­sas ins­ti­tui­ções, bem co­mo os pro­gres­sos socioeconómicos acarretados por tal fac­to.

NES­TE CON­TEX­TO, CONVIRÁ QUE NO SE­GUN­DO ANO DE MAN­DA­TO DO NO­VO PRE­SI­DEN­TE, POS­SA­MOS BA­LAN­CE­AR O NÍ­VEL DE ROBUSTEZ DAS NOS­SAS INS­TI­TUI­ÇÕES, BEM CO­MO OS PRO­GRES­SOS SOCIOECONÓMICOS ACARRETADOS POR TAL FAC­TO

EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.