Fal­ta de água tra­va pro­du­ção de fá­bri­cas

Ape­sar dos in­ves­ti­men­tos que têm si­do apli­ca­dos pe­la EPAL pa­ra a re­so­lu­ção do pro­ble­ma do abas­te­ci­men­to ain­da as­sim re­gis­tam-se vá­ri­os cons­tran­gi­men­tos

Jornal de Economia & Financas - - Reportagem - An­dré Si­bi

Opro­ces­so do for­ne­ci­men­to de água po­tá­vel pa­ra as vá­ri­as uni­da­des fa­bris ins­ta­la­das no Pó­lo de De­sen­vol­vi­men­to In­dus­tri­al de Vi­a­na, em Lu­an­da, es­tá aos pou­co a se es­ta­bi­li­zar.

Se no pas­sa­do, as uni­da­des in­dus­tri­ais re­gis­ta­vam gran­des pre­juí­zos por cau­sa dos in­ves­ti­men­tos adi­ci­o­nais pa­ra a aqui­si­ção de uma das prin­ci­pais ma­té­ri­as-pri­mas pa­ra de­sen­vol­ve­rem a sua ac­ti­vi­da­de, ho­je por ho­je, os in­di­ca­do­res são bem di­fe­ren­tes, a jul­gar pe­los in­ves­ti­men­tos que a EPAL tem apli­ca­do no seu sis­te­ma de dis­tri­bui­ção a ní­vel da re­gião, pa­ra ga­ran­tir uma dis­tri­bui­ção inin­ter­rup­ta.

In­ves­ti­men­tos pre­ci­sam-se

Nu­ma ron­da re­a­li­za­da pe­lo JE na re­gião, pa­ra cons­ta­tar “in lo­co”, foi pos­sí­vel apu­rar que ain­da as­sim, mui­tas uni­da­des es­tão a bra­ços com a fal­ta de água.

O exem­plo é da Fi­brex, li­ga­da à fa­bri­ca­ção de tu­bos pa­ra a cons­tru­ção ci­vil, que pa­ra as­se­gu­rar os ní­veis de pro­du­ção, a uni­da­de tem de recorrer a cis­ter­nas pri­va­das, tor­nan­do mais ca­ra a ac­ti­vi­da­de.

Se­gun­do o di­rec­tor co­mer­ci­al da fá­bri­ca, An­tó­nio Fi­a­lho, a uni­da­de de pro­du­ção tem es­ta­do a res­sen­tir-se des­ta si­tu­a­ção, ten­do des­ta­ca­do que no pe­rí­me­tro on­de es­tá ins­ta­la­da a Fi­brex não exis­te uma con­du­ta pa­ra as­se­gu­rar o abas­te­ci­men­to de água, que por sua vez iria ga­ran­tir mais pro­du­ção in­dus­tri­al.

Pa­ra o em­pre­sá­rio es­ta di­fi­cul­da­de cons­ta en­tre as que con­cor­rem pa­ra tor­nar ca­ro o pro­du­to fi­nal, cau­san­do cons­tran­gi­men­tos aos cli­en­tes, já que os pre­ços “dis­pa­ram” no mer­ca­do.

Men­sal­men­te a fá­bri­ca con­so­me per­to de 300 mil li­tro de água, pa­ra as­se­gu­rar os ní­veis mí­ni­mos de pro­du­ção. Ac­tu­al­men­te, a em­pre­sa pro­duz 1.500 to­ne­la­das de pro­du­tos di­ver­sos, no seg­men­to de plás­ti­co.

Quan­to à ma­té­ria-pri­ma, a uni­da­de in­dus­tri­al re­cor­re prin­ci­pal­men­te à im­por­ta­ção de pro­du­tos quí­mi­cos, a par­tir da Áfri­ca do Sul, que cons­ti­tui um dos prin­ci­pais for­ne­ce­do­res pa­ra a in­dús­tria pe­troquí­mi­ca no con­ti­nen­te.

Quan­to ao abas­te­ci­men­to de ener­gia eléc­tri­ca, An­tó­nio Fi­a­lho con­si­de­rou re­gu­lar, em­bo­ra a es­ta­bi­li­da­de se ve­ri­fi­que mais no tem­po de ca­cim­bo.

“No pas­sa­do já foi mais di­fí­cil. Ho­je a re­a­li­da­de tem es­ta­do a me­lho­rar”, in­di­cou.

Em­pre­sa “Top Te­ch”

Por sua vez, o di­rec­tor ad­mi­nis­tra­ti­va da em­pre­sa “Top Te­ch” (pro­du­ção de tin­tas), Fran­cis­co Al­ber­to dis­se que, a uni­da­de fa­bril con­ta com três re­ser­va­tó­ri­os, com ca­pa­ci­da­de pa­ra con­ser­var até 30 mil li­tros de água.

Se­gun­do con­tou, no pas­sa­do, já foi mais di­fí­cil, mas nos úl­ti­mos anos, o qua­dro me­lho­rou sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te. Ain­da as­sim, re­ve­lou, a fal­ta de água con­ti­nua a ser uma pre­o­cu­pa­ção pa­ra os pro­du­to­res.

Men­sal­men­te a em­pre­sa con­so­me até 90 mil li­tros de água, usa­da es­sen­ci­al­men­te pa­ra pro­du­zir tin­tas di­ver­sas.

So­bre a ener­gia eléc­tri­ca, Fran­cis­co Al­ber­to dis­se ha­ver re­gu­la­ri­da­de no abas­te­ci­men­to.

“Sem­pre que se re­gis­ta um dé­fi­ce no for­ne­ci­men­to de ener­gia eléc­tri­ca a em­pre­sa re­cor­re a fon­tes al­ter­na­ti­vas, o que tam­bém ele­va os cus­tos de pro­du­ção, e que se tra­du­zem no pre­ço fi­nal do pro­du­to no mer­ca­do”, des­ta­cou.

300 MIL LI­TROS É quan­to a uni­da­de in­dus­tri­al “Fi­brex” con­so­me em água por mês, pa­ra ga­ra­tir a pro­du­ção re­gu­lar de tu­bos pa­ra cons­tru­ção ci­vil.

90 MIL LI­TROS Quan­ti­da­de de água que a fá­bri­ca “Top Te­ch” con­so­me men­sal­men­te pa­ra pro­du­zir es­sen­ci­al­men­te tin­tas di­ver­sas.

VIGAS DA PURIFICAÇÃO | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

No mu­ni­cí­pio de Vi­a­na cres­ce o nú­me­ro de uni­da­des fa­bris que aos pou­cos têm con­tri­buí­do na ge­ra­ção de em­pre­gos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.