Prós e con­tras à per­da de po­der con­ces­si­o­ná­rio da So­nan­gol

Jornal de Economia & Financas - - Primeira Página -

En­tre as mai­o­res ilu­sões eco­nó­mi­cas da ac­tu­a­li­da­de es­tá a cren­ça que “O equi­lí­brio fi­nan­cei­ro da So­nan­gol E.P. não se de­te­ri­o­ra com a re­ti­ra­da da fun­ção de con­ces­si­o­ná­ria na­ci­o­nal”, tal co­mo su­bli­nha­do pe­lo mi­nis­tro das Fi­nan­ças.

Cal­cu­la-se que a re­ti­ra­da da fun­ção con­ces­si­o­ná­ria en­vol­ve pe­lo me­nos 6.296 mi­lhões de dó­la­res, por es­te fac­to, pre­ten­de-se ana­li­sar o seu im­pac­to no equi­lí­brio fi­nan­cei­ro da So­nan­gol, que é en­ten­di­do co­mo a fol­ga fi­nan­cei­ra pa­ra pa­gar os seus com­pro­mis­sos de cur­to pra­zo, di­to de ou­tra for­ma, par­te do ac­ti­vo de cur­to pra­zo de­ve ser co­ber­to por dí­vi­da de mé­dio e lon­go pra­zo.

Con­for­me de­mons­tra­do no grá­fi­co ao la­do, sem a con­ces­si­o­ná­ria, a So­nan­gol apre­sen­ta­rá um de­se­qui­lí­brio fi­nan­cei­ro es­tru­tu­ral, tal con­clu­são é re­sul­ta­do da eli­mi­na­ção, em par­ti­das do­bra­das, de três tran­sac­ções da con­ces­si­o­ná­ria nas con­tas da So­nan­gol E.P. Os re­sul­ta­dos são es­ti­ma­ti­vas, em vir­tu­de da ba­se da aná­li­se ser o re­la­tó­rio de 2016 (Reg-16) dis­po­ni­bi­li­za­do no seu si­te, o que per­mi­tiu ela­bo­rar a in­fo­gra­fia.

Lei­tu­ras

A pri­mei­ra tran­sac­ção a ser eli­mi­na­da foi de 5.246 mi­lhões de dó­la­res re­fe­ren­tes ao fun­do pa­ra aban­do­no trans­fe­ri­dos pe­los as­so­ci­a­dos da con­ces­si­o­ná­ria pa­ra tu­te­la da So­nan­gol, E.P, en­quan­to con­ces­si­o­ná­ria na­ci­o­nal, con­for­me a no­ta n.º 18 do Reg-16.

Se­gun­da, su­pri­miu-se 1.050 mi­lhões de dó­la­res re­fe­ren­te às tran­sac­ções en­quan­to con­ces­si­o­ná­ria, den­tre os quais 34% cor­res­pon­dem as con­tri­bui­ções das su­as as­so­ci­a­das pa­ra o Cen­tro de In­ves­ti­ga­ção e Tec­no­lo­gia (CITEC), no­ta n.º 19.2 do Reg-16.

Ter­cei­ra, eli­mi­nou-se 1.021 mi­lhões de dó­la­res, dos quais 99,9% re­fe­ren­te aos ac­ti­vos re­ver­sí­veis, ou se­ja, in­ves­ti­men­to dos as­so­ci­a­dos da con­ces­si­o­ná­ria que re­ver­tem gra­tui­ta­men­te pa­ra a So­nan­gol, fin­do o pra­zo de con­ces­são, no­ta n.º 4.B do reg-16.

Na in­fo­gra­fia, de­mons­tra-se que a So­nan­gol en­con­trar-se-á nu­ma si­tu­a­ção de rup­tu­ra fi­nan­cei­ra, es­pe­lhan­do uma te­sou­ra­ria de­fi­ci­tá­ria de­vi­do à in­su­fi­ci­ên­cia de ca­pi­tais per­ma­nen­tes (área D2) que tem si­do com­pen­sa­do com dí­vi­da de cur­to pra­zo (áre­as B2 e C2), no­me­a­da­men­te, às dí­vi­das com for­ne­ce­do­res, dí­vi­das re­sul­tan­tes das ope­ra­ções con­jun­tas em con­ces­sões pe­tro­lí­fe­ras, con­tri­bui­ções dos tra­ba­lha­do­res por fun­de­ar no âm­bi­to do pla­no de pen­sões em re­gi­me de con­tri­bui­ção de­fi­ni­da, dí­vi­das com o Es­ta­do de An­go­la e, por fim, o financiamentos in­ter­na­ci­o­nais de cur­to pra­zo que re­pre­sen­ta 28% do seu to­tal.

Ou­tros­sim, a cri­ti­ci­da­de é mai­or, uma vez que 20% do ca­pi­tal per­ma­nen­te (área D1) cor­res­pon­de às trans­for­ma­ções das dí­vi­das das sub­si­diá­ri­as, de re­cu­pe­ra­bi­li­da­de por con­fir­mar, pe­lo que com o re­co­nhe­ci­men­to da im­pa­ri­da­de o mes­mo ten­de­rá di­mi­nuir.

Es­ta si­tu­a­ção é re­sul­ta­do da com­bi­na­ção en­tre a po­lí­ti­ca de en­di­vi­da­men­to agres­si­va e de in­ves­ti­men­to di­ver­si­fi­ca­do, am­bas de­sar­ti­cu­la­das com os re­sul­ta­dos ope­ra­ci­o­nais.

Em ter­mos de en­di­vi­da­men­to, nos úl­ti­mos seis anos, a mes­ma cap­tou 18.000 mi­lhões de dó­la­res (par­te da área D1 e F), ba­se­a­da, es­sen­ci­al­men­te, na re­ten­ção dos di­rei­tos da con­ces­si­o­ná­ria, sub­ven­ção aos com­bus­tí­veis, al­te­ra­ções da po­lí­ti­ca con­ta­bi­lís­ti­ca e con­ver­sões de de­mons­tra­ções fi­nan­cei­ras.

Já em ter­mos de in­ves­ti­men­to, es­tes ge­ra­ram re­tor­nos mui­to abai­xo do es­pe­ra­do, con­si­de­ran­do a tra­jec­tó­ria ne­ga­ti­va do re­sul­ta­do ope­ra­ci­o­nal, ape­sar da sua di­ver­si­fi­ca­ção fo­ra do sec­tor pe­tro­lí­fe­ro (par­te da área A), den­tre os quais: In­ves­ti­men­tos fi­nan­cei­ros (Ban­co Eco­nó­mi­co, Es­pe­ra­za Hol­ding, Lu­an­da Wa­ter­front); In­ves­ti­men­tos em Ho­téis (HCTA, Mai­an­ga e In­ter­con­ti­nen­tal – Ho­tel & Ca­si­no).

Adi­ci­o­nal­men­te, a in­dis­ci­pli­na de ca­pi­tal tem des­truí­do o va­lor da em­pre­sa. A tí­tu­lo de exem­plo, a im­pa­ri­da­de dos in­ves­ti­men­tos fi­nan­cei­ros ab­sor­veu 41% do seu va­lor em 2016, pas­san­do de 4.579 mi­lhões de dó­la­res bru­tos pa­ra 2.700 mi­lhões lí­qui­dos.

Me­di­das

De­cer­to, é imi­nen­te a fa­lên­cia téc­ni­ca da So­nan­gol com a re­ti­ra­da da fun­ção con­ces­si­o­ná­ria. To­da­via, a tí­tu­lo de con­tri­bui­ção e, pa­ra que is­so não acon­te­ça, é ne­ces­sá­rio ser an­te­ci­pa­da pe­la com­bi­na­ção de ou­tras me­di­das de âm­bi­to es­tru­tu­rais e con­jun­tu­rais. Do pon­to de vis­ta es­tru­tu­ral, po­der-se-á de­sin­ves­tir em ne­gó­ci­os não pe­tro­lí­fe­ro (re­du­zir par­te da área A), des­ta for­ma li­ber­tar-se-á fun­dos pa­ra sol­ver par­te dos com­pro­mis­sos de cur­to pra­zo (Re­du­zir área E), pe­lo que, o re­sul­ta­do da pri­va­ti­za­ção de­ve vol­tar pa­ra So­nan­gol e só a ela, con­for­me o prin­cí­pio da ex­clu­si­vi­da­de do di­rei­to de pro­pri­e­da­de. Não me­nos im­por­tan­te, de­ver-se-á op­ti­mi­zar o ac­ti­vo não ope­ra­ci­o­nal, ven­den­do ou fa­zen­do le­a­sing.

A se­gun­da me­di­da po­de­rá ser a sua re­ca­pi­ta­li­za­ção (au­men­tar a área D1), que po­de­rá ser, pe­la re­ten­ção de lu­cros, pe­la re­ti­ra­da gra­du­al da con­ces­si­o­ná­ria com­bi­na­da com au­men­to da re­ten­ção dos seus di­rei­tos, pe­la in­jec­ção di­rei­ta de ca­pi­tal e, por fim, re­ca­pi­ta­li­za­ção por in­te­gra­ção de ac­ti­vos re­ver­sí­veis. Do pon­to de vis­ta con­jun­tu­ral, de­ver-se-á adop­tar e cum­prir ri­go­ro­sa­men­te um pla­no de amor­ti­za­ção das dí­vi­das com for­ne­ce­do­res e pra­zos de pa­ga­men­to mais cur­tos (re­du­zir a área E), re­du­zir os cré­di­tos a cli­en­tes, en­ti­da­des es­ta­tais e par­ti­ci­pa­das (Re­du­zir a área B1) dos quais 637 mi­lhões de dó­la­res ce­di­dos a For­ce Pe­tro­leum, Ge­nius, Lek­tron Ca­pi­tal, Exem Afri­ca Li­mi­ted e a Ge­ni, S.A. Ou­tros­sim a dí­vi­da re­fe­ren­te ao Pla­no Na­ci­o­nal de Ur­ba­ni­za­ção e Ha­bi­ta­ção de­ve­rá ser re­pas­sa­da pa­ra o Es­ta­do (re­du­zir a área F), no­ta n.º15.1 do Reg-19.

Por fim, o que es­ta­rá mal e pre­ci­sa ser evi­ta­do se­rá a re­ti­ra­da ime­di­a­ta da fun­ção con­ces­si­o­ná­ria com­bi­na­da com a pri­va­ti­za­ção de al­guns dos ne­gó­ci­os da So­nan­gol, sem que os be­ne­fí­ci­os se re­ver­tem pa­ra mes­ma, ao me­nos que o ob­jec­ti­vo úl­ti­mo é a cu­mu­la­ção pri­mi­ti­va de ca­pi­tal, atra­vés des­ca­pi­ta­li­za­ção “de­pe­na­ção co­mo di­zem os bra­si­lei­ros” da ga­li­nha de ovos de ou­ro.

EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.