Apli­ca­bi­li­da­de das idei­as que são pre­mi­a­das

Jornal de Economia & Financas - - Primeira Página - Rui Ma­la­qui­as Eco­no­mis­ta e do­cen­te uni­ver­si­tá­rio

Eco­no­mis­ta Rui Ma­la­qui­as ex­pli­ca até que pon­to tais te­o­ri­as são úteis no dia-a-dia.

OS AU­TO­RES CRI­A­RAM MO­DE­LOS QUE RES­PON­DEM ÀS QUES­TÕES BÁ­SI­CAS E ES­TRU­TU­RAN­TES DA SO­BRE­VI­VÊN­CIA DAS ECO­NO­MI­AS, RES­PON­DEN­DO CO­MO É POS­SÍ­VEL CRI­AR CRES­CI­MEN­TO SUS­TEN­TA­DO PA­RA AS ECO­NO­MI­AS DE MER­CA­DO NO LON­GO PRA­ZO

Éu­nâ­ni­me que mui­tos de nós en­quan­to es­tu­dan­tes, prin­ci­pal­men­te por al­tu­ra da li­cen­ci­a­tu­ra, ques­ti­o­ná­va­mos a apli­ca­bi­li­da­de prá­ti­ca das ma­té­ri­as que os pro­fes­so­res trans­mi­ti­am, sem­pre com a sen­sa­ção er­ra­da de que se es­tá a es­tu­dar ma­té­ri­as que nun­ca se­rão úteis na “vi­da re­al” e que ape­nas ser­vem pa­ra com­pli­car a vi­da dos es­tu­dan­tes.

No nos­so ca­so, em que es­tu­da­mos eco­no­mia e fi­nan­ças, é im­por­tan­te aqui ex­pli­car que as ci­ên­ci­as eco­nó­mi­cas e fi­nan­cei­ras es­tão in­ti­ma­men­te li­ga­da­sa a va­riá­veis que in­flu­en­ci­am di­rec­ta­men­te o bem-es­tar dos ci­da­dãos, é nes­te con­tex­to que a va­lo­ri­za­ção da in­ves­ti­ga­ção dos nos­sos es­tu­di­o­sos me­re­ce um en­qua­dra­men­to ade­qua­do na vi­da prá­ti­ca, sen­do que é o que nos pro­po­mos fa­zer no pre­sen­te ar­ti­go.

So­bre os ven­ce­do­res do pré­mio no­bel da eco­no­mia 2018, não há mui­to de que di­zer, por­que de­ve­rão ser por nós, mais do que so­be­ja­men­te co­nhe­ci­dos, um de­les é Wil­li­am Nordhaus, ame­ri­ca­no de 77 anos de ida­de, Ster­ling Pro­fes­sor e Pes­qui­sa­dor da Uni­ver­si­da­de de Ya­le – New Ha­ven (USA), foi pi­o­nei­ro no es­tu­do dos efei­tos eco­nó­mi­cos do aque­ci­men­to glo­bal.

Além de que, é nos­so ve­lho com­pa­nhei­ro des­de os pri­mei­ros anos de cur­so de eco­no­mia, pois nas ca­dei­ras de eco­no­mia ou ma­cro­e­co­no­mia, to­dos usa­mos (ou pe­lo me­nos de­ve­ría­mos ter usa­do) a “bíblia” com tí­tu­lo “Eco­no­mics” de Paul Sa­mu­el­son e Wil­li­am Nordhaus, pu­bli­ca­da há exac­ta­men­te 50 anos, ou se­ja, a pri­mei­ra edi­ção é de 1948, pe­lo que se já en­con­tra na 19ª edi­ção.

O ou­tro lau­re­a­do tam­bém é ame­ri­ca­no, Paul Ro­mer­de 62 anos de ida­de, pro­fes­sor na Uni­ver­si­da­de de Nova York – Stern Scho­o­lof Bu­si­ness – New York (USA), re­co­nhe­ci­do in­ves­ti­ga­dor dos de­ter­mi­nan­tes da ino­va­ção tec­no­ló­gi­ca, foi ex-eco­no­mis­ta-che­fe do Ban­co Mun­di­al, ins­ti­tui­ção em que foi vi­ce-pre­si­den­te en­tre Ou­tu­bro de 2016 a Ja­nei­ro de 2018.

Ten­do por von­ta­de pró­pria e em de­fe­sa da sua hon­ra,aban­do­na­do a ins­ti­tui­ção por en­ten­der que du­ran­te o se­gun­do man­da­to (2014 – 2018) da Pre­si­den­te do Chi­le, a so­ci­a­lis­ta Ve­ró­ni­ca Mi­chel­le Ba­che­let Je­ria, o ran­king da­que­le país ti­ve­ra si­do in­jus­ta­men­te re­du­zi­do pe­lo Ban­co Mun­di­al, atra­vés de al­te­ra­ções na me­to­do­lo­gia de ava­li­a­ção, por ra­zões me­ra­men­te po­lí­ti­cas.

Na prá­ti­ca, os au­to­res cri­a­ram mo­de­los que res­pon­dem às ques­tões bá­si­cas e es­tru­tu­ran­tes da so­bre­vi­vên­cia das eco­no­mi­as, res­pon­den­do co­mo é pos­sí­vel cri­ar cres­ci­men­to sus­ten­ta­do (pe­la ino­va­ção tec­no­ló­gi­ca) e sustentável (pe­lo con­tro­lo das al­te­ra­ções cli­má­ti­cas) pa­ra as eco­no­mi­as de mer­ca­do no lon­go pra­zo.

Os au­to­res par­ti­ram da di­vi­sa de que a eco­no­mia cen­tra-se na ges­tão ou alo­ca­ção dos es­cas­sos re­cur­sos e que o cli­ma em si im­põe cons­tran­gi­men­tos ao cres­ci­men­to eco­nó­mi­co. Por­tan­to, é a ino­va­ção que de­ter­mi­na a me­lhor for­ma de li­dar com es­tes cons­tran­gi­men­tos. É par­tin­do des­ta as­sun­ção que os lau­re­a­dos am­pli­a­ram a sua aná­li­se cons­truin­do mo­de­los que ex­pli­cam o qu­an­to a eco­no­mia de mer­ca­do in­te­ra­ge com o cli­ma e a ino­va­ção ci­en­ti­fi­ca/tec­no­ló­gi­ca.

Paul Ro­mer, que re­ce­beu o pré­mio por in­te­grar as ino­va­ções tec­no­ló­gi­cas na aná­li­se de cres­ci­men­to ma­cro­e­co­nó­mi­co de lon­go pra­zo, de­mons­trou na prá­ti­ca que a ino­va­ção(in­du­zi­da pe­las con­di­ções do mer­ca­do) po­de in­flu­en­ci­ar o cres­ci­men­to eco­nó­mi­co de lon­go pra­zo.

Ten­do em con­si­de­ra­ção que o cres­ci­men­to eco­nó­mi­co em al­guns pon­tos per­cen­tu­ais, acu­mu­la­do me­lho­ria das con­di­ções de vi­da das pes­so­as, é tam­bém re­co­nhe­ci­do que es­ta mu­dan­ça é de­ri­va­da pe­la ino­va­ção tec­no­ló­gi­ca. Con­tu­do, ne­nhu­ma pes­qui­sa deu res­pos­ta de co­mo as de­ci­sões eco­nó­mi­cas e as con­di­ções do mer­ca­do de­ter­mi­nam a pes­qui­sa ci­en­tí­fi­ca e cri­a­ção de no­vas tec­no­lo­gi­as.

Paul Ro­mer res­pon­deu a es­ta ques­tão, de­mons­tran­do que as for­ças do mer­ca­do gui­am a ne­ces­si­da­de das em­pre­sas cri­a­rem no­vas idei­as e ino­va­ção. Es­ta so­lu­ção foi pu­bli­ca­da em 1990 e cri­ou as fun­da­ções pa­ra a que é co­nhe­ci­da co­mo te­o­ria do cres­ci­men­to en­dó­ge­no, que ho­je é usa­da co­mo ins­pi­ra­ção pa­ra leis e po­lí­ti­cas pú­bli­cas que en­co­ra­jem no­vas idei­as e ca­da vez mais a ino­va­ção tec­no­ló­gi­ca.

Wil­li­am Nordhaus, por seu la­do, foi pre­mi­a­do por ter in­te­gra­do o efei­to das al­te­ra­ções cli­má­ti­cas na aná­li­se de cres­ci­men­to eco­nó­mi­co de lon­go pra­zo. Já des­de 1970 mos­tra­va-se pre­o­cu­pa­do com os efei­tos da com­bus­tão dos com­bus­tí­veis fos­seis no cli­ma mun­di­al, cen­tran­do a sua pes­qui­sa na re­la­ção en­tre a eco­no­mia e o cli­ma.

É es­ta pre­o­cu­pa­ção que em 1990 le­vou-o a mon­tar um mo­de­lo quan­ti­ta­ti­vo que des­cre­ve a in­te­ra­ção en­tre a eco­no­mia e o cli­ma. Es­te mo­de­lo com­bi­na pre­cei­tos teó­ri­cos e re­sul­ta­dos em­pí­ri­cos do cam­po da fí­si­ca, quí­mi­ca e eco­no­mia e ex­pli­ca os efei­tos con­cre­tos das al­te­ra­ções cli­má­ti­cas no cres­ci­men­to eco­nó­mi­co de lon­go pra­zo.

O mo­de­lo é ho­je usa­do pa­ra si­mu­lar/ pre­ver a for­ma co­mo a eco­no­mia e o cli­ma se re­la­ci­o­nam e pa­ra exa­mi­nar as con­sequên­ci­as ou efei­tos das po­lí­ti­cas de in­ter­ven­ção cli­má­ti­cas, es­pe­ci­fi­ca­men­te pa­ra me­dir os efei­tos da apli­ca­ção das ta­xas car­bo­no no de­sem­pe­nho eco­nó­mi­co e na pro­te­ção am­bi­en­tal.

Os tra­ba­lhos de Ro­mer e Nordha­ous são ex­tre­ma­men­te me­to­do­ló­gi­cos e nos for­ne­cem os seus pon­tos de vis­ta, su­por­ta­dos por mo­de­los teó­ri­cos e em­pí­ri­cos, as cau­sas e efei­tos da ino­va­ção tec­no­ló­gi­ca e das al­te­ra­ções cli­má­ti­cas no cres­ci­men­to eco­nó­mi­co de lon­go pra­zo nas eco­no­mi­as de mer­ca­do.

Por ou­tro la­do, afas­tam-se ain­da que for­ma tí­mi­da do li­be­ra­lis­mo es­tre­mo, re­co­nhe­cen­do que as po­lí­ti­cas pú­bli­cas, aqui re­pre­sen­ta­das pe­la in­ter­ven­ção re­gu­la­tó­ria do Es­ta­do, são im­por­tan­tes pa­ra fo­men­tar a ino­va­ção tec­no­ló­gi­ca e con­tro­lar cla­ra­men­te o pro­ces­so de de­te­ri­o­ra­ção cli­má­ti­ca que é ace­le­ra­do pe­la in­dus­tri­a­li­za­ção.

O que se ten­ta de­mons­trar é que é pos­sí­vel ha­ver cres­ci­men­to eco­nó­mi­co sus­ten­ta­do e sustentável no lon­go pra­zo, com cons­tan­te ino­va­ção ci­en­tí­fi­ca, mai­or efi­ci­ên­cia nos pro­ces­sos pro­du­ti­vos, sem des­co­rar a pro­te­ção am­bi­en­tal, e que o Es­ta­do tem um pa­pel de­ci­si­vo nes­te pro­ces­so, tra­zen­do po­lí­ti­cas pú­bli­cas e re­gu­la­ção que fo­men­te a ino­va­ção e pro­te­ja o am­bi­en­te.

Ame­ri­ca­nos Wil­li­am Nordhaus e Paul Ro­mer re­par­tem a edi­ção de 2018

EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

FOTOS DR

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.