In­dús­tria “co­me” KZ 250 mi­lhões

O even­to vai ter lu­gar em Lu­an­da em No­vem­bro sob o le­ma “Cres­cer e fa­zer Cres­cer” e pre­ten­de con­tri­buir pa­ra a pro­mo­ção e o au­men­to da pro­du­ção e re­du­zir as im­por­ta­ções

Jornal de Economia & Financas - - Primeira Página - An­dré Si­bi

A 15ª edi­ção da Ex­po-In­dús­tria + Projekta tem tu­do a pos­tos pa­ra ar­ran­car de 14 a 17 de No­vem­bro, em Lu­an­da.

Cer­ca de 250 mi­lhões de kwan­zas se­rão in­ves­ti­dos pa­ra a re­a­li­za­ção da 15ª edi­ção da “Ex­po-In­dús­tria + Projekta”, nu­ma or­ga­ni­za­ção con­jun­ta do Mi­nis­té­rio da In­dús­tria e a Eventos Are­na, com o apoio do Mi­nis­té­rio da Cons­tru­ção e Obras Pú­bli­cas.

A fei­ra que vai de­cor­rer de 14 a 17 de No­vem­bro, em Lu­an­da, na Zo­na Eco­nó­mi­ca Es­pe­ci­al Lu­an­da/ Ben­go, sob o le­ma “Cres­cer e fa­zer Cres­cer”, jun­ta no mes­mo es­pa­ço cer­ca de 300 em­pre­sas na­ci­o­nais e es­tran­gei­ras, das quais 75 por cen­to já con­fir­ma­ram a sua pre­sen­ça, que irão re­pre­sen­tar seg­men­tos co­mo o dos equi­pa­men­tos, ser­vi­ços, cons­tru­ção ci­vil, obras pú­bli­cas, ur­ba­nis­mo, ar­qui­tec­tu­ra e de­co­ra­ção.

Se­gun­do o ad­mi­nis­tra­dor do gru­po Eventos Are­na, Manuel No­vais, que fa­la­va nu­ma con­fe­rên­cia de im­pren­sa, re­a­li­za­da, na pas­sa­da ter­ça-fei­ra, em Lu­an­da, ac­to que mar­cou o lan­ça­men­to e divulgação da ex­po­si­ção, o pre­ço dos stands pa­ra ex­po­si­ção es­tão or­ça­dos en­tre kz 16.500 e 891 mil. Já os bi­lhe­tes pa­ra os vi­si­tan­tes vão ron­dar nos kz 1.500.00.

De acor­do com a or­ga­ni­za­ção, pa­ra es­te ano, o even­to te­rá uma área bru­ta de 28 mil me­tros qua­dra­dos.

O ob­jec­ti­vo é co­lo­car no mes­mo es­pa­ço pro­du­to­res na­ci­o­nais e ou­tros in­te­res­sa­dos em apli­car os seus in­ves­ti­men­tos no mer­ca­do na­ci­o­nal.

Mer­ca­do in­dus­tri­al

Na oca­sião, o di­rec­tor-ge­ral ad­jun­to do Ins­ti­tu­to de De­sen­vol­vi­men­to In­dus­tri­al de An­go­la (IDIA), Lou­ren­ço Te­xe, ex­pli­cou que o sec­tor da In­dús­tria ain­da não atin­giu os ní­veis de­se­ja­dos e que a si­tu­a­ção ac­tu­al ser­ve de ba­se pa­ra com­pre­en­der as re­ais ne­ces­si­da­des des­te ra­mo.

En­tre os sectores que já re­gis­ta­ram ní­veis de pro­du­ção à al­tu­ra de aten­der o con­su­mo in­ter­no, o res­pon­sá­vel apon­tou o seg­men­to das be­bi­das, ci­men­to e ma­te­ri­ais de cons­tru­ção.

Se­gun­do o res­pon­sá­vel, a agro-in­dús­tria cons­ta en­tre os ra­mos mais pro­cu­ra­dos pe­los in­ves­ti­do­res na­ci­o­nais e es­tran­gei­ros.

Pa­ra ele, a re­a­li­za­ção des­tes eventos pro­mo­ve as po­ten­ci­a­li­da­des eco­nó­mi­cas e in­dus­tri­ais do país, na pers­pec­ti­va da di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia, cri­a­ção de pos­tos de tra­ba­lho, di­mi­nui­ção das im­por­ta­ções e pro­mo­ção das ex­por­ta­ções.

A or­ga­ni­za­ção diz que as con­di­ções es­tão cri­a­das pa­ra que os par­ti­ci­pan­tes pos­sam ne­go­ci­ar e pro­por­ci­o­nar fer­ra­men­tas des­ti­na­das pa­ra me­lho­rar o am­bi­en­te de ne­gó­cio.

Além da ex­po­si­ção es­tão pre­vis­tas igual­men­te vá­ri­as con­fe­rên­ci­as, com des­ta­que pa­ra a re­fle­xão so­bre a “Qua­li­da­de e efi­ci­ên­cia dos ma­te­ri­ais de cons­tru­ção ci­vil”, a ser re­a­li­za­da pe­la As­so­ci­a­ção das In­dús­tri­as de Ma­te­ri­ais de Cons­tru­ção de An­go­la, as­sim co­mo a atrac­ção de in­ves­ti­men­tos e no­vas fon­tes de ren­di­men­to pa­ra a in­dús­tria, ac­to que se­rá re­a­li­za­do pe­lo Mi­nis­té­rio de tu­te­la.

Tro­ca de ex­pe­ri­ên­cia

No ano pas­sa­do, o mi­nis­tro da Cons­tru­ção e Obras Pú­bli­cas, Manuel Ta­va­res de Al­mei­da, dis­se na ce­ri­mó­nia de aber­tu­ra da 14ª edi­ção da Fei­ra In­ter­na­ci­o­nal de Equi­pa­men­tos e Ma­te­ri­ais de Cons­tru­ção Ci­vil, Obras Pú­bli­cas, Ur­ba­nis­mo e Ar­qui­tec­tu­ra (Projekta/An­go­la), que o sec­tor pre­ten­de adop­tar ini­ci­a­ti­vas pa­ra um mai­or diá­lo­go en­tre os agen­tes do ra­mo pa­ra a sua con­tri­bui­ção nas me­di­das e po­lí­ti­cas pú­bli­cas.

Con­si­de­rou que o even­to era “uma for­ma nova de in­te­rac­ção en­tre a tu­te­la que re­pre­sen­ta­mos e os mais di­ver­sos in­ter­ve­ni­en­tes do Sec­tor da Cons­tru­ção e Obras Pú­bli­cas, co­mo for­ma de ob­ter­mos, em úl­ti­ma ins­tân­cia, um com­pro­mis­so que me­lhor nos con­du­za a pro­jec­tar e cons­truir com qua­li­da­de, se­gu­ran­ça e du­ra­bi­li­da­de”.

Lou­ren­ço Te­xe Di­rec­tor-ge­ral ad­jun­to do IDIA A AGRO-IN­DÚS­TRIA CONS­TA EN­TRE OS RA­MOS MAIS PRO­CU­RA­DOS PE­LOS IN­VES­TI­DO­RES NA­CI­O­NAIS E ES­TRAN­GEI­ROS

Manuel No­vais Ad­mi­nis­tra­dor da Eventos Are­na O OB­JEC­TI­VO É CO­LO­CAR NO MES­MO ES­PA­ÇO PRO­DU­TO­RES NA­CI­O­NAIS E OU­TROS IN­TE­RES­SA­DOS EM APLI­CAR OS SEUS IN­VES­TI­MEN­TOS

EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Os es­pa­ços dos stands pa­ra ex­po­si­ção es­tão or­ça­dos en­tre kz 16.500 e 891 mil se­gun­do da­dos avan­ça­dos

SAN­TOS PE­DRO | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.